Hervis Rogers votou em liberdade condicional. Agora, pode enfrentar 40 anos de prisão

ACLU of Texas

Depois de se ter tornado um símbolo da luta pelo direito de voto nos Estados Unidos, Hervis Rogers enfrenta uma pena de prisão que pode chegar até aos 40 anos.

Deveria ter sido mais uma eleição como tantas outras, mas este não foi o caso para Hervis Rogers. Aos 62 anos, este homem natural do Texas pode enfrentar 40 anos de prisão por ter votado ilegalmente.

Após uma espera de sete horas à porta da Universidade do Texas para poder votar nas primárias de Março de 2020 e de ter votado também nas presidenciais de Novembro, Hervis Rogers foi preso e acusado na semana passada de ter votado enquanto estava em liberdade condicional, que só terminava em Junho de 2020.

Queria poder votar e expressar a minha opinião. Não ia deixar nada impedir-me, por isso esperei”, contou Rogers à ABC, depois de ser o último a votar na Super Terça-Feira.

No Texas, é ilegal para qualquer prisioneiro votar até cumprir a pena completa, mesmo já em liberdade condicional. Hervis Rogers, que estava em liberdade condicional depois de ter sido preso em 1995 por crimes de furto e intenção de cometer roubo, vai agora ser acusado de dois crimes de votação ilegal, com uma moldura penal de 20 anos.

O Procurador-Geral do Texas, Ken Paxton, um dos principais rostos dos processos relacionados com crimes eleitorais, está neste momento a ser investigado por má conduta profissional depois de ter desafiado a vitória de Joe Biden em tribunal por acreditar que houve fraude eleitoral nas presidenciais.

“Hervis é um criminoso que está devidamente impedido de votar pela lei do Texas. Eu abro processos contra a fraude eleitoral onde quer que os encontre!”, escreveu Ken Paxton no Twitter.

Rogers foi entretanto libertado da prisão do condado de Montgomery depois de a ONG The Bail Project, que ajuda cidadãos de baixos rendimentos, lhe ter pagado a fiança de 100 mil dólares.

Tommy Buser-Clancy, um dos advogados de Rogers, acredita que a prisão do seu cliente mostra o “perigo de criminalizar em demasia o código das eleições e o processo de participação nas sociedades democráticas”.

“Em particular, aumenta o perigo que os estatutos criminais no código eleitoral estejam a ser usados quando, na pior das hipóteses, se cometeu um erro inocente. Ele enfrenta a possibilidade de uma sentença extremamente severa. Crimes de segundo grau normalmente são reservados para agressões agravadas e aplicá-los ao caso do Senhor Rogers só mostra o quão injusto isto é”, reforça Buser-Clancy.

“A prisão do Senhor Rogers deve alarmar todos os Texanos. Ele esperou na fila mais de seis horas para votar e cumprir aquele que acredita ser o seu dever civil e enfrenta potencialmente décadas de prisão”, escreveu Andre Segura, director legal da União Americana pelas Liberdades Civis no Texas.

“As nossas leis não deviam intimidar as pessoas para não votarem ao aumentar o risco de serem acusadas por aquilo que são, no pior dos casos, erros inocentes”, escreveu Andre Segura, director legal da União Americana pelas Liberdades Civis no Texas”, acrescentou.

A luta pelo voto nos EUA

As leis sobre o direito ao voto variam bastante entre os estados e dependem dos crimes cometidos. No Distrito de Columbia, no Maine e no Vermont, os prisioneiros podem votar enquanto ainda estão atrás das grades.

No caso do Alabama, do Tennessee e do Mississippi, pessoas condenadas por homicídio ou violação nunca mais podem votar novamente. Muitos outros estados apenas deixam os prisioneiros votar depois de saírem da prisão e outros, como no Texas, têm um sistema que só garante o direito depois do fim da liberdade condicional.

Todas estas variações tornam difícil para os ex-prisioneiros saber se podem ou não votar. Devido às elevadas molduras penais dos crimes de voto ilegal, muitos acabam por decidir não arriscar por medo.

De acordo com o The Sentencing Project, cerca de 5.2 milhões de pessoas nos Estados Unidos não podem votar por terem sido condenadas anteriormente. Sarah K.S. Shannon, professora assistente de Sociologia na Universidade da Geórgia, afirma que estes números acabam também por impactar mais o poder de voto das minorias.

“Em termos de igualdade, obviamente, leis para destituir prisioneiros de direitos têm impactos raciais desproporcionais. Ainda por cima, como estas leis podem variar tanto de estado para estado, os efeitos também variam por localização e afectam o eleitorado de alguns estados mais do que de outros”, pode ler-se no The New York Times.

Este é mais um capítulo na luta pela reforma criminal e eleitoral nos Estados Unidos, que têm ficado mais acesa depois das acusações de fraude eleitoral de Donald Trump. Apesar do ex-presidente ter perdido os processos em tribunal em que alegou ter provas de fraude, muitos republicanos leais a Trump têm introduzido leis mais restritivas ao voto em vários estados.

AP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

António Costa sobre a Galp: "Era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta irresponsabilidade, tanta falta de solidariedade"

Intenção de "dar uma lição" à empresa foi manifestada por António Costa numa ação de campanha, o que gerou críticas por parte dos partidos da oposição que relembraram o seu estatuto de primeiro-ministro e o …

Indústrias criativas são "fator de aceleração e crescimento" económico no país

O ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que o Governo tem identificado as indústrias criativas como “um fator de aceleração e crescimento” da atividade económica no país, reconhecendo que …

Rui Moreira garante maioria absoluta (com resultado superior a 2017). PS cai a pique

O presidente da câmara do Porto deverá consolidar a sua legitimidade à frente da autarquia. Por sua vez, o PS corre o risco de perder dez pontos percentuais de votos face a 2017. O estudo …

Fernando Nobre, fundador da AMI, alvo de processo disciplinar da Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) abriu um processo disciplinar ao médico Fernando Nobre, na sequência de uma queixa sobre declarações que prestou numa manifestação de negacionistas da pandemia de covid-19 realizada junto à Assembleia da …

Sem que precise de falar, novo teste pode diagnosticar demência precocemente

Num novo estudo, investigadores relataram grande precisão a identificar pessoas com a doença de Alzheimer através de um novo teste em que o paciente nem precisa de falar. O nosso sistema de memória visual tem uma …

Portugal a dois pontos de atingir 85% da vacinação completa

Mais de 8,5 milhões de pessoas já têm a vacinação completa contra a covid-19, o que faz com que Portugal esteja a dois pontos percentuais de atingir a meta de 85% da população totalmente vacinada. Segundo …

Encontrada parte da matéria perdida do Universo

As galáxias podem receber e trocar matéria com o seu ambiente externo graças aos ventos galácticos criados por explosões estelares. Devido ao instrumento MUSE do VLT (Very Large Telescope) do ESO, uma equipa internacional liderada …

A Lilium testou o seu táxi voador de quinta geração — com direito a vídeo e som

Empresa alemã quer tornar-se uma referência do transporte aéreo de nova geração, pelo que se tem esforçado por responder a todos os pedidos e solicitações de melhorias enviadas por possíveis compradores. O modelo eVTOL da empresa …

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …