Alerta à Europa. Hard Brexit pode ser tão grave como a falência do Lehman Brothers

Olivier Hoslet / EPA

A primeira-ministra britânica, Theresa May, com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker

Especialistas financeiros consideram que um ‘Hard Brexit‘, ou seja a saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo, pode ter consequências para a economia mundial, e para a Europa em particular, tão trágicas como a falência do banco Lehman Brothers teve  em 2008.

“Os mercados, neste momento, estão de algum modo inquietos quanto a um eventual cenário de recessão da economia norte-americana, que já está numa fase muito avançada do seu ciclo de expansão, que começou em 2009″, vaticinou Carlos Almeida, director de Investimentos do Banco Best, em declarações à Lusa, à margem da Conferência “Best Investment Summit – Desafios e Oportunidades 2019”, que decorreu quinta-feira, em Lisboa.

No verão de 2019 a economia norte-americana completará 10 anos consecutivos de expansão, “o maior ciclo de expansão na sua História“, indicou ainda Carlos Almeida, acrescentando que “é natural que haja alguma inquietação dos investidores e alguma volatilidade nos mercados de acções e também nos mercados de obrigações”.

O responsável do Banco Best recordou que “o ano de 2018 caracterizou-se por um retorno negativo generalizado das principais classes de activos, e este ano será um pouco ainda consequência do que foi 2018, fruto de alguns pontos e zonas de incerteza que ainda existem em termos mundiais”.

Também João Pina Pereira, administrador da GNB Gestão de Activos, com o pelouro da área de investimentos, considera que se pode esperar melhor de 2019, nomeadamente no mercado de obrigações, em relação ao que foi 2018, que considera ter sido “um ano mesmo muito complicado e atípico“.

“Este ano, as taxas de juro das obrigações vão continuar baixas, podem até subir alguma coisa, mas vão continuar baixas, o que não invalida que não haja oportunidades para se ganhar dinheiro em obrigações, e isto em termos de dívida pública”, referiu o especialista, acrescentando que o ‘Brexit’ e a guerra comercial entre os EUA e a China são os principais factores de risco que se colocam neste momento. “E são factores de risco tremendos”, acrescentou.

“Viu-se o resultado no ano passado [nos mercados] e este ano pode ser pior do que o ano passado”, disse Pina Pereira. “Vamos supor que há um ‘hard Brexit’ e as coisas descontrolam-se. Basta recuarmos 10 anos. No último trimestre de 2008, na sequência da falência da Lehman o que aconteceu foi um pavor, o mundo parou. Tivemos taxas de decréscimo do PIB nesse trimestre na casa de 4%/5%. Ninguém investia, ninguém consumia”, recordou ainda o especialista.

“Vamos imaginar que pode acontecer o pior dos desfechos do ‘Brexit’, podemos ter uma situação parecida na Europa, não sabemos, eu acredito que não, mas não tenho certezas”, antecipou também.

Carlos Almeida referiu também que 2019 será um ano marcado igualmente pelas eleições europeias, em maio de 2019, “que vão ser muitíssimo importantes”, nomeadamente para “perceber a força do eixo franco-alemão e a forma como Macron e Merkel irão sair deste processo eleitoral e reforçar o seu peso nesta refundação necessária da União Europeia”.

“É preciso perceber que União Europeia é que vamos ter depois deste ‘Brexit’, que é também ele próprio uma zona de incerteza”, acrescentou.

“Começámos por um ‘Brexit’, depois falou-se em ‘hard Brexit’ e eventualmente até poderemos ter um ‘slow Brexit’, que é de facto aqui algo que pode gerar alguma inquietação”, afirmou o responsável.

No mesmo sentido, André Themudo, responsável de vendas da BlackRock Portugal, referiu, durante a conferência, que “ninguém ganhou dinheiro nos mercados em 2018, um ano que foi pouco comum”, mas o especialista da gestora de activos acredita que o mercado de acções vai voltar para valores positivos em 2019, apesar das incertezas e da volatilidade que “está para ficar”.

“Gostamos do mercado de acções dos EUA, sobretudo do sector saúde, biotecnologia, infraestruturas e sector financeiro, e a nossa segunda aposta são os mercados emergentes”, adiantou André Temudo.

“Onde estamos mais negativos é no mercado accionista europeu, porque há muitos riscos geopolíticos e isso assusta os investidores”, referiu, acrescentando que os preços das acções estão a oscilar sobretudo ao sabor das tensões geopolíticas sem reflectir os fundamentais das empresas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …