Hidroxicloroquina que Trump está a tomar pode aumentar risco de morte em doentes com covid-19

Yuri Gripas / EPA POOL

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Um estudo divulgado sexta-feira sugere que os antimaláricos cloroquina e hidroxicloroquina podem aumentar o risco de morte e arritmias em doentes hospitalizados com covid-19, defendendo que o seu uso como antivirais deve ser devidamente testado antes de tratar pacientes.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na segunda-feira que estava a tomar, a título preventivo, hidroxicloroquina, apesar de a agência norte-americana do medicamento ter desaconselhado a utilização destes fármacos “fora do meio hospitalar ou de ensaios clínicos, devido ao risco de complicações cardíacas”.

O estudo, divulgado pela revista médica britânica The Lancet, baseou-se na observação de dados de 14.888 doentes hospitalizados com covid-19 (infeção respiratória viral) que foram tratados com um ou ambos os medicamentos para a malária, combinados ou não com a administração dos antibióticos azitromicina e claritromicina, utilizados no tratamento de infeções pulmonares bacterianas.

Os dados foram comparados com os de 81.144 doentes com covid-19 que foram igualmente hospitalizados, mas sem receber tratamento com estes medicamentos.

Os doentes que foram alvo do estudo — ao todo 96.032 — estiveram internados em 671 hospitais entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020. Todos estavam infetados pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 e, à data de 21 de abril, tiveram alta hospitalar ou morreram.

No grupo de controlo, o dos 81.144 doentes que não receberam tratamento com antimaláricos, um em cada 11 morreu no hospital. Em média, quase um em cada seis doentes medicados com um dos antimaláricos morreu.

Segundo o estudo, mais de um em cada cinco doentes tratados com cloroquina e um antibiótico (azitromicina ou claritromicina) morreu e quase um em cada quatro doentes morreu quando medicado com hidroxicloroquina em combinação com um dos antibióticos.

Apesar dos dados, os autores do estudo ressalvam que poderá haver outros fatores, não avaliados, na origem da possível ligação entre o tratamento de doentes com covid-19 com medicamentos para a malária e uma diminuição da sua sobrevivência.

Neste contexto, pedem para que sejam realizados com urgência ensaios clínicos aleatórios para aferir a eficácia e segurança do uso destes fármacos como antivirais antes de serem administrados a doentes com covid-19.

“Ensaios clínicos aleatórios são essenciais para confirmar danos ou benefícios associados a estes agentes. Até lá, propomos que estes medicamentos não sejam usados como tratamentos para a covid-19 fora dos ensaios clínicos”, afirmou, citado em comunicado, o primeiro autor do estudo, Mandeep R. Mehra, médico e diretor-executivo do Centro para a Doença Avançada do Coração no Hospital Brigham, nos Estados Unidos.

O estudo concluiu, ainda, que 8% dos doentes medicados com hidroxicloroquina e um antibiótico (azitromicina ou claritromicina) desenvolveram arritmia (alteração no ritmo cardíaco), por comparação com 0,3% dos doentes do grupo de controlo (sem qualquer medicação antimalárica).

Os autores advertem que não é possível inferir uma relação de causa e efeito entre o tratamento de doentes com covid-19 com medicamentos para a malária e o aparecimento de arritmias, uma vez que não foram avaliados outros fatores, e insistem para que se façam ensaios clínicos robustos, apesar dos efeitos antivirais dos fármacos cloroquina e hidroxicloroquina demonstrados em testes laboratoriais anteriores.

Em Portugal, o uso de cloroquina e hidroxicloroquina, medicamentos aprovados para a malária, está autorizado para o tratamento de doentes com covid-19 internados nos hospitais que manifestem, por exemplo, insuficiência respiratória e pneumonia.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou quase 330 mil mortos e infetou mais de 5,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,9 milhões de doentes foram considerados curados. Em Portugal, morreram 1.289 pessoas das 30.200 confirmadas como infetadas, e há 7.590 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. A covid-19, doença respiratória aguda, é causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Deixa ver se entendi não tomas o medicamento do Trump 1 em 11 morrem, se tomares “o que tens a perder” passa 1 para 6 e se juntares a clorotrumpina a antibióticos passa a 1 para 4…. Ok percebido já agora podíamos deixar de seguir as loucuras do ditador e voltar para a opinião os nossos médicos e cientistas.

    • Pois, parece que percebeste mal!
      A cloroquina e a hidroxicloroquina são dadas a vários doentes por indicação de médicos e cientistas, nomeadamente em Portugal.
      Haver uma correlação não implica haver uma relação de causa efeito. São coisas diferentes. Isto é, até podiam ter morrido todos os doentes que tivessem tomado cloroquina, que isto não indicava que a cloroquina fosse a responsável pelas mortes (em rigor, a cloroquina até podia fazer bem e não ter qualquer efeito adverso, mesmo no cenário de terem morrido todos os doentes que a tivessem tomado).
      O que os cientista dizem, e bem, é que são necessários mais ensaios clínicos (e ensaios clínicos mais bem desenhados) para aferir do benefício/malefício da cloroquina, pois atualmente não há evidências claras e robustas dos efeitos deste medicamento no contexto da Covid19.
      O Trump não é um ditador. Foi eleito pelo povo americano em eleições democráticas, quer se goste, quer não se goste. Democracia é isso mesmo. Ser democrata apenas quando nos convém ou quando ganham aqueles de quem gostamos não é ser democrata

  2. Pois, parece que percebeste mal!
    A cloroquina e a hidroxicloroquina são dadas a vários doentes por indicação de médicos e cientistas, nomeadamente em Portugal.
    Haver uma correlação não implica haver uma relação de causa efeito. São coisas diferentes. Isto é, até podiam ter morrido todos os doentes que tivessem tomado cloroquina, que isto não indicava que a cloroquina fosse a responsável pelas mortes (em rigor, a cloroquina até podia fazer bem e não ter qualquer efeito adverso, mesmo no cenário de terem morrido todos os doentes que a tivessem tomado).
    O que os cientista dizem, e bem, é que são necessários mais ensaios clínicos (e ensaios clínicos mais bem desenhados) para aferir do benefício/malefício da cloroquina, pois atualmente não há evidências claras e robustas dos efeitos deste medicamento no contexto da Covid19.
    O Trump não é um ditador. Foi eleito pelo povo americano em eleições democráticas, quer se goste, quer não se goste. Democracia é isso mesmo. Ser democrata apenas quando nos convém ou quando ganham aqueles de quem gostamos não é ser democrata!

  3. Agora parece que, dito por um médico com base em resultados científicos, a hidroxicloroquina representa mesmo um sério risco para a saúde cardíaca de quem a toma. Quem é que acredita que o aldrabão a esteja a ingerir como preventivo?! Isto prova como nós somos enrolados por estes intrujas, não só nas campanhas eleitorais, como durante as pandemias, algumas delas inventadas para garantirem enormes margens de lucros às farmaceuticas de que eles são accionistas!!! Agora espera-se que já não seja dada a doentes…podia ser dada apenas aqueles que inconscientemente votaram em tal criatura para que ele não fosse reeleito!!

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …