Grécia celebra o Não. “E agora?”, pergunta-se a Europa

Yannis Kolesidis / EPA

Gregos comemoram na praça Sintagma, em Atenas, a vitória do "Não" no referendo

Gregos comemoram na praça Sintagma, em Atenas, a vitória do “Não” no referendo

Os gregos rejeitaram este domingo por ampla maioria as propostas dos credores internacionais, abrindo caminho à incerteza sobre a permanência da Grécia na zona euro.

Segundo os resultados apurados depois de escrutinados 95% dos votos, 61,31% dos gregos disseram “não” às medidas de austeridade propostas pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional. O “sim” obteve 38,69%.

A participação foi de 62,48%, bem acima dos 40% necessários para que o referendo fosse válido.

O resultado do referendo, convocado há uma semana após o fracasso das negociações no Eurogrupo, foi considerado pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, como uma demonstração de que “a democracia não pode ser chantageada” e um reforço da posição de Atenas nas negociações, que pretende retomar já na segunda-feira e, desta vez, com a restruturação da dívida em cima da mesa.

Para o seu ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, o “não” é um “não à austeridade e sim aos valores europeus”.

Mas, quando milhares de apoiantes do “não” já celebravam a vitória nas ruas de Atenas, as reações nas outras capitais europeias não eram positivas, como faziam prever as declarações dos últimos dias sobre uma saída do país do euro (“Grexit”) em caso de vitória do “não”.

Europa tenta concertar posições

A reacção mais dura partiu do vice-chanceler e ministro de Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, para quem Tsipras “cortou todas as pontes” para um eventual compromisso ao recusar “as regras do jogo”, tornando “dificilmente imagináveis” negociações sobre “programas de milhares de milhões” de euros.

O líder do eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, emitiu um comunicado onde lamentou a vitória do “Não”.

É um resultado muito lamentável para o futuro da Grécia“, lê-se no comunicado de Dijsselbloem, “para a recuperação da economia grega, são inevitáveis medidas difícies e reformas inevitáveis. Vamos esperar para ver que iniciativas tomam as autoridades gregas. O Eurogrupo irá discutir o estado da situação a 7 de Julho”

Em França e em Itália, no entanto, a mensagem foi diferente, com o ministro da Economia francês, Emmanuel Macron, a defender um recomeço das negociações, e o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Paolo Gentiloni, a afirmar a necessidade de “recomeçar a procurar um acordo” para sair do “labirinto grego”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, conversaram por telefone sobre o resultado do referendo e pediram ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, para convocar uma cimeira extraordinária dos chefes de Estado e de Governo na zona euro para a próxima terça-feira, em Bruxelas, para discutir o resultado do referendo na Grécia.

Apesar de os mercados ainda estarem fechados, o valor do euro acusou a incerteza sobre o futuro da Grécia e da moeda europeia, com as transações eletrónicas que antecedem a abertura dos mercados asiáticos a registarem uma desvalorização de 1,20% em relação a sexta-feira.

Segundo o porta-voz do Governo grego, Gabriel Sakellaridis, o Banco da Grécia vai pedir ainda hoje ao Banco Central Europeu (BCE), cujo conselho de governadores se reúne na segunda-feira, liquidez adicional para a banca grega através do mecanismo de empréstimos de emergência, Emergency Liquidity Assistance.

No plano político, a primeira vítima do referendo grego foi o líder do principal partido da oposição e ex-primeiro-ministro Antonis Samaras, que liderou a campanha pelo “sim” e, em face da derrota, apresentou a demissão da liderança da Nova Democracia (centro-direita).

Reacções em Portugal

Em Portugal, os partidos destacaram a escolha democrática dos gregos e a necessidade de a Grécia e a Europa chegarem a um acordo.

Os partidos Os Verdes e o Livre/Tempo de Avançar saudaram a “coragem e dignidade” do povo grego, esperando o primeiro que este resultado tenha consequências nas negociações, e considerando o segundo que a vitória do ‘não’ no referendo reforça a posição do Governo grego.

O Bloco de Esquerda defendeu que a Grécia deu uma “grande lição à Europa“, porque “escolheu a democracia à chantagem”, enquanto o PCP considerou que o resultado do referendo “constitui uma importante derrota para a União Europeia e para o FMI”.

O PS criticou o Governo português, acusando-o de tratar a crise na Grécia “como um assunto partidário”, e defendeu que, independentemente do resultado do referendo, seja recuperado o “interesse nacional” na procura de uma solução europeia.

Para o PSD, o povo grego tem agora o “dever” de apresentar uma solução para o país, opinião secundada pelo CDS-PP, que quer a Grécia a apresentar “soluções alternativas, viáveis e executáveis”.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião os gregos ontem tiveram que decidir entre a espada e a parede. Acredito que este não ainda não seja definitivo mas apenas uma maneira de pressionar a Europa. Mas assim sendo…Tempos muito duros se aproximam para o povo grego. Podemos comparar esta saida como sair de casa dos pais sem um pé de meia. Nada é impossível por isso acredito que consigam se levantar. Mas só daqui a muitos anos e depois de muita miséria e sacrifícios . Seja qual for o destino que eles vão traçar. Muita força e sorte porque vão precisar.

    • Sair da casa de conforto, sem “pé de meia” e maturidade, apenas alimentados de arrogância… Ou voltam confrontados com a realidade ou enveredam por caminhos enviesados
      Resta-lhes entrar no jogo cujas regras subscreveram… Lá como cá, os que levaram o povo ao “endividamento colectivo” não vão a votos. O que vai a sufrágio é a “penúria” que ninguém quer e não os seus responsáveis.

  2. Faroufakis crítico dos “terroristas” demite-se… Persona non grata no seio do eurogrupo.
    O dono da bola no recreio foi-se formalmente mas fica nos bastidores.
    A “consciência” dos gregos ditou não um resgate mas um programa humanitário sem vergonha dos responsáveis encostados à “democracia”.
    Perguntaram à “consciência” do povo grego, imagine-se, se concordavam com a austoridade – aquela que os economistas, os “revolucionários” em 5 meses nada produziram.
    Por se tratar de questões de economia nacional e supranacional, não é propriamente questão da “consciência” por déficit de conhecimento técnico. Numa semana a intoxicação tinha pegado de estaca… “Só sei que não quero austoridade mas não sei o que mais quero! À portuguesa talvez se resumisse a “perdido 1 perdido por mil” e depois logo se vê!
    …Vendedores de ilusões… Até nos radicais Há ratos

RESPONDER

Um megassatélite em órbita de Ceres daria "um ótimo lar" para seres humanos

Enquanto Elon Musk, CEO da SpaceX, olha para Marte, o físico e astrobiólogo Pekka Janhunen, do Instituto Meteorológico da Finlândia, está de olho no planeta anão Ceres. Seres humanos a viver noutros planetas do Sistema …

O vento solar é estranhamente atraído para o Pólo Norte (e não se sabe porquê)

Durante anos, os cientistas pensaram que o vento solar era igualmente atraído para os Polos Norte e Sul da Terra. No entanto, estudos recentes mostram que estas partículas parecem preferir o Norte - e não …

22 mil pessoas vão assistir (no estádio) ao Super Bowl

Um terço das pessoas presentes será composto por profissionais de saúde. Quatro equipas ainda na luta pelo título do campeonato principal de futebol americano. O dia 7 de fevereiro vai contar com uma "visão rara" nos …

Investigadores "voltam atrás no tempo" para calcular idade e local de explosão de supernova

Os astrónomos estão a "voltar atrás no tempo" num remanescente de supernova. Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, refizeram o percurso dos estilhaços velozes da explosão a fim de calcular uma estimativa mais precisa …

Cientista dos EUA acredita que o monstro do Lago Ness pode ser uma antiga tartaruga marinha

Um importante cientista dos Estados Unidos acredita que desvendou o mistério do Monstro de Lago Ness e pensa que a criatura é uma espécie ancestral de tartaruga marinha. Henry Bauer, professor aposentado de Química e Estudos …

Biden quer banir uma palavra das leis de imigração dos Estados Unidos

Se o projeto de lei proposto por Joe Biden, recém-eleito Presidente dos Estados Unidos, for aprovado, a palavra alien ("estrangeiro") vai desaparecer das leis de imigração norte-americanas, sendo substituída pelo termo noncitizen ("não cidadão"). A …

“As pessoas são mortas na mesquita, na rua e no trabalho". Em Cabul, reina o medo

Os assassínios seletivos de jornalistas, políticos e defensores dos direitos humanos são cada vez mais frequentes no país, com Cabul e várias províncias a registarem um aumento da violência nos últimos meses. O medo está …

"Fiquem em casa". Enfermeiros deixam "grito de alerta desesperado" aos portugueses

A Ordem dos Enfermeiros lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização a apelar aos portugueses para ficarem em casa, afirmando que é “um grito de alerta desesperado face à situação de catástrofe que se vive …

Senado francês aprovou lei que protege os sons e cheiros do campo

O Senado francês aprovou a lei, esta quinta-feira, que protege o "património sensorial" das áreas rurais do país, depois de várias queixas sobre os ruídos e cheiros típicos do campo. De acordo com o canal televisivo …

Identificado em Portugal o primeiro caso da variante da África do Sul

O primeiro caso de covid-19 associado à variante genética da África do Sul foi identificado esta sexta-feira em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), adiantou à agência Lusa a instituição. O caso identificado …