Germano Almeida vence Prémio Camões 2018

Leandro Müller / Wikimedia

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida

O escritor cabo-verdiano é o vencedor do Prémio Camões 2018, foi anunciado esta segunda-feira, no Hotel Tivoli, em Lisboa.

Germano Almeida, advogado e escritor, nascido na ilha da Boavista em 1945, foi distinguido hoje por unanimidade com o Prémio Camões, a mais importante distinção da Língua Portuguesa e que tem um valor monetário de cem mil euros.

“A minha admiração por Germano Almeida vem de longe”, admitiu o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, durante a conferência de imprensa do anúncio do prémio, sublinhando que “o auto-humor” é uma das principais características da obra do premiado.

“É um romancista muito divertido. É um escritor que sabe rir-se de si próprio e do mundo, e, nesse sentido, é um escritor que apresenta uma visão do mundo muito irónica, crítica e sem ser violenta”, descreveu.

Sobre o anúncio, o ministro da Cultura, ladeado pelos membros do júri, disse: “Estamos muito felizes com este galardão. É mais um ano de Prémio Camões, mais um escritor de língua portuguesa reconhecido e consagrado, portanto estamos todos de parabéns”.

Na mesa também se encontrava presente o embaixador do Brasil em Portugal, Luiz Alberto Figueiredo Machado, que declarou que o prémio “vem demonstrar cada aspeto nacional nesse mar de cooperação e entendimento cultural que é a língua portuguesa”.

O júri da 30.ª edição do Prémio Camões foi constituído por Maria João Reynaud, professora jubilada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Portugal); Manuel Frias Martins, professor jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Portugal); Leyla Perrone-Moisés, professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (Brasil); José Luís Jobim, professor aposentado da Universidade Federal Fluminense e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Brasil); pelos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), Ana Paula Tavares, poeta e professora de Literaturas Africanas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Angola); e José Luís Tavares, poeta (Cabo Verde).

O escritor cabo-verdiano é autor de obras como “O dia das calças roladas”, “O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo”, “A família trago”, “A ilha fantástica” e “Os dois irmãos”. Está traduzido em países como Itália, França, Alemanha, Suécia, Noruega e Dinamarca. O seu mais recente romance, “O fiel defunto”, sairá nos próximos dias no mercado português pela Editorial Caminho.

Segundo cabo-verdiano a vencer o Prémio Camões

“Felicito o escritor Germano Almeida, vencedor do Prémio Camões 2018”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, através de um depoimento colocado na sua página oficial.

“Advogado, foi deputado e Procurador-Geral da República. Enquanto ficcionista, tornou-se um dos mais destacados nomes da literatura africana de língua portuguesa, sendo o segundo cabo-verdiano a vencer o Prémio Camões, depois de Arménio Vieira”, salientou o Presidente da República.

Também o primeiro-ministro português congratulou o escritor cabo-verdiano pela “merecida atribuição do Prémio Camões 2018”. Numa mensagem publicada no Twitter, António Costa recordou que o Prémio Camões é “a mais importante consagração literária dessa língua universal que é o português”.

Por sua vez, o chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, considerou a atribuição do prémio uma “ótima notícia” para o escritor e para o país, fazendo votos para que o terceiro galardão não demore mais nove anos.

É uma ótima notícia para ele em primeiro lugar, para a literatura cabo-verdiana, para os escritores cabo-verdianos e para Cabo Verde. É um importante galardão literário, seguramente o mais conhecido de língua portuguesa, e termos um prémio Camões nove anos depois do primeiro é muito bom”.

“Vai levar a que a nossa literatura seja mais conhecida e pode ajudar a potenciar o conhecimento de Germano Almeida, da nossa prosa de ficção, da nossa literatura e dos nossos escritores no geral. Não podia haver melhor notícia para o país neste momento. É ótimo para a nossa autoestima“, sublinhou.

Sobre a escrita e obra de Germano Almeida, Jorge Carlos Fonseca destacou a “criatividade, a exuberância, o humor e a capacidade inventiva nas histórias que escreve e descreve, seja nos romances, seja nos contos ou novelas”.

O Prémio Camões é o maior galardão da Língua Portuguesa, e foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988.

Com a sua atribuição, é prestada anualmente uma homenagem à literatura em português, recaindo a escolha num escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento “do património literário e cultural da língua comum”, segundo o protocolo estabelecido entre Portugal e o Brasil, assinado em junho de 1988, que instituiu o prémio.

O Prémio Camões foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga e, na mais recente edição, em 2017, foi entregue ao poeta Manuel Alegre.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …