/

“É como se quisessem tirar-nos os nossos filhos”. Hungria acusa UE por agir contra a sua lei anti-LGBTIQ

4

Patrick Seeger / EPA

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, classificou esta sexta-feira como “vandalismo legal” o processo aberto pela União Europeia contra este país por discriminar a comunidade LGTBIQ.

“Isto é vandalismo legal, um alvoroço. Tanto o direito familiar como a educação são uma competência nacional e querem iniciar processos nestas matérias”, disse Orbán à rádio pública Kossuth, defendendo a lei recentemente aprovada que liga a pedofilia à homossexualidade.

“É vergonhoso que [a Comissão Europeia] esteja a pedir-nos para alterar a nossa lei da educação”, disse Orbán, citado pela agência espanhola Efe, sublinhando que Bruxelas quer garantir que as organizações LGTBIQ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e queer) tenham permissão para entrar nas escolas da Hungria.

A Comissão Europeia abriu na quinta-feira um processo de infração devido à lei anti-LGBTIQ, aprovada em 15 de junho no país, e que, na sua fundamentação, proíbe “a promoção” da homossexualidade junto de menores de 18 anos.

Segundo a Comissão Europeia, o Governo húngaro não conseguiu explicar ao executivo comunitário “porque é que a exposição de crianças a conteúdos LGBTIQ seria prejudicial para o seu bem-estar ou não estaria de acordo com os seus melhores interesses”.

Elencando assim um conjunto de regras europeias que a lei húngara viola, a Comissão Europeia frisa que as disposições do diploma também “violam a dignidade humana, a liberdade de expressão e de informação, o respeito pelo direito humano” e os valores europeus que estão consagrados no artigo 2.º dos Tratados da UE.

O Governo húngaro, por seu lado, afirma que a sua lei defende os menores e o direito dos pais de educarem os seus filhos como entenderem. “É vergonhoso”, disse Orbán sobre o procedimento, enfatizando: “Como se quisessem tirar-nos os nossos filhos”.

O primeiro-ministro repetiu que o adiamento da aprovação, em Bruxelas, do plano húngaro para a recuperação da pandemia tem a ver com a controversa lei. “É inaceitável que os valores estejam ligados a fundos”, disse, acrescentando: “Bruxelas abusa do seu poder, mas trata-se da liberdade das nossas crianças

A Comissão Europeia rejeitou essas acusações e, embora admitindo que “desaprova totalmente” a controversa lei, sublinhou que os problemas com a Hungria não podem reduzir-se a discussões sobre esta medida.

  // Lusa

4 Comments

  1. O parágrafo introdutório é tão tendencioso. Têm sempre de catalogar pejorativamente quem não gostam, e função de jornalista não é gostar ou não. Orbán-ultrnacionalista, Ventura-extrema direita, etc. Gostava de ver ‘Catarina Martins, líder da extrema-esquerda ‘, mas não se vê. O resultado da agenda LGBTQAA… nas escolas é 40-50% das crianças em escolas na Inglaterra, sem idade sequer para serem expostas a conteúdos de teor sexual, afirmarem-se já como transexuais. É também tendencioso e mentira afirmar que o objetivo é ‘discriminar’ essa comunidade. É proteger as crianças de uma ideologia perversa, falsa e acoplada com outras ideologias de base marxista, pois é verdade que um mal nunca vem só.

  2. Força Hungria! As minorias são isso mesmo, minorias. Tolerar e aceitar a diferença não é a mesma coisa que promover essa diferença. Cada um que mande na sua casa.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE