Governo aprova lay-off simplificado e moratória de créditos para famílias e empresas

Manuel De Almeida / Lusa

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira (C), ladeado pela ministra do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (E), e pela ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque (D)

O Conselho de Ministros aprovou, esta quinta-feira, um novo conjunto de medidas extraordinárias para famílias e empresas no combate à pandemia de Covid-19.

Em conferência de imprensa, a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, e o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, anunciaram um conjunto de novas medidas, dentro das quais se destacam a aprovação do lay-off simplificado e de uma moratória de créditos para as famílias e empresas.

A moratória tem uma duração de seis meses, até 30 de setembro, e “prevê a proibição da revogação das linhas de crédito contratadas, a prorrogação ou suspensão dos créditos até fim deste período, de forma a garantir a continuidade do financiamento às famílias e empresas e a prevenir eventuais incumprimentos”.

Com isto, o Governo pretende reforçar o “apoio e proteção de famílias, empresas e demais entidades da economia social, para assegurar o reforço da sua tesouraria e liquidez, atenuando os efeitos da redução da atividade económica”. A moratória deverá representar um valor a rondar os 20 mil milhões de euros.

Citado pelo Rádio Renascença, Siza Vieira explicou que a moratória “aplica-se pessoas que estejam em situação particularmente difícil, de desemprego, em lay-off simplificado, pessoas que trabalhem em estabelecimentos que encerraram devido ao estado de emergência ou por ordem das autoridades de saúde, pessoas em isolamento profilático ou doença, que prestem assistência a filhos ou netos. Todas as pessoas encontrem em situação económica de especial proteção”.

“O acesso, quer às linhas de crédito quer a esta moratória, pressupõe que as empresas tenham a sua situação regularizada“, explicou Siza Vieira, realçando que apenas as empresas que não tiverem dívidas ao Fisco ou à Segurança Social é que estão elegíveis.

Nos créditos à habitação, a suspensão dos pagamentos é válida para créditos de habitação própria permanente. Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, hoje divulgado, “o sistema financeiro tem um especial dever de participação neste esforço conjunto pela sua função essencial de financiamento da economia”.

O Conselho de Ministros aprovou um regime excecional e temporário de mora no pagamento de rendas habitacionais e não habitacionais.

O Governo já tinha aprovado a suspensão de despejos e do fim dos prazos dos contratos de arrendamento no segmento habitacional, mas agora prevê também moratórias para o pagamento das rendas, no seguimento da perda de rendimentos das famílias e das empresas.

“Foi aprovada uma proposta de lei, a submeter à apreciação da Assembleia da República, que cria um regime excecional e temporário de mora no pagamento de rendas – habitacionais e não habitacionais – e habilita o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) a conceder empréstimos para pagamento de renda aos arrendatários que tenham sofrido quebras de rendimentos”, explica o comunicado do Conselho de Ministros.

As famílias e empresas que se enquadrem na situação descrita terão de entregar uma declaração junto da instituição bancária para ficarem isentos de prestação durante seis meses.

“As pessoas que se encontram nas situações que acabei de descrever e que tenham um empréstimo para habitação própria permanente poderão requerer às instituições bancárias junto das quais tenham esses créditos que lhes seja reconhecida a moratória e os bancos aplicam essas medidas que produzem efeitos à data da entrega da declaração”, explicou Siza Vieira.

“A estimativa que temos é que, dependendo do número de trabalhadores, esta medida custe mil milhões de euros por mês. É uma medida de despesa pública”, acrescentou.

O ministro da Economia revelou ainda que, a partir desta sexta-feira, vai passar a estar disponível no site da Segurança Social o formulário para as empresas pedirem o apoio, escreve a TSF.

Lay-off simplificado

Além disso, em relação ao lay-off simplificado, foram anunciadas medidas como a redução temporária do período normal de trabalho ou suspensão de contrato de trabalho.

“O diploma aprovado estipula que durante o período de redução ou suspensão, bem como nos 60 dias seguintes à sua aplicação, o empregador não pode cessar contratos de trabalho, através de despedimento coletivo ou por extinção do posto de trabalho, relativamente aos trabalhadores abrangidos pelas medidas de apoio”, refere o diploma do Governo.

A este regime excecional têm acesso:

  • Empresas cujo encerramento total ou parcial tenha sido decretado por decisão das autoridades políticas ou de saúde;
  • Empresas que experienciem uma paragem total ou parcial da sua atividade que resulte da interrupção das cadeias de abastecimento globais, ou a suspensão ou cancelamento de encomendas;
  • Empresas que tenham registado uma queda acentuada de, pelo menos 40% da faturação, por referência ao mês anterior ou período homólogo.

Para as empresas cujo encerramento não foi determinado ou não tenham ainda quebra da faturação, podem também ter acesso se tiverem quebra de faturação num período de 30 dias em relação à média de dois meses do período homologo do ano anterior, explica o Observador.

Siza Vieira anunciou também que mantém-se a redução da TSU para a entidade empregadora durante este apoio.

Questionada pelos jornalistas, Mariana Vieira da Silva esclareceu ainda que as faltas para pais com filhos a cargo continuam a ser justificadas no período das férias da Páscoa. Apesar do prolongamento, “a prestação social encontra-se suspensa durante o período de férias e depois poderá ser reavaliada”.

A ministra esclareceu que o apoio durante as férias da Páscoa permanecerá apenas para pais com filhos em idade de creches.

“Ao longo dos últimos dias temos procurado deixar claro que o momento que vivemos tem dificuldades coletivas. A única exceção é para as crianças que frequentavam creches, nas quais não estava previsto qualquer período de interrupção”, explicou.

A prestação de apoio às famílias que têm de ficar em casa com os filhos deverá ter um custo de 298 milhões de euros por mês e as linhas de crédito de apoio à tesouraria das empresas deverá custar mais de 9.000 milhões de euros, escreve o Público.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …