Greves na Saúde em maio adiam 18 mil cirurgias

Os trabalhadores do setor público da saúde iniciaram, esta quarta-feira, uma greve nacional de dois dias, paralisação convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap).

A greve abrange todos os trabalhadores da saúde, exceto médicos e enfermeiros, dos serviços tutelados pelo Ministério da Saúde, como hospitais ou centros de saúde.

O protesto pretende exigir a aplicação do regime de 35 horas de trabalho semanais para todos os trabalhadores, progressões na carreira e o pagamento de horas extraordinárias vencidas e não liquidadas.

O Sintap reivindica ainda a aplicação do subsistema de saúde ADSE a todos os trabalhadores e um acordo coletivo de trabalho para os trabalhadores com contrato individual de trabalho.

A paralisação começou hoje às 00h00 e prolonga-se até às 24h00 de quinta-feira. Segundo o secretário-geral do Sintap, José Abraão, a adesão à greve no turno da noite era, até as 07h30 de hoje, superior a 70%.

As pessoas estão cansadas da forma injusta como o Estado gere os trabalhadores que têm uns 35 horas de trabalho outros 40 horas. Por outro lado, descongelaram as progressões nas carreiras faseadamente para os contratos de trabalho em funções públicas, mas os que estão a coberto do código do trabalho, contrato individual de trabalho, foram completamente abandonados”, disse.

“Alguns trabalhadores têm centenas de horas a crédito que provavelmente nunca mais vão gozar nem receber. Há um conjunto de questões que levou os trabalhadores a dizer ‘basta'”, disse.

Segundo José Abraão, hoje a greve será “muito expressiva, mas na quinta-feira será ainda maior”. “O Ministério da Saúde vai ter de ouvir e, ainda esta semana, reunir com os sindicatos para encontrar uma solução para este conflito”, sublinhou.

No dia 25 deste mês, os trabalhadores do setor da saúde voltam a cumprir um dia de greve, desta vez numa paralisação marcada pelos sindicatos afetos à CGTP. Na próxima semana, são os sindicatos médicos com uma greve de três dias 8, 9 e 10 de maio.

De acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), Alexandre Lourenço, em declarações ao Diário de Notícias, estes seis dias de greve vão provocar o adiamento de 18 mil cirurgias, ou seja, cerca de três mil operações que terão de ser reagendadas por cada dia de paralisação.

“E no primeiro trimestre já tivemos outros dois dias de greve”, recorda o dirigente da APAH ao jornal, acrescentando que com paralisações sucessivas será mais difícil compensar a atividade perdida. “Estamos num período de maiores dificuldades nos hospitais, com muitos feriados a meio da semana, com pontes, a que se juntam restrições na contratação de profissionais. Não sendo realizada agora, alguma desta atividade programada não será recuperada este ano”, explica.

Tal como o DN noticiou recentemente, em 2017, as paralisações no setor da saúde levaram à perda de 116 mil dias de trabalho, quando no ano anterior já tinham sido 68 mil.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Marcelo conheceu Rena, a sobrevivente do Holocausto que teve "seis mães"

O Presidente da República conheceu a sobrevivente do Holocausto Rena Quint, que lhe contou como em criança escapou ao genocídio nazi e acabou nos Estados Unidos com a ajuda de "seis mães". "Porque ficaram comigo? Talvez …

Benfica empresta Caio Lucas ao Al Sharjah

O Benfica anunciou, esta quinta-feira, o empréstimo do futebolista brasileiro ao Al Sharjah, clube dos Emirados Árabes Unidos, que é válido por um ano e meio. "O Sport Lisboa e Benfica formalizou com o Al Sharjah …

Morreu o general José Lemos Ferreira

O ex-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) morreu aos 90 anos, disse quinta-feira à agência Lusa uma fonte militar. Chefe do Estado-Maior da Força Aérea de 1977 a 1984, o general José Lemos Ferreira foi …

PJ afasta "intervenção de terceiros" na morte de diretor do EuroBic

O diretor nacional da PJ disse, esta quinta-feira, que os elementos recolhidos sobre a morte do diretor do private banking do EuroBic, arguido no caso Luanda Leaks, "apontam para que não haja intervenção de terceiros". Questionado …

Carlos Amaral Dias terá ficado retido na ambulância avariada durante uma hora

Os resultados de um inquérito aberto pelo INEM apontam para que Carlos Amaral Dias tenha ficado dentro de uma ambulância avariada durante uma hora. De acordo com o Jornal de Notícias, a equipa da ambulância dos …

Luanda Leaks. Mário Leite Silva renuncia à presidência do Banco de Fomento Angola

O presidente do Conselho de Administração do Banco de Fomento Angola (BFA), Mário Leite Silva, gestor de Isabel dos Santos, renunciou ao cargo, com efeitos a partir de 22 de janeiro. A informação foi transmitida …

Tempestade “Glória” faz pelo menos nove mortos em Espanha

Pelo menos nove pessoas morreram e outras quatro estão dadas como desaparecidas em Espanha na sequência da passagem da tempestade “Glória”, intempérie que atinge o país desde o passado fim de semana. As autoridades confirmaram cinco …

Há um "milagre da multiplicação" dos votos que os deputados querem travar

Todos os partidos concordam: é preciso travar o "milagre da multiplicação" dos votos na Assembleia da República. Estabelecer regras objetivas para o fazer é o mais complicado. Os deputados começaram esta quarta-feira a discutir como “regrar” …

Pensões entre 877 e 2600 euros têm aumento mínimo de 6,14 euros

Os pensionistas que ganham entre 877,6 e os 2558 euros brutos por mês vão ter aumentos acima dos 0,24% que inicialmente se calculou com base na taxa de inflação (sem habitação) apurada até novembro do …

PCP quer travar "ameaça de despejos" no final deste ano

O PCP entregou uma proposta de alteração ao Orçamento do estado para 2020 para manter congeladas as rendas antigas, quando os locatários tenham um rendimento inferior a cinco salários mínimos nacionais. O PCP quer manter congeladas …