Há uma nova biblioteca com obras inéditas (mas só abre ao público em 2114)

A artista escocesa Katie Paterson está a colecionar uma centena de obras não publicadas que não vão ser divulgadas durante a vida dos seus autores. Para uma centena de obras, uma centena de anos, já que o projeto iniciado em 2014 só será terminado em 2114.

Há uma pequena clareira nos bosques de Nordmark, a uma hora de distância de Oslo, capital norueguesa, onde milhares de árvores estão a crescer. Vão crescer durante os próximos 96 anos, até 2114, para depois serem transformadas no papel para o que a artista chama de Biblioteca do Futuro – uma coletânea de 100 livros não-publicados, escritos por alguns dos autores mais celebrados do século XXI.

“Um presente dos guardiões da literatura do presente para os leitores do futuro”, descreve o New York Times.

“A Biblioteca do Futuro tem a natureza, o ambiente no seu centro – envolve ecologia, a interconexidade das coisas, as que vivem agora e as que estão por vir. Questiona a tendências atuais de pensar curto prazo, de fazer decisões só para os que vivem agora.

“O tempo do projeto vai ser uma centena de anos. Está para além da nossa vida, mas perto o suficiente para o encararmos, compreendermos e relativizarmos”. É como Katie Paterson descreve o seu projeto.

Um presente dos guardiões da literatura do presente para os leitores do futuro

Durante este último verão, cerca de 100 pessoas fizeram a peregrinação anual até à clareira para ver a autora turca Elif Shafak – autora já de 10 romances e uma reconhecida crítica feminista do nacionalismo do seu país – presentear Paterson com o quarto manuscrito, O Último Taboo, para a biblioteca. Essa já reúne obras de Margaret Atwood, David Mitchell e Sjón.

Para Shafak, escrever para a Biblioteca do Futuro trata-se de “um ato secular de fé”, num mundo que parece ter enlouquecido, que deixa a violência acentuar a diferença entre as pessoas em vez de celebrar a sua humanidade.

Future Library / Facebook

O contributo de Elif Shafak

“Quando escreves um livro tens a esperança que vá chegar a outra pessoa, uma pessoa diferente com quem te vais conectar”. No entanto, daqui a 96 anos é impossível saber a realidade de quem estes livros vai tocar.

O anúncio de cada novo autor tem sido cada vez menos noticiado pelos meios de comunicação e não é de conhecimento geral a mais recente escolha, para quinto autor da biblioteca – Han Kang.

A Biblioteca do Futuro promete tornar a cultura palpável ao insistir em confrontar o longo e trabalhoso processo de preservar a linguagem. Recusa-se a tomá-la como garantida e relembra-nos que nem sempre fomos atentos à forma como a literatura é feita, distribuída, preservada e celebrada.

“Arca da Literatura” de Katie Paterson

A “Arca da Literatura”, como a artista escocesa a descreve, transforma-se numa metáfora invocada pelos escritores para estabelecerem uma ligação com outro tempo, outras pessoas, fazendo renascer e celebrar as obras passadas.

Em 2020, os manuscritos vão ser transportados para a New Deichmanske Library, atualmente a ser construída em Oslo, onde vão ser exibidos numa Sala Silenciosa, uma câmara virada para a floresta, coberta de madeira das árvores.

Os visitantes vão poder entrar, um ou dois de cada vez, para contemplar os manuscritos, exibidos em caixas vidradas para aguardarem o passar dos anos. Um “espaço contemplativo” capaz de instigar a imaginação do visitante numa viagem pelo tempo, é como Katie Paterson a define.

Talvez os livros da Biblioteca do Futuro nunca tenham sido feitos para serem lidos, nem mesmo no futuro. Talvez tenham sido feitos para serem adorados, desejados, um desejo que tira todas as suas forças do facto de nos ser impossível lê-los ou reproduzi-los. Livros pelos quais vale a pena esperar, pelos quais vale a pena morrer sem eles.

A palavra que a primeira autora a escrever um manuscrito para o projeto – Margaret Atwood – usa para a descrever é esperança: “a Biblioteca do Futuro é em si uma coisa muito esperançosa porque, primeiro, estamos a supor que haverá pessoas daqui a cem anos, e segundo, estamos a assumir que a floresta crescerá. Assumimos que a biblioteca ainda estará lá e que as pessoas ainda serão capazes e terão interesse em ler”.

PARTILHAR

RESPONDER

Refugiados em greve de fome por falta de condições em campo bósnio

Centenas de refugiados de um campo improvisado em Vucjak, na Bósnia, estão em greve de fome pelo segundo dia consecutivo para protestar contra a situação degradante em que se encontram. Os refugiados no campo improvisado …

Ex-aliada de Bolsonaro denuncia grupo difusor de notícias falsas ligado ao Presidente

A deputada brasileira Joice Hasselmann, ex-líder do Governo de Jair Bolsonaro no congresso, denunciou na quarta-feira a atuação de um grupo difusor de "fake news" (notícias falsas) ligado ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, e que …

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …