“Genocídio viral” na Nicarágua. ONG pede intervenção da OMS

Elias Benarroch / EPA

Uma Organização Não Governamental (ONG) nicaraguense denunciou, na segunda-feira, que o Governo da Nicarágua está a cometer um “genocídio viral”, devido à ausência de medidas para travar a pandemia da covid-19, e pediu a intervenção da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O secretário executivo da Associação Nicarágua para os Direitos Humanos (ANPDH), Álvaro Leiva, que vive em exílio na Costa Rica, disse à agência Efe, citada pela agência Lusa, que o Governo do presidente Daniel Ortega e da parceira Rosario Murillo “está a agir de forma irresponsável e negligente” ao não tomar medidas preventivas face à pandemia.

“Na Nicarágua, o que aconteceu hoje é um genocídio viral. Nós enquadramo-lo nas fraudes e más intenções do regime Ortega Murillo, onde todos os atos apontam para o desenvolvimento de um contágio massivo da população indefesa”, disse Leiva.

O ativista revelou que a ANPDH já apresentou uma queixa à Comissão Interamericana de Direitos Humanos e também solicitou a intervenção da OMS ou da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

“Queremos convocar publicamente a OMS e a OPAS para que estas organizações deem uma explicação satisfatória pela indiferença e silêncio perante a situação alarmante de falta de proteção do povo nicaraguense”, disse Leiva.

O defensor dos direitos humanos garantiu que estas organizações devem pressionar o governo de Ortega para fornecer os “dados reais sobre a crise”.

O Observatório do Cidadão, que localiza independentemente os casos da covid-19 não reconhecidos pelas autoridades da Nicarágua, regista 233 mortes e 1.270 casos suspeitos. O Governo da Nicarágua reconhece apenas 25 contágios e oito mortes, desde que a pandemia entrou oficialmente no país em meados de março.

O executivo foi criticado por vários setores por promover inúmeros eventos e aglomerações massivas contra as recomendações atuais da OMS e por não estabelecer restrições ou suspender aulas no meio da pandemia.

Leiva garantiu que, atualmente, “o nível de contágio do povo da Nicarágua é o mais elevado” e que é impossível realizar um controlo preciso dos doentes e mortos. “Lançamos um S.O.S. para a comunidade internacional e organizações internacionais porem os olhos na Nicarágua perante a inoperância do regime”, acrescentou.

Leiva afirmou que o Governo de Ortega está a exercer uma “conduta criminosa de um regime ditatorial que tem consequências muito graves para os outros países da América Central, especialmente a Costa Rica”.

Na semana passada, o Congresso da Costa Rica enviou uma carta à OPS para avaliar a situação da pandemia na Nicarágua, um texto que o Parlamento nicaraguense, dominada pelo sandinismo apoiante de Ortega, rejeitou com uma série de insultos.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE