Só há 30 cursos em Portugal sem desempregados inscritos

Apenas 30 cursos superiores, em mais de 1300, se podiam orgulhar de não ter diplomados inscritos no Centro de Emprego, no final do ano passado, segundo os últimos dados do Ministério da Educação.

Dos 1.323 cursos que estavam a funcionar nas universidades e politécnicos, no ano letivo de 2013/2014, pouco mais de dois por cento (2,3%) não tinham nenhum diplomado à procura de trabalho através do Centro de Emprego.

Medicina, Enfermagem, Teologia ou Línguas e Culturas Orientais são alguns dos exemplos, segundo os dados agora disponibilizados pela Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência.

Com apenas um aluno inscrito num centro, mas também com uma taxa de desemprego de zero por cento, o curso de Medicina da Universidade de Lisboa pode juntar-se à lista.

Assim, entre 2009 e 2013, 5.591 alunos concluíram estes 31 cursos com taxa de desemprego zero, sendo que a grande maioria, 4.375, se formaram em Medicina, a área que continua a garantir mais emprego, mas também a ser o curso mais difícil de entrar.

Entre os cursos que enviaram mais licenciados para o Centro de Emprego surge o de Criminologia, da Universidade Fernando Pessoa, com 68,9% dos diplomados ali inscritos, segundo os dados que analisam apenas os alunos que terminaram os cursos entre 2009 e 2013.

Os primeiros nove cursos com maiores taxas de desemprego são precisamente de instituições privadas: depois de Criminologia surge Arquitetura, da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão, com mais de metade dos diplomados inscritos no centro de emprego, no final do ano passado.

Esta segunda-feira abrem as candidaturas ao ensino superior e a taxa de desemprego pode ser um dos critérios para ajudar a escolher, mas existem muitos outros dados que agora estão disponíveis no site Infocursos.

No ano letivo de 2013/2014 estavam inscritos no ensino superior em todo o país um total de 251.404 alunos e a maioria eram raparigas (52,5%).

Segundo o site, os alunos dos institutos politécnicos terminam os cursos com notas mais altas do que os colegas das universidades: entre os primeiros cinco cursos, quatro são do Politécnico de Leiria e, entre as 20 formações com melhores notas, apenas cinco são universidades.

A satisfação pelo curso escolhido ou a existência de problemas durante o primeiro ano são outros dos itens que podem ser percebidos através dos dados que mostram quantos alunos acabaram por abandonar o ensino superior, pouco depois de terem entrado, em 2012/2013.

Do universo de quase 1.300 cursos, com pelo menos uma nova turma para caloiros, em apenas 53 nenhum aluno abandonou o ensino superior um ano após ter entrado, com Biologia Geológica do Instituto Superior Técnico em primeiro lugar.

O abandono não é um problema exclusivo de universidades ou de politécnicos, nem das instituições privadas ou públicas, segundo os números dos 73 cursos onde pelo menos 30 por cento dos caloiros terão desistido de estudar: 30 cursos em institutos politécnicos (4,6% do total) contra 43 universidades (5,7%) e 38 instituições privadas, contra 35 públicas.

A maioria dos alunos que se candidatou, em 2012 e 2013, não conseguiu entrar no curso da universidade que gostaria, já que, em apenas 23 cursos, as turmas foram constituidas maioritariamente (mais de 80%) por alunos que escolheram aquele curso em primeira opção.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Erro clínico. Centenas de hóspedes em quarentena em hotel da Austrália vão ter de fazer teste ao VIH

Centenas de pessoas que estiveram em quarentena no hotel Victoria, na Austrália, vão ter de fazer o teste de doenças transmitidas pelo sangue, incluindo VIH, devido a um erro dos profissionais de saúde daquele local …

Forças Armadas dos EUA estão a adquirir coletes à prova de bala adaptados para mulheres

As Forças Armadas dos EUA estão a dar grandes passos no que diz respeito à igualdade de género. A instituição está a começar a mudar os seus coletes à prova de bala, de forma a …

Abstenção do PCP no OE2021? É um excelente indicador, diz Costa

O primeiro-ministro, António Costa, considerou um “excelente indicador” o PCP ter anunciado a abstenção no Orçamento do Estado de 2021 (OE2021) e resultado de um entendimento “para ter um bom orçamento para o próximo ano”. “É …

Egito abre restaurante com vista de luxo para as pirâmides de Gizé

O Egito inaugurou um novo restaurante com vista panorâmica para as pirâmides. O investimento faz parte de uma tentativa de reavivar o turismo no país. O Egito revelou novas instalações para os visitantes no planalto nas …

Novo recorde. Portugal regista mais 3.669 casos de covid-19

Portugal regista este sábado 3.669 novos casos de infeção com o novo coronavírus, responsável pela covid-19, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e mais 21 mortes relacionadas com a covid-19, segundo …

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …