CTT, professores reformados ou escuteiros. Governo quer ajuda para entregar TPC a alunos sem Internet

O Governo sugere às escolas que recorram aos carteiros para entregar fichas e trabalhos de casa aos alunos sem acesso às aulas à distância, devido à pandemia Covid-19, e que peçam ajuda a voluntários, professores reformados ou escuteiros.

Desde segunda-feira que as escolas estão encerradas para tentar conter a disseminação do novo coronavírus e mais de dois milhões de crianças e jovens – da creche ao ensino superior – estão em casa, a aprender através do ensino à distância. No entanto, como um em cada cinco alunos não tem computador em casa e 5% das famílias com crianças até aos 15 anos não tem Internet, o Governo criou um conjunto de soluções que vai apresentar às escolas para tentar minimizar o problema.

“As escolas e os professores têm, naturalmente, sentido constrangimentos em garantir o contacto com os alunos especialmente carenciados ou vulneráveis”, reconhece o Ministério da Educação em comunicado, sublinhando que este problema é “um dos principais focos de preocupação” da tutela.

Para manter o contacto e o apoio aos alunos com maior risco de exclusão social, o Governo sugere aos directores de turma e outros professores que sinalizem os alunos sem acesso às aulas, os que não participam ou que estão a participar pouco nas actividades propostas.

Também os agentes do Programa Escola Segura (EPES) são chamados a intervir para continuar o seu trabalho de proximidade com os estudantes, fazendo a articulação entre a escola e os alunos, mas também dando apoio domiciliário.

O Governo propõe ainda às escolas que, em caso de necessidade, se articulem com os CTT para que este serviço possa “entregar e levantar as fichas de apoio e os trabalhos ao domicílio”, lê-se no comunicado enviado pelo Ministério da Educação (ME). Segundo a Confederação das Associações de Pais e Encarregados de Educação (Confap), já há alunos cujas famílias têm mais dificuldades no acesso online que estão a levantar os trabalhos da escola em papel.

De acordo com a Confap, esta prática é possível com a colaboração articulada das autarquias, das escolas e das associações de pais, estando igualmente previsto que os CTT também possam colaborar neste processo.

“Os alunos estão em casa para melhor se garantir a sua segurança, mas não estão de férias”, lembra a confederação, para a qual é fundamental atingir os objectivos do ano lectivo, conforme planeado.

“É por isso, também para os alunos, o mesmo que estar em teletrabalho“, refere fonte da Confap.

Outra das sugestões do Governo é definir canais de comunicação simples com as crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. “Privilegiar canais fáceis, momentos de contacto diário, através de todas as formas de comunicação disponíveis, como o telefone (voz ou mensagem)”, são as alternativas avançadas pelo ME.

No caso dos alunos que têm telemóvel e acesso ao Whatsapp ou a outras aplicações semelhantes, é sugerido que se estimule “o envio de dúvidas e trabalhos por mensagem ou fotografia”, explica o ME.

É ainda proposto que sejam mobilizados estudantes, professores reformados, escuteiros e voluntários para interagirem com as famílias e crianças, fomentando exercícios que sejam compatíveis de se realizar à distância de um telefonema ou de um ecrã.

Noutros casos, estes voluntários poderão entregar e recolher fichas ao domicílio e depois fazer a sua correcção.

O Governo apresenta uma lista de quem pode fazer este trabalho: estudantes, designadamente na área da educação, pessoal dos bancos de voluntariado das câmaras municipais e das universidades, docentes reformados e até embaixadores dos países de origem dos imigrantes.

Também os dirigentes do Corpo Nacional de Escutas, dirigentes associativos e vigilantes escolares podem participar nesta missão de não deixar ninguém de fora, sublinha o Governo. As organizações não-governamentais, as associações de migrantes e outras entidades de quem a escola seja parceira também se podem envolver neste projecto.

O Governo lembra ainda que pode passar pela mobilização de parceiros locais para apoio, designadamente através de disponibilização de ‘wi-fi’ ou equipamentos.

A rede de apoio do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) também pode ser um parceiro essencial, segundo o comunicado do ME que lembra que o ACM pode identificar crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, uma vez que esta entidade tem um contacto privilegiado com a população imigrante, refugiada e oriunda de contextos vulneráveis.

“Destas crianças, sinaliza aquelas que têm e não têm acesso à Internet, ‘smartphones’, ‘tablets’, redes sociais, comunicando posteriormente aos respectivos estabelecimentos escolares”, acrescenta o comunicado referindo-se ao trabalho que poderá ser feito pela rede do ACT.

O Governo refere que se deve recorrer aos conhecimentos e equipas dos projectos Escolhas – um programa que nasceu no início do Século a pensar nos jovens desfavorecidos, nomeadamente crianças imigrantes ou portuguesas ciganas.

O ME observa ainda que os canais de televisão se disponibilizaram para divulgar conteúdos educativos em momentos específicos e que, por isso, os alunos devem ser estimulados a assistir a esses conteúdos.

A Direcção-Geral da Educação lançou na segunda-feira um microsite com recursos e ferramentas de ensino à distância para apoiar os professores na condução das aulas. O objectivo da plataforma, segundo a tutela, é disponibilizar novos recursos e partilhar práticas que os docentes possam ter de adoptar para “manter o processo de ensino e aprendizagem em funcionamento”.

As actividades nas escolas estão suspensas até ao dia 9 de Abril devido à pandemia de Covid-19.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pedro Proença acredita que "vai ser possível jogar na presente temporada"

O Presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) admitiu, esta terça-feira, a possibilidade de realizar jogos à porta fechada e ainda esta temporada. Em entrevista à rádio TSF, Pedro Proença disse acreditar que ainda "vai …

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra e ao Algarve" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …