Gerador com um “espiráculo” vai fornecer energia a uma ilha remota da Tasmânia

Uma unidade de aproveitamento de ondas que gera energia através de um “espiráculo” está programada para ser testada numa remota ilha da Tasmânia.

A unidade, chamada de gerador UniWave200, será ligada em aproximadamente um mês em King Island, no Estreito de Bass, após o qual será alimentada simultaneamente por ondas, energia eólica e solar.

De acordo com o NewAtlas, o UniWave200 aproveita a energia das ondas canalizando a água para dentro e para fora de uma câmara de betão conforme as ondas caem e fluem. A água empurra o ar para dentro e para fora da parte superior da câmara, formando um respiradouro artificial do qual a energia pode ser colhida usando uma turbina eólica.

Como o UniWave foi implantado numa área com grandes ondas, o processo de transporte da unidade envolveu um travessia de 40 horas para King Island do porto de Bell Bay no rio Tamar da Tasmânia.

A atual unidade de aproveitamento de ondas semelhante a um barco da Wave Swell Energy pode gerar até 200 quilowatts de energia.

No futuro, a empresa planeia construir modelos maiores que podem gerar até 1.000 quilowatts.

King Island, com uma população de cerca de 1.700 pessoas, já retira cerca de dois terços da sua energia de fontes renováveis, mas pretende ser alimentada com até 100% de energia verde. Assim, este projeto, apoiado por investidores e subsídios federais, contribuirá para a mistura de energia renovável de King Island, que também inclui a geração eólica e solar.

Porém, o seu trabalho principal é provar a eficiência, confiabilidade, durabilidade e acessibilidade da própria tecnologia, que a Wave Swell Energy afirma poder trazer os custos de geração de energia renovável a par com os custos de geração a carvão em instalações maiores em escala de megawatts.

Se tudo correr, de acordo com o jornal britânico The Guardian, a empresa pretende expandir o seu projeto ao longo da enorme extensão da costa sul da Austrália.

O teste-piloto vai fornecer dados vitais para a empresa aprimorar a sua tecnologia para uso futuro. “Esta é apenas uma demonstração da tecnologia neste estágio”, disse o cofundador da Wave Swell Energy. “O objetivo do projeto é fazer uma boa estimativa e gerar dados de quanto produz em ondas de diferentes tamanhos”.

Como a costa sul da Austrália é caracterizada por grandes ondas alimentadas por ventos fortes, é um local ideal para a empresa testar a sua tecnologia.

Segundo o Interesting Engineering, estudos da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO) estimam que a energia das ondas pode representar até 11% da energia da Austrália até 2050, o que seria suficiente para abastecer a cidade de Melbourne.

Segundo ARENA, uma das apoiantes da Wave Swell Energy, o UniWave200 será testado durante pelo menos 12 meses antes de ser reflutuado para remoção: um processo que foi testado e comprovadamente deixa o fundo do mar ileso.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Polícias voltam aos protestos por causa do subsídio de risco em dia de nova reunião com o Governo

Elementos da PSP e da GNR voltam esta quarta-feira aos protestos por causa do subsídio de risco, uma concentração que vai decorrer enquanto os sindicatos e associações socioprofissionais estão reunidos no Ministério da Administração Interna …

Vieira continua em domiciliária. MP vai pedir reforço de garantias de caução

O Ministério Público (MP) vai pedir reforço de garantias de caução por entender que o uso das ações da SAD do Benfica não é a forma apropriada. O Correio da Manhã avança, esta manhã, que o …

Investigadores suecos pagam 23 dólares a quem se vacinar contra a covid-19

Recompensa surge no âmbito de uma pesquisa que pretende avaliar o nível de eficácia de diferentes incentivos à vacinação contra a Covid-19. O estudo conta com a participação de 8.200 voluntários com menos de 60 …

Costa diz que Estado se curva "perante a memória" de Otelo. Mas BE condena ausência de luto nacional

O primeiro ministro, António Costa, e o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decidiram não declarar luto nacional pela morte de Otelo Saraiva de Carvalho, Capitão de Abril. A líder do BE e o …

Catarina Martins volta a bater o pé e Jerónimo sublinha: "Ainda não há Orçamento"

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu, esta terça-feira, o Bloco de Esquerda, o PCP e o CDS, em mais uma ronda de reuniões com os partidos com assento parlamentar. Se o objetivo do Presidente da República era …

Simone Biles, Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Simone Biles. O ouro olímpico não é sinónimo de paz, muito menos interior

Na sequência do escândalo Nassar, a opinião pública dos EUA concordou que não valia tudo no caminho até ao ouro olímpico — principalmente quando está em causa a dignidade humana. Com a sua principal estrela …

"Sinto que desci ao inferno". Polícias recordam ataque ao Capitólio

"É assim que vou morrer", "sinto que desci ao inferno" e "corri o risco de ser morto" são alguns dos relatos de polícias que presenciaram a invasão ao Capitólio. Começaram as audiências na comissão da Câmara …

Pandemia aumentou o preço dos carros usados. Venda de veículos novos caiu a pique

A procura por usados aumentou com a pandemia. Com menos carros novos a saírem dos concessionários, também por causa da crise dos chips, a oferta de usados é escassa, levando os preços a subirem. Um choque …

Jogos Olímpicos: três polémicas de arbitragem em 24 horas

Depois da pontuação controversa no surf, uma decisão que quase ninguém entendeu, no basquetebol, e uma revisão discutível no judo. A arbitragem não é, ou não é suposto ser, o foco de qualquer edição dos Jogos …

Rui Vitória quer levar Manafá para o Spartak Moscovo

O Spartak Moscovo, treinado por Rui Vitória, desistiu da contratação de Gabriel e apresentou agora uma proposta por Wilson Manafá. Desde que chegou a Moscovo para treinar o Spartak, Rui Vitória tem sondado alguns jogadores que …