Grécia celebra o Não. “E agora?”, pergunta-se a Europa

Yannis Kolesidis / EPA

Gregos comemoram na praça Sintagma, em Atenas, a vitória do "Não" no referendo

Gregos comemoram na praça Sintagma, em Atenas, a vitória do “Não” no referendo

Os gregos rejeitaram este domingo por ampla maioria as propostas dos credores internacionais, abrindo caminho à incerteza sobre a permanência da Grécia na zona euro.

Segundo os resultados apurados depois de escrutinados 95% dos votos, 61,31% dos gregos disseram “não” às medidas de austeridade propostas pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional. O “sim” obteve 38,69%.

A participação foi de 62,48%, bem acima dos 40% necessários para que o referendo fosse válido.

O resultado do referendo, convocado há uma semana após o fracasso das negociações no Eurogrupo, foi considerado pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, como uma demonstração de que “a democracia não pode ser chantageada” e um reforço da posição de Atenas nas negociações, que pretende retomar já na segunda-feira e, desta vez, com a restruturação da dívida em cima da mesa.

Para o seu ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, o “não” é um “não à austeridade e sim aos valores europeus”.

Mas, quando milhares de apoiantes do “não” já celebravam a vitória nas ruas de Atenas, as reações nas outras capitais europeias não eram positivas, como faziam prever as declarações dos últimos dias sobre uma saída do país do euro (“Grexit”) em caso de vitória do “não”.

Europa tenta concertar posições

A reacção mais dura partiu do vice-chanceler e ministro de Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, para quem Tsipras “cortou todas as pontes” para um eventual compromisso ao recusar “as regras do jogo”, tornando “dificilmente imagináveis” negociações sobre “programas de milhares de milhões” de euros.

O líder do eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, emitiu um comunicado onde lamentou a vitória do “Não”.

É um resultado muito lamentável para o futuro da Grécia“, lê-se no comunicado de Dijsselbloem, “para a recuperação da economia grega, são inevitáveis medidas difícies e reformas inevitáveis. Vamos esperar para ver que iniciativas tomam as autoridades gregas. O Eurogrupo irá discutir o estado da situação a 7 de Julho”

Em França e em Itália, no entanto, a mensagem foi diferente, com o ministro da Economia francês, Emmanuel Macron, a defender um recomeço das negociações, e o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Paolo Gentiloni, a afirmar a necessidade de “recomeçar a procurar um acordo” para sair do “labirinto grego”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, conversaram por telefone sobre o resultado do referendo e pediram ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, para convocar uma cimeira extraordinária dos chefes de Estado e de Governo na zona euro para a próxima terça-feira, em Bruxelas, para discutir o resultado do referendo na Grécia.

Apesar de os mercados ainda estarem fechados, o valor do euro acusou a incerteza sobre o futuro da Grécia e da moeda europeia, com as transações eletrónicas que antecedem a abertura dos mercados asiáticos a registarem uma desvalorização de 1,20% em relação a sexta-feira.

Segundo o porta-voz do Governo grego, Gabriel Sakellaridis, o Banco da Grécia vai pedir ainda hoje ao Banco Central Europeu (BCE), cujo conselho de governadores se reúne na segunda-feira, liquidez adicional para a banca grega através do mecanismo de empréstimos de emergência, Emergency Liquidity Assistance.

No plano político, a primeira vítima do referendo grego foi o líder do principal partido da oposição e ex-primeiro-ministro Antonis Samaras, que liderou a campanha pelo “sim” e, em face da derrota, apresentou a demissão da liderança da Nova Democracia (centro-direita).

Reacções em Portugal

Em Portugal, os partidos destacaram a escolha democrática dos gregos e a necessidade de a Grécia e a Europa chegarem a um acordo.

Os partidos Os Verdes e o Livre/Tempo de Avançar saudaram a “coragem e dignidade” do povo grego, esperando o primeiro que este resultado tenha consequências nas negociações, e considerando o segundo que a vitória do ‘não’ no referendo reforça a posição do Governo grego.

O Bloco de Esquerda defendeu que a Grécia deu uma “grande lição à Europa“, porque “escolheu a democracia à chantagem”, enquanto o PCP considerou que o resultado do referendo “constitui uma importante derrota para a União Europeia e para o FMI”.

O PS criticou o Governo português, acusando-o de tratar a crise na Grécia “como um assunto partidário”, e defendeu que, independentemente do resultado do referendo, seja recuperado o “interesse nacional” na procura de uma solução europeia.

Para o PSD, o povo grego tem agora o “dever” de apresentar uma solução para o país, opinião secundada pelo CDS-PP, que quer a Grécia a apresentar “soluções alternativas, viáveis e executáveis”.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Na minha opinião os gregos ontem tiveram que decidir entre a espada e a parede. Acredito que este não ainda não seja definitivo mas apenas uma maneira de pressionar a Europa. Mas assim sendo…Tempos muito duros se aproximam para o povo grego. Podemos comparar esta saida como sair de casa dos pais sem um pé de meia. Nada é impossível por isso acredito que consigam se levantar. Mas só daqui a muitos anos e depois de muita miséria e sacrifícios . Seja qual for o destino que eles vão traçar. Muita força e sorte porque vão precisar.

    • Sair da casa de conforto, sem “pé de meia” e maturidade, apenas alimentados de arrogância… Ou voltam confrontados com a realidade ou enveredam por caminhos enviesados
      Resta-lhes entrar no jogo cujas regras subscreveram… Lá como cá, os que levaram o povo ao “endividamento colectivo” não vão a votos. O que vai a sufrágio é a “penúria” que ninguém quer e não os seus responsáveis.

  2. Faroufakis crítico dos “terroristas” demite-se… Persona non grata no seio do eurogrupo.
    O dono da bola no recreio foi-se formalmente mas fica nos bastidores.
    A “consciência” dos gregos ditou não um resgate mas um programa humanitário sem vergonha dos responsáveis encostados à “democracia”.
    Perguntaram à “consciência” do povo grego, imagine-se, se concordavam com a austoridade – aquela que os economistas, os “revolucionários” em 5 meses nada produziram.
    Por se tratar de questões de economia nacional e supranacional, não é propriamente questão da “consciência” por déficit de conhecimento técnico. Numa semana a intoxicação tinha pegado de estaca… “Só sei que não quero austoridade mas não sei o que mais quero! À portuguesa talvez se resumisse a “perdido 1 perdido por mil” e depois logo se vê!
    …Vendedores de ilusões… Até nos radicais Há ratos

RESPONDER

Estudo prevê menos de 2 mil novos casos diários no Natal

No Natal, Portugal deverá registar menos de dois mil novos casos diários de covid-19, segundo uma projeção da Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa divulgada hoje. Neste momento regista-se uma redução de 2,7% de novos …

A brilhar na seleção e sem lugar no Sporting, Plata é pretendido pelo Leicester

Depois de somar um par de boas exibições ao serviço da seleção equatoriana, Gonzalo Plata está a ser sondado pelo Leicester. O jovem de 20 anos não tem sido opção no Sporting. Gonzalo Plata tem atraído …

"É impensável um relaxamento". Entre novas medidas, Itália impõe quarentena a turistas nacionais e estrangeiros no Natal

O governo de Itália aprovou a quarentena obrigatória para cidadãos italianos que estejam no estrangeiro entre 21 de dezembro e 6 de janeiro e regressem ao país e para turistas, para prevenir uma "terceira vaga" …

Esta à porta mais um fim de semana de restrições. Concelhos “fecham” a partir das 23h

Entre as 23h00 desta sexta-feira e as 23h59 de terça-feira estão proibidas as deslocações para fora do concelho de residência habitual, salvo algumas exceções previstas na lei. Nesta sexta-feira, o Parlamento prepara-se para dar “luz verde” …

Lucas Veríssimo tem dado dores de cabeça ao Benfica, mas "poderá sair de graça em janeiro"

O presidente do Santos, Orlando Rollo, avisa que há o sério risco de Lucas Veríssimo sair a custo zero já em janeiro. O SL Benfica está ainda a estudar a sua contratação. O negócio de Lucas …

Tabelas do IRS podem significar aumento do salário mínimo até 685 euros

A divulgação das novas tabelas de retenção na fonte de IRS sugere que o salário mínimo nacional possa aumentar até aos 685 euros. O valor a partir do qual salários e pensões passam a descontar IRS …

Arquipélago na "Atlântida britânica" sobreviveu a tsunami há 8 mil anos

Cientistas acreditam que uma parte de Doggerland, uma antiga civilização conhecida como a "Atlântida britânica", tenha sobrevivido ao tsunami que inundou a região há 8 mil anos. Doggerland foi uma civilização antiga no Mar do Norte, …

Plano de vacinação pode prolongar-se até março de 2022. Normalidade pode regressar já no próximo verão

Portugal vai receber 22,8 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 que chegam para imunizar toda a população, mas o processo vai decorrer em três fases, a última das quais poderá prolongar-se até ao …

Partidos concordam com o alívio no Natal (mas plano de vacinação não satisfaz Marcelo)

Com o voto favorável do PSD assegurado, o Parlamento vai aprovar, esta sexta-feira, o decreto presidencial com a segunda renovação do estado de emergência desta segunda fase da pandemia. Depois da reunião no Infarmed, Marcelo Rebelo …

Vespas "buraco de fechadura" conseguem fazer um avião despenhar-se

Conhecidas como vespas "buraco de fechadura", estes insetos constroem os seus ninhos em sítios minúsculos. Em alguns casos raros, podem mesmo levar a que um avião se despenhe. As Pachodynerus nasidens, mais conhecidas por vespas "buraco …