Governo escocês vai publicar argumentos que permitam novo referendo sobre independência

Scottish Government / Flickr

Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia

Nicola Sturgeon disse que o governo da Escócia não deve ser obrigado a “pedir a Boris Johnson ou a qualquer outro primeiro-ministro de Westminster permissão para fazer o referendo”, como está previsto na lei.

A primeira ministra da Escócia anunciou, esta sexta-feira, que o Governo escocês vai publicar na próxima semana os argumentos democráticos para uma transferência de poderes que permita a realização de um referendo sobre a independência da região.

Numa conferência de imprensa em Edimburgo, Nicola Sturgeon, que é também líder do partido nacionalista escocês (SNP), reiterou que o resultado das eleições britânicas de quinta-feira “renova e reforça o mandato” do SNP para “dar aos escoceses uma escolha para o futuro”.

“Dado o veredicto de ontem [quinta-feira], o Governo da Escócia vai publicar na próxima semana os argumentos democráticos detalhados de uma transferência de poder para permitir um referendo sobre independência que possa ser realizado sem hipótese de ser juridicamente questionável”, afirmou.

O SNP, que nas últimas semanas fez campanha contra o Brexit e pela realização de um segundo referendo sobre a Independência da Escócia, elegeu na quinta-feira 48 deputados, das 59 circunscrições escocesas no Parlamento britânico, mais 13 do que nas últimas eleições.

Esta sexta-feira, Sturgeon insistiu que um referendo deve ser responsabilidade de um governo da Escócia, que não deve ser obrigado a “pedir a Boris Johnson ou a qualquer outro primeiro-ministro de Westminster permissão para fazer o referendo”, como está previsto na lei.

“Se a Escócia se torna ou não independente depende da vontade das pessoas que vivem aqui, e sublinho, todos os que vivem aqui, independentemente de onde vêm”, afirmou. “Não é uma exigência minha ou do SNP. É o direito do povo da Escócia e você, como líder de um partido derrotado na Escócia não tem o direito de ficar no caminho”, disse a líder escocesa, dirigindo-se a Boris Johnson.

O povo da Escócia falou, é altura de decidir o nosso futuro“, acrescentou.

No seu discurso, a primeira-ministra escocesa afirmou que as eleições de quinta-feira permitem confirmar que “a grande maioria das pessoas na Escócia quer ficar na União Europeia”, uma decisão expressa no referendo de 2016, reforçada nas eleições de 2017 e nas Europeias deste ano e “enfaticamente confirmada” na noite de quinta-feira.

Westminster ignorou o povo da Escócia por mais de três anos. Ontem o povo da Escócia disse já chega. É hora de o Governo de Boris Johnson ouvir”, disse Sturgeon.

“[O primeiro-ministro] tem um mandato para o ‘Brexit’ em Inglaterra, mas não tem qualquer mandato para tirar a Escócia da UE. Se insistir vai agredir o princípio na base da constituição do Reino Unido. A ideia de que a União é uma parceria de nações iguais”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …

Governo prevê descontos nas portagens no interior

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira que o novo modelo de desconto das portagens para o interior do país prevê descontos para quem vive, para quem trabalha e para quem visita no …

Excesso de higiene está a tornar a nossa saúde mais frágil, aponta estudo

Um grupo de investigação do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) divulgou recentemente um estudo sobre a perda de diversidade da flora intestinal - também denominada como microbiota - e as consequências desta diminuição na nossa …

Tiroteio na Alemanha faz pelo menos seis mortos e vários feridos

Pelo menos seis pessoas morreram e várias ficaram feridas num tiroteio, esta sexta-feira, na cidade alemã de Rot am See. De acordo com vários media alemães, pelo menos seis pessoas morreram num tiroteio em Rot am …

IKEA aumenta salário de entrada dos trabalhadores para 700 euros

A IKEA aumentou o salário de entrada para trabalhadores a tempo inteiro de 650 euros para 700 euros brutos mensais, acima do salário mínimo nacional (635 euros), anunciou hoje a cadeia de venda de mobiliário. Em …

Mortes nos Comandos. Recruta diz que colocaram um cateter em Hugo Abreu já depois de estar morto

Rodrigo Silvano, o último recruta no curso 127 de Comandos a sair da tenda de enfermaria onde morreu Hugo Abreu no primeiro dia da Prova Zero, relatou ao tribunal que viu o enfermeiro do INEM …

Rafa inegociável. Benfica só vende por 80 milhões de euros

Rafa é inegociável. O Benfica só deixar sair o extremo de 26 anos pelo valor da sua cláusula de rescisão, que está fixada nos 80 milhões de euros. A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Correio …