Governo de Costa nunca aprovou as contas da CP

José Sena Goulão / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, exibe o seu Passe Único AML – Navegante, momentos antes da viagem de comboio entre Estação de Entrecampos e Setúbal, no âmbito do Programa de Apoio à Redução Tarifária, em Lisboa.

O Governo de António Costa nunca aprovou as contas da CP – Comboios de Portugal. “É tapar o sol com a peneira”, diz a economista Mariana Abrantes de Sousa.

Desde que António Costa foi nomeado primeiro-ministro, em 2016, que o Estado não aprova relatórios e contas da CP – Comboios de Portugal. Há quatro anos que nem o Ministério das Finanças nem o Ministério das Infraestruturas e da Habitação validam as contas da empresa ferroviária.

“Demorar tanto tempo a aprovar contas é tapar o sol com a peneira. Não é por não aprovar que se pode ignorar os prejuízos da empresa”, diz a economista Mariana Abrantes de Sousa ao DN/Dinheiro Vivo. Nos últimos quatro anos, o Estado injetou mais de 1.700 milhões de euros na CP.

Embora as contas não tenham nenhum problema a nível técnico, a economista explica que, a nível político, “aprovar as contas com estes prejuízos tem consequências a nível da despesa pública”.

Só no ano passado é que foram validadas as contas de 2015, faltando ainda validar os relatórios e contas entre 2016 e 2019. Apesar de os prejuízos terem vindo a diminuir, os capitais negativos continuam a rondar os 1,7 mil milhões de euros.

Contactados pelo DN/Dinheiro Vivo, os ministérios que tutelam a CP recusaram-se a prestar quaisquer esclarecimentos.

Ainda este mês, o Governo aprovou um empréstimo de emergência à CP no valor de 41 milhões de euros para assegurar liquidez imediata à empresa.

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, disse que este empréstimo deve ser reconfigurado numa transferência de capital de modo a aumentar a dívida da CP, que ultrapassa os dois mil milhões de euros.

O Governo optou por um empréstimo de urgência “para não haver nenhuma rutura de liquidez”, explicou o ministro. “Com o contrato de serviço público na mão, quero resolver isso tudo, quero que o empréstimo não seja empréstimo”.

Só no mês de abril, a companhia perdeu 22 milhões de euros devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, provocado pela forte quebra no número de passageiros e das receitas. A CP reduziu, em média, a sua operação para 75% do habitual, mas a procura ficou abaixo dos 10%. No final de maio, a CP anunciou que só tinha dinheiro até junho.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …