Governo deixou cair 18 diplomas recusados informalmente por Marcelo

Clara Azevedo / Portugal.gov.pt

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reúne com o primeiro-ministro António Costa

Além de 728 diplomas promulgados e 10 vetados, Marcelo Rebelo de Sousa vetou informalmente 18 leis que o Executivo decidiu meter na gaveta.

O Governo já deixou cair 18 diplomas legais que tinha enviado para Belém, mas que foram informalmente devolvidos por Marcelo Rebelo de Sousa sem promulgação, veto ou assinatura, avança esta terça-feira o jornal Público.

Nestes dois anos e meio de mandato do Presidente da República, o Executivo deixou cair 18 diplomas perante as objeções colocadas pelo chefe de Estado. Segundo os dados obtidos pelo diário, 430 diplomas foram enviados para Belém, mas só 412 tiveram um destino claro – 346 promulgados, dois mereceram veto político e 64 precisavam apenas da assinatura presidencial (decretos regulamentares e afins).

Como esta é uma contabilidade que normalmente não é conhecida, por não haver registos públicos do fluxo e das negociações em torno da legislação do Governo, não são conhecidos quais os diplomas que ficaram pelo caminho.

Desta forma, no primeiro ano de mandato presidencial, o Governo propôs apenas 114 diplomas a Marcelo Rebelo de Sousa, dos quais 99 foram promulgados, um vetado (sigilo bancário) e seis assinado. Isto significa que, em 2016, oito diplomas foram informalmente devolvidos ao Governo e não tiveram nenhuma consequência.

Já no ano passado, o Executivo enviou 227 diplomas para Belém e destes 177 foram promulgados, um foi vetado (Estatuto dos Militares da GNR) e 41 assinados. O cenário do ano anterior repetiu-se e oito diplomas foram informalmente devolvidos por Marcelo, e o Governo decidiu não insistir neles.

Este ano, até 3 de agosto, o Executivo enviou 89 leis para apreciação, das quais 70 decretos-lei foram promulgados, 17 decretos regulamentares assinados e nenhum vetado. No entanto, o Governo deixou cair dois diplomas, que tinham sido devolvidos informalmente por Marcelo.

Segundo o Público, confirma-se a tendência de o órgão legislativo por excelência produzir muito menos leis do que o órgão executivo. Desde março de 2016, o Parlamento enviou para promulgação presidencial cerca de metade dos diplomas enviados pelo Governo: 46 em 2016 (face aos 114 do Governo) e 119 em 2017 (face aos 227 do executivo).

Este ano, essa diferença é menor: até sexta-feira passada, deram entrada em Belém 69 leis da Assembleia da República, menos 20 do que os diplomas governamentais, mas o número de vetos mais que duplicou: cinco, quando em 2016 tinham sido dois e em 2017 apenas um.

No total, Marcelo Rebelo de Sousa já recebeu 728 diplomas e vetou dez, oito dos quais do Parlamento. O facto de os diplomas do Parlamento terem mais vetos do que os do Governo explica-se pelo facto de a devolução de uma lei pelo Presidente à AR requerer um veto formal.

Pelo contrário, a devolução sem veto ao Governo pode ser a solução discreta que mais convém a todos, sendo que estes casos não são, normalmente, contabilizados.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …

Espírito Santo escondeu 30 milhões de euros na Suíça com 'barriga de aluguer'

O Banque Privée Espírito Santo (BPES), banco do Grupo Espírito Santo (GES) na Suíça que está em fase de liquidação, terá ocultado 30 milhões de euros das autoridades através de uma 'barriga de aluguer'. Esse dinheiro …

G7 começa hoje. Amazónia, Brexit e Irão discutidos por lideres mundiais

As divergências em relação ao Irão, ao Brexit, aos fogos na Amazónia e ao comércio mundial deverão marcar a cimeira das grandes potências industriais (G7) que se inicia hoje em Biarritz, França. O presidente de França, …