Governo de Hong Kong adia eleições devido ao “agravamento da pandemia”

Jerome Favre / EPA

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam

A chefe do Governo de Hong Kong anunciou, esta sexta-feira, que as eleições legislativas, marcadas para o dia 6 de setembro, vão ser adiadas devido ao “agravamento da pandemia” de covid-19 na região.

É a decisão mais difícil que tomei nos últimos sete meses, mas temos de garantir a segurança das pessoas e que as eleições decorram de forma livre e justa”, afirmou Carrie Lam, em conferência de imprensa na região administrativa especial de Hong Kong.

Hong Kong tem vindo a registar um aumento de casos. Mais de metade do total de 3272 infetados foram registados desde o início de julho. Lam acrescentou que Pequim apoiou a iniciativa de adiar as eleições.

A decisão alimentou a revolta do movimento pró-democracia, que acusou a chefe do Executivo de usar a pandemia de covid-19 para se proteger de uma derrota nas urnas.

O adiamento das eleições para o Conselho Legislativo é anunciado um dia depois de as autoridades terem vetado 12 candidatos da oposição, entre os quais o dirigente do Partido Cívico, Alvin Yeung, e o líder estudantil Joshua Wong.

As desqualificações foram justificadas num comunicado em que o Executivo elaborou uma longa lista de motivos, incluindo o facto de alguns candidatos criticarem a lei de segurança ou recusarem reconhecer a soberania chinesa em Hong Kong.

Surpreendentemente, o Governo alegou mesmo que aqueles candidatos tinham de ser desqualificados porque queriam ganhar a maioria no LegCo (o Parlamento de Hong Kong).

Hoje, em conferência de imprensa, Wong disse que se trata de “uma caça às bruxas”, referindo-se à desqualificação das candidaturas dos membros da oposição democrática.

“Podem vetar-nos, deter-nos e meter-nos na prisão. Até podem desmarcar as eleições e criar outro Parlamento fantoche. Mesmo assim, a nossa voz vai continuar a ser forte. Impedir-me de me apresentar às eleições não vai fazer cair o nosso ideal democrático”, disse Joshua Wong, acrescentando que “este é, sem dúvida, o período mais escandaloso de fraude eleitoral na história de Hong Kong”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …