Há 1.400 anos, uma estranha luz vermelha apareceu no Japão (e já sabemos o que era)

O registo mais antigo de um fenómeno astronómico observado no Japão deixou uma marca importante na história japonesa e na literatura clássica. O fenómeno data de 30 de dezembro de 620 e há séculos que é um enigma para os cientistas.

Parcialmente mítico, parcialmente factual, o Nihon shoki é a mais antiga história oficial do Japão, descrevendo a origem do país e o subsequente desenvolvimento até ao final do século VII. Nele, pode ser encontrada uma descrição de um evento astronómico altamente incomum que os cientistas não conseguiram explicar.

A estranha luz manifestou-se em 30 de dezembro de 620, quando apareceu “espírito vermelho” na forma de uma cauda de faisão “longa e longa”.  A crónica também usa duas palavras na descrição que correspondem, noutros textos históricos, a um tipo de cometa e auroras.

Por um lado, os cometas não são conhecidos por produzirem espetáculos de luzes vermelhas no céu. Por outro, a aurora boreal não costuma assemelhar-se à cauda de um faisão, tendo uma aparência mais estridente.

Uma equipa de cientistas da Universidade Sokendai, no Japão, estudou vários aspetos da questão, como o astronómico, o geofísico, o linguístico e até o ornitológico, antes de concluir que o fenómeno observado no Japão no século VII foi a primeira aurora boreal alguma vez documentada. As conclusões do estudo foram publicadas em março na revista científica Sokendai Review of Cultural and Social Studies.

Normalmente, as auroras não se assemelham à cauda de um pássaro e raramente têm uma cor avermelhada, algo que dificultou a identificação do fenómeno.

Ryuho Kataoka, primeiro autor do estudo, observou, em comunicado citado pelo EurekAlert, que “descobertas recentes mostraram que as auroras podem ter forma de cauda de faisão” e que a adotam “especificamente durante grandes tempestades magnéticas”.

No entanto, a forma desta aurora – que hoje seria descrita como leque – não é o detalhe mais concreto da crónica. A equipa considerou que o descrito “comprimento longo” é aproximadamente equivalente a uma distância angular de 10 graus, que seria a largura da antiga aurora japonesa.

Além disso, os investigadores compilaram um mapa do campo magnético que a Terra possuía no ano 620 e estimaram que o ponto de observação estava então a 33º de latitude, em vez dos atuais 25º. Nessa altura, seria mais provável ver uma aurora boreal, porque estava mais perto do pólo norte magnético.

As auroras são causadas por partículas carregadas do Sol que colidem com a atmosfera da Terra. Como essas partículas interagem com diferentes elementos, produzem cores diferentes de luz – sendo o vermelho uma possibilidade. Normalmente, a exibição é visível apenas nos círculos ártico e antártico, que estão localizados a cerca de 66,5º norte e sul do Equador, embora as auroras sejam ocasionalmente vistas em regiões não polares.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-Benfica Garay acusa Valência de "campanha difamatória"

Ezequiel Garay acusou o Valência de levar a cabo uma "campanha difamatória" contra si. "Dói ver estas coisas quando estão a prejudicar os que amas", disse o argentino. O ex-jogador do SL Benfica Ezequiel Garay cumpre …

O maior salto em cinco anos. Dívida pública atingiu recorde em abril

A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, o valor mais alto desde 1995, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal. A dívida pública aumentou para o valor recorde de 262,1 …

Diabéticos e hipertensos. PSD quer debater alteração que retirou estes doentes de regime excecional

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que retirou doentes hipertensos e diabéticos do regime excecional de proteção relativo à covid-19. A apreciação parlamentar permite que a Assembleia da República debata, altere e, no limite, …

Norte sem contágios por covid-19. Grande Lisboa regista 96,5% dos novos casos

Portugal regista hoje 1.424 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 32.700 infectados, mais 200, segundo o boletim da Direcção-Geral de Saúde (DGS). 193 dos novos casos são na área …

Aviões deixam de ter lotação reduzida a partir desta segunda-feira

Os aviões deixam, a partir desta segunda-feira, de ter a lotação de passageiros reduzida a dois terços, mas o uso de máscara comunitária é obrigatório. O Governo alinhou, assim, as regras nacionais pelas regras europeias no …

Marcelo pede que não se passe do "8 para o 80" e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá …

Só metade das crianças deverá voltar ao pré-escolar esta segunda-feira

As crianças em idade pré-escolar regressam esta segunda-feira aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19. Apesar do regresso, que …

Dois astronautas (e um dinossauro de peluche) chegaram à EEI à boleia da SpaceX

Para além dos astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, seguia a bordo da Crew Dragon um dinossauro de peluche com lantejoulas. E há uma explicação para isso. Este sábado, o foguetão Falcon 9, da SpaceX, fez …

Pescadores já podem capturar sardinha, mas recuo no consumo é uma preocupação

Os pescadores voltam a poder capturar sardinha, a partir desta segunda-feira, e até 31 de julho, com limites diários e semanais, segundo um despacho publicado em Diário da República. De acordo com o diploma, assinado pelo …

Madeirense contesta quarentena obrigatória em Tribunal (e há uma sentença que lhe dá razão)

Uma cidadã madeirense que chegou no domingo à Madeira e recusa cumprir quarentena num hotel entregou um pedido de ‘habeas corpus’ no Juízo de Instrução Criminal do Tribunal do Funchal. A acompanhar o pedido está …