Cansados das cheias e dos turistas, habitantes começam a sair de Veneza

Andrea Merola / EPA

As cheias dos últimos anos, o excesso de turismo e a falta de qualidade de vida são alguns dos motivos que levam os habitantes de Veneza a deixar a cidade.

Patricia Blaci vive em Veneza há 25 anos, mas depois de a sua casa ter sido severamente danificada pelas inundações, em novembro do ano passado, as piores desde 1966, decidiu deixar a cidade.

“Não foi uma decisão fácil, tenho um profundo afeto por esta cidade e lutei por ela. Mas tornou-se muito difícil ficar. É como viver num barco. Ocasionalmente, a água entra, sobe e desce, tal como uma maré. Desta vez, aumentou muito e durou cinco dias”, conta a arquiteta e guia turística, que se vai mudar para Espanha, ao jornal The Guardian.

De acordo com o diário britânico, o centro histórico da cidade italiana e as suas onze ilhas habitadas perderam, no ano passado, 1092 pessoas para outras cidades e, em alguns casos, para outros países.

A subida do nível do mar, as inundações recorrentes, o custo de vida alto, associado também ao excesso de turismo, e, agora, o despovoamento são algumas das maiores ameaças que a cidade enfrenta.

“Veneza não perdeu a sua alma, vendeu-a”, afirma ao jornal Maria Teresa Laghi, italiana que tem uma das poucas lojas tradicionais que ainda existem no bairro de San Polo.

A autarquia, liderada por Luigi Brugnaro, defende que o problema não é só a despovoação, mas também o facto de haver nesta zona uma população muito envelhecida. Entre janeiro e outubro de 2019, houve 1038 mortes e apenas 361 nascimentos.

Ao mesmo tempo, relembra o município, embora mais de mil pessoas tenham abandonado Veneza, também chegaram outros 1172 novos habitantes. Um número que, na opinião de Matteo Secchi, é totalmente falso.

“Este número é falso porque, em muitos casos, as pessoas vêm aqui, compram uma casa e depois alugam-na a turistas enquanto vivem noutro lugar. Estimamos que cerca de 5000 ‘habitantes’ façam isso”, diz o responsável do grupo ativista Venessia.

Cerca de 60 mil turistas visitam diariamente, no verão, o centro histórico de Veneza, onde vivem atualmente 52 mil pessoas. A partir de julho deste ano, os turistas que estejam de passagem pela cidade e pelas ilhas da laguna pagarão até dez euros.

Quem ficar a dormir na cidade não terá de pagar esta nova taxa, até porque já paga a normal taxa turística de alojamento (atualmente, até cinco euros por pessoa por noite).

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Lisboa vai pelo mesmo caminho, os autarcas andam a dormir, os politicos só olham para cifrões, temos qualquer dia Lisboa cidade fantasma

RESPONDER

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …

Especialistas alemães consideram que país já está a ter uma segunda vaga

Especialistas alemães consideram que o país já está a passar por uma segunda vaga de covid-19, ainda que não seja comparável à primeira. De acordo com o sindicato dos médicos Marburger Bund, o país já está …