Hidroxicloroquina que Trump está a tomar pode aumentar risco de morte em doentes com covid-19

Yuri Gripas / EPA POOL

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Um estudo divulgado sexta-feira sugere que os antimaláricos cloroquina e hidroxicloroquina podem aumentar o risco de morte e arritmias em doentes hospitalizados com covid-19, defendendo que o seu uso como antivirais deve ser devidamente testado antes de tratar pacientes.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na segunda-feira que estava a tomar, a título preventivo, hidroxicloroquina, apesar de a agência norte-americana do medicamento ter desaconselhado a utilização destes fármacos “fora do meio hospitalar ou de ensaios clínicos, devido ao risco de complicações cardíacas”.

O estudo, divulgado pela revista médica britânica The Lancet, baseou-se na observação de dados de 14.888 doentes hospitalizados com covid-19 (infeção respiratória viral) que foram tratados com um ou ambos os medicamentos para a malária, combinados ou não com a administração dos antibióticos azitromicina e claritromicina, utilizados no tratamento de infeções pulmonares bacterianas.

Os dados foram comparados com os de 81.144 doentes com covid-19 que foram igualmente hospitalizados, mas sem receber tratamento com estes medicamentos.

Os doentes que foram alvo do estudo — ao todo 96.032 — estiveram internados em 671 hospitais entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020. Todos estavam infetados pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 e, à data de 21 de abril, tiveram alta hospitalar ou morreram.

No grupo de controlo, o dos 81.144 doentes que não receberam tratamento com antimaláricos, um em cada 11 morreu no hospital. Em média, quase um em cada seis doentes medicados com um dos antimaláricos morreu.

Segundo o estudo, mais de um em cada cinco doentes tratados com cloroquina e um antibiótico (azitromicina ou claritromicina) morreu e quase um em cada quatro doentes morreu quando medicado com hidroxicloroquina em combinação com um dos antibióticos.

Apesar dos dados, os autores do estudo ressalvam que poderá haver outros fatores, não avaliados, na origem da possível ligação entre o tratamento de doentes com covid-19 com medicamentos para a malária e uma diminuição da sua sobrevivência.

Neste contexto, pedem para que sejam realizados com urgência ensaios clínicos aleatórios para aferir a eficácia e segurança do uso destes fármacos como antivirais antes de serem administrados a doentes com covid-19.

“Ensaios clínicos aleatórios são essenciais para confirmar danos ou benefícios associados a estes agentes. Até lá, propomos que estes medicamentos não sejam usados como tratamentos para a covid-19 fora dos ensaios clínicos”, afirmou, citado em comunicado, o primeiro autor do estudo, Mandeep R. Mehra, médico e diretor-executivo do Centro para a Doença Avançada do Coração no Hospital Brigham, nos Estados Unidos.

O estudo concluiu, ainda, que 8% dos doentes medicados com hidroxicloroquina e um antibiótico (azitromicina ou claritromicina) desenvolveram arritmia (alteração no ritmo cardíaco), por comparação com 0,3% dos doentes do grupo de controlo (sem qualquer medicação antimalárica).

Os autores advertem que não é possível inferir uma relação de causa e efeito entre o tratamento de doentes com covid-19 com medicamentos para a malária e o aparecimento de arritmias, uma vez que não foram avaliados outros fatores, e insistem para que se façam ensaios clínicos robustos, apesar dos efeitos antivirais dos fármacos cloroquina e hidroxicloroquina demonstrados em testes laboratoriais anteriores.

Em Portugal, o uso de cloroquina e hidroxicloroquina, medicamentos aprovados para a malária, está autorizado para o tratamento de doentes com covid-19 internados nos hospitais que manifestem, por exemplo, insuficiência respiratória e pneumonia.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou quase 330 mil mortos e infetou mais de 5,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 1,9 milhões de doentes foram considerados curados. Em Portugal, morreram 1.289 pessoas das 30.200 confirmadas como infetadas, e há 7.590 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. A covid-19, doença respiratória aguda, é causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Deixa ver se entendi não tomas o medicamento do Trump 1 em 11 morrem, se tomares “o que tens a perder” passa 1 para 6 e se juntares a clorotrumpina a antibióticos passa a 1 para 4…. Ok percebido já agora podíamos deixar de seguir as loucuras do ditador e voltar para a opinião os nossos médicos e cientistas.

    • Pois, parece que percebeste mal!
      A cloroquina e a hidroxicloroquina são dadas a vários doentes por indicação de médicos e cientistas, nomeadamente em Portugal.
      Haver uma correlação não implica haver uma relação de causa efeito. São coisas diferentes. Isto é, até podiam ter morrido todos os doentes que tivessem tomado cloroquina, que isto não indicava que a cloroquina fosse a responsável pelas mortes (em rigor, a cloroquina até podia fazer bem e não ter qualquer efeito adverso, mesmo no cenário de terem morrido todos os doentes que a tivessem tomado).
      O que os cientista dizem, e bem, é que são necessários mais ensaios clínicos (e ensaios clínicos mais bem desenhados) para aferir do benefício/malefício da cloroquina, pois atualmente não há evidências claras e robustas dos efeitos deste medicamento no contexto da Covid19.
      O Trump não é um ditador. Foi eleito pelo povo americano em eleições democráticas, quer se goste, quer não se goste. Democracia é isso mesmo. Ser democrata apenas quando nos convém ou quando ganham aqueles de quem gostamos não é ser democrata

  2. Pois, parece que percebeste mal!
    A cloroquina e a hidroxicloroquina são dadas a vários doentes por indicação de médicos e cientistas, nomeadamente em Portugal.
    Haver uma correlação não implica haver uma relação de causa efeito. São coisas diferentes. Isto é, até podiam ter morrido todos os doentes que tivessem tomado cloroquina, que isto não indicava que a cloroquina fosse a responsável pelas mortes (em rigor, a cloroquina até podia fazer bem e não ter qualquer efeito adverso, mesmo no cenário de terem morrido todos os doentes que a tivessem tomado).
    O que os cientista dizem, e bem, é que são necessários mais ensaios clínicos (e ensaios clínicos mais bem desenhados) para aferir do benefício/malefício da cloroquina, pois atualmente não há evidências claras e robustas dos efeitos deste medicamento no contexto da Covid19.
    O Trump não é um ditador. Foi eleito pelo povo americano em eleições democráticas, quer se goste, quer não se goste. Democracia é isso mesmo. Ser democrata apenas quando nos convém ou quando ganham aqueles de quem gostamos não é ser democrata!

  3. Agora parece que, dito por um médico com base em resultados científicos, a hidroxicloroquina representa mesmo um sério risco para a saúde cardíaca de quem a toma. Quem é que acredita que o aldrabão a esteja a ingerir como preventivo?! Isto prova como nós somos enrolados por estes intrujas, não só nas campanhas eleitorais, como durante as pandemias, algumas delas inventadas para garantirem enormes margens de lucros às farmaceuticas de que eles são accionistas!!! Agora espera-se que já não seja dada a doentes…podia ser dada apenas aqueles que inconscientemente votaram em tal criatura para que ele não fosse reeleito!!

NASA revela que há água na Lua

A NASA revelou, esta segunda-feira, que foi encontrada água em forma de gelo numa superfície da Lua. Os investigadores apontam ainda para a possibilidade de existirem múltiplos depósitos subterrâneos na Lua onde esteja armazenada água …

Itália volta a disputar a fronteira do Monte Branco com França

Depois das autoridades francesas imporem medidas restritivas que afetaram o território italiano, o país reacendeu uma disputa antiga com França. Em causa estão os direitos de fronteira do Monte Branco. Luigi Di Maio, ministro das Relações …

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …