Imprensa oficial chinesa ignora resultado das eleições em Hong Kong

Jerome Favre / EPA

A ampla vitória dos candidatos da oposição nas eleições do conselho distrital de Hong Kong foi na segunda-feira ignorada pela imprensa chinesa, com apenas as edições em inglês a referirem uma votação “distorcida” a favor do campo pró-democracia.

A imprensa controlada pelo regime chinês, que no fim de semana apelou aos cidadãos de Hong Kong que fossem às urnas “dizer não à violência” com o voto nos candidatos pró-Pequim, absteve-se hoje de publicar os resultados eleitorais.

Na segunda-feira à noite, o jornal da noite na televisão estatal CCTV absteve-se de falar sobre as eleições em Hong Kong, enquanto o jornal oficial do Partido Comunista, o Diário do Povo, observou que as manifestações que assolam o território “perturbaram seriamente o processo eleitoral”, mas também sem detalhar os resultados.

A imprensa oficial de Pequim em inglês, que é voltada para leitores estrangeiros, preferiu desvalorizar o resultado. Num editorial, o jornal oficial China Daily considerou que as eleições foram “distorcidas por manobras intimidadoras” e “golpes”.

No seu serviço em inglês, a agência noticiosa China News Agency afirmou que a eleição para os conselheiros distritais foi “sabotada” por “manifestantes”. “A campanha de alguns candidatos patriotas foi gravemente interrompida”, garantiu a agência. “Um candidato foi ferido durante um ataque e o assédio aos candidatos patriotas continuou no dia da eleição”, acusou.

O jornal Global Times reconheceu que o resultado da pesquisa vai incentivar à “reflexão”, mas que não é necessário “interpretar demais a vitória” do campo pró-democracia. O jornal observou que, segundo o método de votação, este venceu “80% dos assentos com apenas 60% dos votos”.

Os partidos pró-democracia venceram pelo menos 388 dos 452 assentos, depois de não terem conseguido um único conselho nas últimas eleições locais, realizadas há quatro anos, enquanto os candidatos pró-Pequim caíram para 59.

Cerca de três milhões de pessoas votaram, quase o dobro do que em 2015, representando mais de 70% dos eleitores registados. Os resultados destas eleições são um indicador do amplo apoio aos protestos antigovernamentais que há seis meses atingem Hong Kong, apesar dos contornos cada vez mais violentos, com frequentes atos de vandalismo e confrontos com a polícia.

As manifestações iniciaram-se devido a um projeto de lei que permitiria extraditar criminosos para países sem acordos prévios, como é o caso da China continental. Apesar de, entretanto, retirado, o projeto de lei deu origem a um movimento que exige reformas democráticas e se opõe à crescente interferência de Pequim no território.

Os protestos em Hong Kong têm sido marcados por violentos confrontos entre manifestantes e a polícia, que tem usado balas de borracha, gás pimenta e gás lacrimogéneo. A 1 de julho, alguns manifestantes chegaram a invadir o Parlamento.

O dia em que se assinalaram os 70 anos da fundação da República Popular da China, foi um dos dias mais violentos desde o início das manifestações. Nesse dia, um estudante de 18 anos foi alvejado com balas reais. Dois dias antes, uma jornalista indonésia foi alvejada com uma bala de borracha no olho.

À semelhança de Macau, para a antiga colónia britânica foi acordado um período de 50 anos após a transferência da soberania para a China, mantendo um elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, de acordo com a fórmula ‘um país, dois sistemas’.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Que grande bofetada levou o regime nojento da China! Agora, como bons trafulhas, estão desesperados em busca se desculpas para entrarem a matar! Continuem a cantar loas e financiar a este regime nojento, que teremos problemas maiores e não apenas em Hobg Kong, pois já anda a mostrar as garras a todos.

  2. Como qualquer país a sair de uma ditadura, a China está a criar uma classe média forte, para além do facto que ainda procura vingança pela época das guerras do ópio, onde os estados do oeste humilharam, colonizaram e escravizaram os chineses. Do ponto de vista deles, entendo embora me parece um passo atrás na evolução humana. Assim os chineses se auto-classificam de racistas

  3. Um regime comunista aceitar eleições livres, seria engraçado! E neste caso numa parte de território que pouco a pouco acabará por ficar dominado a 100% pela China, assim terminem os acordos que levaram à anexação do território por parte da China, o mesmo acontecerá a Macau.

RESPONDER

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …

Bastonário dos Médicos sugere uso obrigatório de máscara na rua (e em todo o país)

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sugere que o Governo pondere decretar o uso obrigatório de máscara no espaços exteriores de todo o país, à semelhança do que fez a Região Autónoma da …