Há escolas a passar estudantes com 7 negativas

Em algumas escolas do Ensino Básico, os alunos podem passar mesmo tendo sete negativas, enquanto noutras chumbam com três negativas, algo que acontece devido ao carácter excepcional da retenção e da diferente interpretação que é feita do conceito.

No Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, no Montijo, os alunos não são, por norma, retidos até chegarem ao 9º ano de escolaridade, com excepção das situações em que há excesso de faltas ou problemas comportamentais.

O presidente da Associação de Pais do agrupamento, Mário Novais, refere ao Público que “todas as escolas do Montijo fazem o mesmo, porque o critério não é do estabelecimento escolar, mas sim do despacho ministerial que atribui à retenção um carácter excepcional”.

A retenção é aplicada a título excepcional nos 2º, 3º, 5º, 7º e 8º anos, porque não são anos de fim de ciclo educativo.

Assim, “há alunos que acabam por transitar de ano com cinco ou sete negativas”, constata Mário Novais, lamentando ao jornal que isso “não motiva os alunos” para melhorarem.

O facto de este critério “excepcional” não estar claramente definido e depender da interpretação que cada escola faz dele causa discrepâncias entre estabelecimentos, havendo por um lado os que chumbam com três negativas e, por outro, os que passam os estudantes mesmo que tenham seis ou sete negativas.

“Só no final de cada ciclo é que existem critérios nacionais definidos por lei para a retenção dos alunos”, explica ao Público o presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima.

O mais recente despacho sobre a avaliação dos alunos, publicado a 5 de Abril deste ano, especifica apenas a retenção como norma nos casos de excesso de faltas.

A tendência das políticas educativas para a redução das retenções explica-se com a ideia de que são ineficazes em termos de aprendizagem, além de serem caras para os cofres públicos.

ZAP

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Eu conheço vários casos de alunos que praticamente não sabem ler/escrever e que fizeram o 9º ano num colégio privado (com contrato de associação) e que deveriam ter acesso a ensino especial, mas nunca o tiveram (o colégio não quis estar a gastar dinheiro!) e passaram sempre de ano para não estragar a média das notas do colégio!…

  2. Olha que novidade me dão….então também não existem alunos no ensino superior que nem o 4 ano têm?!?!? Essa dos maiores de 23 é mais uma alegada “vigarice”..Então as empresas portuguesas têm na administração gestores, administradores que de gestão nada sabem ou não querem saber?!!?’….tudo das cunhas e dos conhecimentos e do poder…isto não está para valorizar os estudos mas sim as cunhas e a vadiagem através de subsídios da segurança social….só não vê quem não quer ver…

  3. Os sindicatos e os políticos em vez de fazerem da escola um meio de quezília ideológica e política o melhor seria que se ocupassem da qualidade do ensino em vez de o degradarem cada vez mais, o ensino precisa de estabilidade e não andar a mudar constantemente consoante o prazer de um partido, ministro, sindicato ou professores alérgicos ao ensino, os alunos não são peças de partidos ou ideologias e o país precisa de gente bem formada com responsabilidade é para isso que servem os nossos impostos o que já não acontece há 44 anos. Neste ponto não vejo ninguém interessado a sentar-se a uma mesa para debater o assunto, é pena!

  4. Voltou tudo ao mesmo! Como professora nunca consegui engolir esta norma de os alunos passarem sem saberem! Ainda tive alguns casos que eu, professora de Português dei nota negativa e o conselho pedagógico fez o favor de passar o aluno e agora tenho uma jovem a quem ajudo que ficou retida no 8º com quatro níveis negativos e um colega dela que teve negativas em todos os períodos a seis disciplinas e passou para o 9º ano!
    Que tristeza de ensino! Voltamos ao mesmo em que os alunos do 12º nem sabem ler nem escrever correctamente! É isto que se quer para um país que se deseja evoluído? Fica a pergunta!

  5. Senhora Nema, deixe lá que também já tive esse problema…e adianta alguma coisa reclamar?!?’ Não vale a pena…neste país nada vale a pena..

  6. Passam sempre, ilusoriamente, como naquela música do meu tempo, “cantando e rindo, levados,levados sim” , até que um dia esbarram com a realidade, encalhando definitivamente quando prestam provas de acesso ao mercado de trabalho, porque ninguém os quer, nem de borla, simplesmente porque nada sabem.
    A propósito, recordo Emil CIoran, que dizia,
    “Há gente tão néscia que, se uma só ideia aflorasse à superfície dos seus cérebros, esta suicidar-se-ia aterrada com tanto vazio”.
    E talvez por isso que há muito tempo. a abreviatura DR, que muitos fazem questão de exibir antes do primeiro nome, não significa nada mais que DESEMPREGADO(A)-
    Assim se abrem as boas oportunidades de trabalho, aos estrangeiros possuidores de reais e altas valências académicas…

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …

Afastado desde a noite eleitoral, Rui Rio volta para lançar suspeitas sobre a RTP

Afastado dos holofotes desde a noite eleitoral e sem dizer se se vai recandidatar à liderança do PSD, Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar as suas suspeitas sobre a RTP. O líder social-democrata recorreu às …