Groundforce em risco de insolvência. Governo ainda sem soluções

O Governo ainda não tem soluções para resolver o problema dos trabalhadores da Groundforce, indicou o ministro das Infraestruturas e da Habitação numa reunião, esta segunda-feira, com os representantes dos colaboradores.

“O ministro informou-nos que não estava ali para discutir soluções, mas na condição de informar o que tinha acontecido no dia de hoje. Descobriu que a maioria das ações está penhorada num banco, mas que Alfredo Casimiro [principal acionista] não quis dizer qual e está protegido pelo sigilo bancário. E que outras ações estão numa entidade que não conhece. Está a tentar descobrir”, adiantou João Alves, da Comissão de Trabalhadores (CT) à agência Lusa.

“Se nem o Estado nem a TAP injetavam dinheiro sem uma garantia, hoje em dia já sabemos que não há ações para penhorar” e, por isso, nem o Estado nem a companhia aérea vão “investir nenhum dinheiro” na empresa de handling, disse.

“A empresa é viável, tem boa estrutura e o problema é conjuntural. Temos todas as condições de, numa situação normal, fazer a operação da empresa dar lucro e assim que haja uma retoma tem todas as condições para começar a faturar“, garantiu.

João Alves disse também que o governante “não está ainda em condições de poder avaliar as situações” porque não depende só dele. “Assim que tiver mais dados concretos diz que nos volta a contactar”, referiu.

Segundo fonte oficial do Ministério, as negociações, que já se arrastavam há vários dias, falharam, porque Alfredo Casimiro, dono da Pasogal, empresa que detém 50,1% da Groundforce, não pode entregar as ações como garantia para o empréstimo, uma vez que já se encontram penhoradas.

Em causa estão as negociações para um adiantamento de 2,05 milhões de euros para pagamento de salários em atraso, relativos a fevereiro, que seria feito pela TAP à Groundforce, em que as ações da Pasogal seriam dadas como garantia.

“O nosso receio é esse, é em vez de estarmos a lutar pelo salário já estarmos a lutar pelo posto de trabalho”, afirmou João Alves.

De acordo com o jornal online ECO, a TAP está a tentar perceber quais as condições destes penhores. Parte diz respeito à banca, que não deverá ter interesse em gerir a participação, mas há um outro penhor.

A companhia aérea e o Governo podem tentar retomar a mesma solução, mas com o detentor desse penhor. Caso isso não seja possível, a insolvência da empresa é uma possibilidade, mas obrigaria a TAP a arranjar um plano B quando começar a retoma da atividade, à partida nos meses de verão.

A nacionalização é vista como último recurso, apesar de não estar excluída, adianta o mesmo jornal digital. Na conferência de imprensa na quinta-feira, Pedro Nuno Santos já tinha afirmado que o Executivo não tinha qualquer intenção de nacionalizar a Groundforce.

O ministro explicou ainda que Alfredo Casimiro tinha aceitado um penhor das ações relativas à sua participação para receber o adiantamento, mas exigiu – em caso de execução – manter o controlo da empresa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Mas a gerência não usou o Layoff?
    Alguém pode investigar porque existe essa falta de pagamento, se existe um mecanismo bem claro que o governo disponibilizou?

  2. Espero bem que se esta empresa de tachos for nacionalizada, se aplique o mesmo critério a todas as empresas em dificuldades. Eu não quero mais um buraco para oportunistas e vigaristas enterrarem o meu dinheiro.

  3. Querem ver que é mais um BES!?
    Como qualquer empresa, não sendo bem gerida, vai à falência, ponto.
    Neste caso, e noutros, então o governo teria de acudir a todas as empresas na mesma situação, era só o que faltava!!! O governo não é a “Santa Casa da Misericórdia”. Se esse fulano (Alfredo Casimiro – principal acionista) não quis dizer qual e está protegido pelo sigilo bancário, que a maioria das ações está penhorada num banco, e que outras ações estão numa entidade que não conhece, que se desenrasque … Se foi um mau gestor, que arque com as consequências. Não vamos ser nós a pagar a sua burrice.

    • Não se trata de burrice … bom também há burrices, mas a culpa não morre solteira de um só lado. Os sindicatos e as leis de proteção também tem culpas.
      A groundforce vive praticamente só do serviço à aviação. Se durante quase um ano não existe aviação e as empresas no ramo não podem eliminar postos de trabalho, ficam com os mesmos gastos mas sem rendimentos. Situações extremas e excepcionais exigiam medidas em colaboração.
      A falta de colaboração pelos sindicatos e a burrice na gestão … levaram a isto.

      O melhor mesmo é a insolvência, tudo para o desemprego, assim podem ficar em casa resguardados do vírus.

      No final o legado deste governo vai ser um país sem mortos por covid, mas milhares de mortos por fome. Uma taxa de natalidade baixa e uma sociedade em risco de sobrevivência.

  4. A tasca aqui da rua está em risco de insolvência. Aguarda-se a respectiva ajuda do Estado, obviamente a fundo perdido. Ninguém aqui quer ir à tasca da outra rua.

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …