/

Erro clínico. Centenas de hóspedes em quarentena em hotel da Austrália vão ter de fazer teste ao VIH

Marcelo Camargo / ABr

Centenas de pessoas que estiveram em quarentena no hotel Victoria, na Austrália, vão ter de fazer o teste de doenças transmitidas pelo sangue, incluindo VIH, devido a um erro dos profissionais de saúde daquele local covid-19.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, as autoridades revelaram que os dispositivos de teste de glicose no sangue foram reutilizados incorretamente em pelo menos 243 pessoas no hotel Victoria, que está a ser usado como uma instalação de quarentena para covid-19 na Austrália.

As pessoas que passaram pela quarentena do hotel devem ser testadas para VIH. As autoridades de saúdes temem uma eventual contaminação cruzada pelo uso incorreto de dispositivos de teste de glicose no sangue.

Vários dispositivos de teste de glicose no sangue foram usados em várias pessoas em quarentena entre 29 de março e 20 de agosto, o que significa que terão de ser rastreadas para doenças transmitidas pelo sangue, como hepatite B, C e VIH.

Os dispositivos, que colhem uma pequena amostra de sangue da ponta do dedo, devem ser usados por apenas uma pessoa. Embora a agulha seja trocada entre os usos, vestígios microscópicos de sangue remanescente no dispositivo criam um baixo risco clínico de contaminação cruzada.

Em comunicado, um porta-voz da Safer Care Victoria, a agência estadual de qualidade e segurança de saúde, disse que todas as pessoas no hotel “que tiveram condições ou episódios que podem ter exigido o teste também serão contactados como precaução.”

O primeiro-ministro de Victoria, Daniel Andrews, disse que a questão foi um “erro clínico que foi feito há algum tempo”. “Uma Assistência Mais Segura Victoria fizeram alguns anúncios em relação a um erro clínico que foi feito há algum tempo, risco muito baixo, mas não se pode correr riscos com estas coisas”, afirmou.

O ministro da Saúde Martin Foley observou que não há atualmente nenhuma evidência de alguém ter sido infetado devido ao erro, que foi identificado por enfermeiras no hospital Alfred em agosto. Foley sublinhou que “este é, de acordo com todos os conselhos clínica, muito, muito baixo risco de contaminação cruzada”.

A partir de terça-feira, 141 pessoas tinham sido contactadas e 71 foram testadas para uma possível contaminação cruzada e infecção causada pelo erro.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.