Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer.

James Mitchell foi o psicólogo responsável pela criação do “programa de tortura” da CIA, a agência de Inteligência dos Estados Unidos. “Eu suspeitava desde o início que acabaria aqui”, disse Mitchell a uma comissão militar na Baía de Guantánamo”, em Cuba, esta terça-feira.

Em Guantánamo, está a decorrer o julgamento dos cinco suspeitos de Al-Qaeda acusados de ajudar a planear a financiar os ataques terroristas às torres gémeas, no dia 11 de setembro de 2001.



O antigo militar aposentado da Força Aérea não está arrependido. “Eu acredito que a CIA estava a representar a América na ponta da lança”, atirou. De acordo com a VICE, Mitchell explicou que depois dos ataques, a CIA mudou a sua mentalidade, procurando novas táticas, incluindo algumas que ultrapassassem limites morais e legais.

Além disso, garante que nunca olhou para o “programa de tortura” como uma missão pessoal, mas sim como “uma missão da América”, já que estavam a tentar prevenir um novo ataque terrorista no país.

Confrontado pelo advogado de defesa, Mitchell foi imperativo: “Eu fiz-lo pelas vítimas e pelas suas famílias, não por si”. E acrescentou: “Vocês têm dito coisas falsas e maliciosas sobre mim e sobre o Dr. Jessen durante anos”. Bruce Jessen é o outro psicólogo que colaborou com Mitchell no programa de tortura aos suspeitos.

James Mitchell torturou Khalid Sheikh Mohammed, suspeito de planear os ataques juntamente com Bin Laden, através de uma técnica de afogamento simulado. Esta forma de tortura consiste em deitar a pessoas de costas, com a cabeça inclinada para trás, e lançar água sobre a cara da pessoa e para dentro das vias respiratórias.

Por isso, a equipa de defesa defende quaisquer declarações obtidas através das práticas de tortura não podem ser consideradas “voluntárias”.

Mitchell descreve-se como um funcionário contratado, que ofereceu recomendações, mas que não tinha o poder para assumir o controlo. Ainda assim, era muitas vezes ele que conduzia os interrogatórios aos suspeitos.

“Pensei na minha obrigação moral de proteger vidas americanas contra o desconforto temporário de terroristas que se rebelaram contra a América. Decidi que ia viver com isso”, disse, esta terça-feira. Pouco depois, confessou: “Deixem-me que vos diga para que saibam. Se fosse hoje, voltaria a fazê-lo“, afirmou.

Entretanto, o julgamento continua em Guantánamo, onde se espera que mais arguidos sejam ouvidos ao longo dos próximos dias.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia ressuscitou o "plágio" de escritores medievais

Os trabalhos de autores medievais foram "ressuscitados" com a tecnologia do século XXI numa inesperada colaboração na Universidade de St Andrews, na Escócia. Um arquivo das obras de autores ingleses medievais, que revelava uma visão internacional …

Num cenário apocalíptico, a espécie humana poderia sobreviver "com populações na casa das centenas"

Cientistas de todo o mundo debruçam-se sobre a preparação das populações (e de abrigos) para sobreviver a um possível apocalipse. Para o antropólogo Cameron Smith, não seria necessário um número muito elevado de pessoas, desde …

Príncipe Harry diz que viver com a família real é "uma mistura entre o Truman Show e estar num zoo"

Depois de uma entrevista a Oprah Winfrey, o duque de Sussex faz novas revelações numa nova entrevista e descreve como era a sua vida antes de ir viver, primeiro para o Canadá e, depois, para …

Pentear o cabelo pode tornar-se uma tarefa mais fácil com a ajuda de um robô

Uma equipa de cientistas desenvolveu recentemente um braço robótico com uma escova de cabelo macia, equipada com uma câmara que ajuda o braço a "ver" e a avaliar a ondulação, para oferecer ao utilizador uma …

Benfica 4-3 Sporting | Águia vence dérbi espectacular

Mas que grande dérbi! Benfica e o novo campeão Sporting presentearam os adeptos com um jogo espectacular, um dos melhores dos últimos anos em Portugal, com futebol de ataque e golos, muitos golos. Foram nada menos …

Portugal é o 2.º país com mais divórcios e menos casamentos na UE

A taxa de casamentos na União Europeia caiu drasticamente nos últimos 55 anos, ao mesmo tempo que a taxa de divórcios subiu. Portugal é o segundo país onde esta tendência mais prevalece. De acordo com dados …

"É parte da nossa identidade". Pequena cidade na Suécia luta para preservar uma antiga língua moribunda

A organização Ulum Dalska, sediada numa pequena cidade sueca chamada Älvdalen, tem uma missão. Durante décadas, os seus membros têm trabalhado arduamente para ajudar a salvar a língua elfedaliana, um remanescente do nórdico antigo. "Tivemos a …

Papa diz que abuso infantil é uma espécie de “assassinato psicológico”

O Papa Francisco criticou hoje o abuso infantil dizendo que é “uma espécie de ‘assassinato psicológico’ e, em muitos casos, um cancelamento da infância” e pediu para “parar de encobrir” o fenómeno da pedofilia. Francisco falava …

Jerónimo considera “precipitado” discutir Orçamento de 2022 e “deitar borda fora” o atual

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje “no mínimo precipitado” antecipar a posição do partido sobre o próximo Orçamento do Estado e “deitar borda fora” a concretização do atual. À margem de uma visita …

Plano da CIA para capturar Bin Laden originou um problema de saúde pública no Paquistão

Um novo estudo indica que um plano secreto da CIA para capturar Osama Bin Laden, no início de 2011, teve como consequência uma queda significativa das taxas de vacinação no Paquistão. O plano, que usava uma …