Governo está a estudar a extinção do SEF

Mário Cruz / Lusa

O Governo está a estudar uma possível reestruturação profunda do SEF. A polícia pode passar a ser uma entidade meramente administrativa, perdendo as competências de controlo das fronteiras.

O caso da morte do cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa pode levar a sérias repercussões para o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). O Governo já tinha anunciado a sua reformulação para o próximo ano, mas, agora, Marcelo Rebelo de Sousa admite mesmo o fim do SEF como o conhecemos.

Esta polícia poderá perder as competências de controlo das fronteiras, passando a ser uma entidade meramente administrativa para concessão de vistos, autorizações de residência e asilo. O modelo definitivo só será conhecido nas próximas semanas, escreve o Observador.

No programa de Governo, já se fazia o compromisso de “reconfigurar a forma como os serviços públicos lidam com o fenómeno da imigração, adotando uma abordagem mais humanista e menos burocrática“.

Fonte oficial do Ministério da Administração Interna remeteu para o comunicado de demissão de Cristina Gatões, no qual se lê que o Governo vai “estabelecer uma separação orgânica muito clara entre as funções policiais e as funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes”.

A TVI avança que, desta forma, o controlo das fronteiras passaria para a PSP e a investigação para a PJ. Os inspetores do SEF seriam reintegrados noutras forças policiais.

“Um novo SEF é o Governo quem decide, mas significa provavelmente a transferência das competências do SEF de controlo de fronteiras para outras entidades policiais”, disse o Presidente da República em entrevista à SIC. “Isto é uma revolução difícil, por isso é que demorou tanto tempo a ser debatida”.

Depois de ter tentado entrar ilegalmente em Portugal, por via aérea, a 10 de março, o ucraniano Ihor Homeniuk morreu no aeroporto de Lisboa, em circunstâncias que, após investigação, já conduziram à acusação de três inspetores, por “tortura evidente”.

Segundo o Ministério Público (MP), as agressões cometidas pelos inspetores do SEF, que agiram em comunhão de esforços e intentos, provocaram a Ihor Homeniuk “diversas lesões traumáticas que foram causa direta” da sua morte.

Após a morte de Ihor, o ministro da Administração Interna determinou a instauração de processos disciplinares ao diretor e subdiretor de Fronteiras de Lisboa, ao Coordenador do EECIT do aeroporto e aos três inspetores do SEF, entretanto acusados pelo Ministério Público, bem como a abertura de um inquérito à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI).

ZAP ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Se o SEF é assim tão mau a ponto de quererem mudar tudo, vão integrar as pessoas potencialmente más na PSP? É só um “rebranding” e mantêm as MESMAS pessoas problemáticas nas mesmas funções??? Mas isso tem alguma lógica? Mas estão a chamar de burros ao povo? Está tudo louco?

    Não podem simplesmente despedir as pessoas? Ou caso a lei proíba despedimento de funcionários públicos (não tem lógica nenhuma tal lei, que deveria ser inconstitucional ter de manter alguém só porque sim), então mandar sei lá: tomar conta das florestas, pode ser que vão tratar mal os incendiários ou assim.

  2. ZAP, o título deste nobre artigo deveria ser “Governo está a estudar a extinção do SEF, e a sua própria extensão”, já que passaria a remeter para a realidade omitida pela maioria.

    Obrigada!

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …