Hungria e Polónia vetam orçamento comunitário e fundo de recuperação

eu2017ee / Flickr

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, notificou esta segunda-feira a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, de que vetará o orçamento plurianual da União Europeia (UE) e o fundo de recuperação da pandemia.

O Governo húngaro cumpre assim a sua ameaça de bloquear a aprovação dos dois orçamentos, alegando que o mecanismo que condiciona a entrega de ajuda ao respeito pelo estado de Direito é uma “chantagem política”.

“A Hungria vetou o orçamento, tal como advertiu o PM Orbán”, confirmou o porta-voz do primeiro-ministro húngaro através do Twitter. “Não podemos apoiar o plano atual de vincular os critérios do Estado de direito às decisões orçamentais. Isso é contrário às conclusões do conselho (europeu) de julho”, justificou Zoltan Kovacs, citado pelo Expresso.



Esta posição foi esta segunda-feira manifestada por Orbán, numa carta enviada a Merkel e a Michel, reiterando que a Hungria votará contra todos os pontos relacionados com o orçamento plurianual, bem como o fundo de recuperação, “incluindo os que precisam de um voto unânime”, de acordo com o assessor de imprensa do Governo húngaro, Bertalan Havasi.

A Hungria será acompanhada pela Polónia, neste veto ao orçamento plurianual de 1,8 biliões de euros para os 27 países da UE – acordado na semana passada após meses de difíceis negociações e que deverá entrar em vigor nas próximas semanas – bem como ao fundo de recuperação da crise económica provocada pela pandemia de Covid-19, de 750 mil milhões de euros.

Os governos nacionalistas e conservadores da Hungria e da Polónia opõem-se às condições impostas para a atribuição das ajudas financeiras, que visam travar as políticas dos países que colocam em causa os padrões democráticos da comunidade.

Em Varsóvia, o ministro da Justiça polaco, Zbigniew Ziobro, disse hoje que “não haverá consentimento para esse mecanismo”, já que ele “limitaria radicalmente a soberania da Polónia”.

Os governos polaco e húngaro não podem vetar este mecanismo, mas podem bloquear a aprovação do orçamento plurianual e do fundo de recuperação, já que estes implicam uma unanimidade de posições entre os 27 países da UE.

Ambos os países enfrentam processos abertos pela UE por incumprimento dos valores fundamentais da comunidade em matérias de justiça e de normas democráticas.

“Dois estados-membros expressaram reservas quanto a um dos elementos do pacote global, mas não à substância do acordo”, confirmou também através do Twitter o porta-voz da presidência alemã, Sebastian Fischer.

https://twitter.com/SFischer_EU/status/1328341549076406273

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Juiz negacionista chama "pedófilo" a Ferro Rodrigues. CSM admite novo processo disciplinar

O Presidente da Assembleia da República já reagiu ao vídeo do juiz negacionista em que este lhe chama "pedófilo", tendo alertado o Conselho Superior da Magistratura (CSM), que também já disse que os "novos factos …

Barragem do Pisão fica pronta em 2026 (e "demonstra bem o que pretende ser o PRR")

As obras de construção da barragem do Pisão, no concelho de Crato, distrito de Portalegre, cujo contrato de financiamento foi assinado esta sexta-feira, vão arrancar até 2023 para o empreendimento entrar em "pleno funcionamento" em …

Gonçalves Pereira diz que não é recandidato por "opção exclusiva da direção"

O vereador do CDS-PP na Câmara de Lisboa afirmou, esta sexta-feira, que não é recandidato nas próximas autárquicas por opção exclusiva da atual direção do partido, que foi contra os órgãos distritais e concelhios. "Este ano, …

Fraude de quatro milhões com IVA na alimentação. MP acusa 29 arguidos

Uma rede de empresas responsável por simular transações de produtos alimentares isentas de IVA foi desmantelada pelas autoridades e 29 arguidos foram acusados pelo Ministério Público (MP), devido a um esquema que permitiu obter reembolsos …

Nove anos de prisão para primeiro condenado ao abrigo da lei da segurança nacional em Hong Kong

O primeiro residente de Hong Kong condenado no âmbito da nova lei de segurança nacional foi sentenciado a nove anos de prisão, esta sexta-feira, por terrorismo e incitação à secessão. Os três juízes, escolhidos pela chefe …

Novo Banco e Apollo entregam propostas pelo EuroBic

O Novo Banco e o fundo Apollo apresentaram propostas para as posições de Isabel dos Santos e de Fernando Teles no EuroBic, enquanto o fundo J.C. Flowers e o Abanca estão a negociar com os …

Israel vai administrar terceira dose da vacina em maiores de 60 anos

Israel vai avançar com a inoculação de uma terceira dose da vacina contra a covid-19 em pessoas com mais de 60 anos, anunciou, esta quinta-feira, o primeiro-ministro israelita, numa declaração transmitida na televisão. Confrontado nas últimas …

Autoridades chinesas e Talibãs estreitam laços enquanto EUA deixam o Afeganistão

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, se reuniu na quarta-feira com líderes dos Talibãs na cidade de Tianjin, no norte da China, um sinal do estreitamento dos laços entre Pequim e o grupo …

Feirantes senegaleses queixam-se de "acesso bloqueado" à feira de Barcelos

Feirantes do Senegal queixaram-se esta quinta-feira de serem proibidos de operar na feira semanal de Barcelos e falaram em discriminação racial, mas a câmara contrapôs que é uma questão de cumprimento do regulamento que impede …

Tribunal de Justiça da UE retira imunidade parlamentar a Puigdemont

O Tribunal de Justiça da União Europeia retirou, esta sexta-feira, a imunidade parlamentar ao ex-presidente do Governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, e aos também eurodeputados catalães Toni Comín e Clara Ponsatí. Na sentença proferida esta …