Homem com paralisia consegue andar graças a um exoesqueleto controlado pelo cérebro

Pedro Rocha / Flickr

Um homem quase paralisado dos ombros para baixo passou os últimos dois anos a trabalhar com investigadores para controlar um exoesqueleto com a mente. Ao atingir o uso mais complexo do sistema, o paciente, um francês de 28 anos identificado como Thibault, conseguiu caminhar.

Na quinta-feira, os investigadores da Universidade de Grenoble, na França, divulgaram os resultados do estudo (financiado pela Clinatec) na Lancet, no qual demonstram que a operação de um sistema robótico de quatro membros pode ser viável para pacientes com tetraplegia (perda de controlo dos quatro membros), noticiou o Mashable no domingo.

O sistema em causa está longe de ser uma solução finalizada. Mas o trabalho dos pesquisadores e pacientes que têm estado a treinar o algoritmo que interpreta os sinais cerebrais – e os transforma em movimento físico – indica que essa tecnologia é possível.

“Este é o primeiro sistema semi-invasivo de cérebro-computador sem fio, projetado para uso a longo prazo para ativar todos os quatro membros”, explicou num comunicado o professor Alim-Louis Benabid, presidente do Conselho Executivo da Clinatec (um laboratório da CEA) e professor emérito da Universidade de Grenoble, na França.

Thibault sofreu uma lesão na coluna cervical que o impossibilita de controlar as pernas. O paciente manteve algum movimento no bíceps e no pulso esquerdo, membros com os quais opera uma cadeira de rodas.

Para que consiga controlar algo externo através de sinais cerebrais, os investigadores implantaram dois sensores entre a pele e o cérebro do paciente (não no próprio cérebro). Os sensores foram capazes de registar a atividade cerebral no córtex sensório-motor, a parte do cérebro que controla o movimento e a sensação.

Os responsáveis observaram que, noutros estudos, os chips e os sensores foram implantados diretamente no cérebro dos pacientes e eram conectados aos computadores através de fios. Neste estudo, pelo contrário, os sensores eram menos invasivos e conectados sem recurso a fios.

O passo seguinte passou por treinar um algoritmo que interpreta os sinais e os converte em movimento. Para tal, o paciente recorre a  um jogo no qual precisa mover uma plataforma para a esquerda ou para a direita, de forma a coletar uma bola digital. Thibault praticou também movimentos mais complexos, como estender a mão e girar o pulso, através de uma simulação virtual.

Este trabalho inicial permitiu que o paciente treinasse com um exoesqueleto mecânico com 14 articulações móveis.

Finalmente, Thibault conseguiu andar com o exoesqueleto. A máquina ainda estava presa ao teto para fornecer estabilidade, visto que ainda não havia o equilíbrio necessário para que o paciente caminhasse sozinho. No entanto, o movimento complexo demonstrou a capacidade de controlar o esqueleto com a mente.

“As nossas descobertas podem ajudar pacientes tetraplégicos a conduzir computadores através de sinais cerebrais, começando por cadeiras de rodas – onde a atividade cerebral substitui os joysticks – e progredindo para o desenvolvimento de um exoesqueleto para maior mobilidade”, completou o neurocirurgião e professor Stephan Chabardes.

Embora esta tecnologia não signifique que pessoas com paralisia possam andar sozinhas num futuro próximo, a caminhada de Thibault é um passo nessa direção.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …