Futuro dos humanos pode pertencer a máquinas com “mentes digitais”

O diretor do Instituto Superior Técnico, sediado em Lisboa, diz que o cérebro humano e a inteligência artificial têm vindo a entrelaçar-se de uma maneira que pode conduzir a cenários imprevisíveis para a espécie, desde logo pela criação de “pessoas digitais”, que se confundem com os seres humanos.

A hipótese de um futuro em que as máquinas inteligentes poderão achar melhor dispensar a humanidade a bem do planeta é admitida como tema de reflexão por Arlindo Oliveira no livro “The Digital Mind” que será apresentado na quarta-feira.

Desde logo, é impossível prever quando se poderá chegar a uma máquina que seja capaz de assegurar a sua própria evolução: “não é para amanhã nem daqui a cinco anos, não sei dizer se é daqui a 500 anos ou 50”, reconheceu Arlindo Oliveira.

Mesmo sem saber quando acontecerá, é possível dizer que haverá primeiro um período de coexistência entre humanos e máquinas artificialmente inteligentes.

“Se acontecer em 50 ou em 100 anos, vamos habituar-nos a essa ideia, como nos habituámos a conviver com os animais domesticados”, de uma forma que poderá não ser pacífica, atendendo a cenários sociais que já se verificam hoje, como a xenofobia.

Como estas máquinas teriam “em princípio, um comportamento interior muito semelhante ou igual aos humanos”, ser-lhe-iam “conferidos direitos”, uma teoria jurídica que já hoje se discute.

Uma “pessoa digital”, ou uma inteligência dentro de uma máquina, poderia ser o último estádio de uma evolução cujo embrião já hoje se manifesta nos algoritmos que pesquisam os dados dos utilizadores de redes sociais para compilar tendências, gostos, opiniões e ambições.

“Já são evidência muito clara que o comportamento de muitas pessoas é altamente previsível”, apontou Arlindo Oliveira, o que, em última análise, pode levar à destruição da ideia de que cada pessoa é importante, tal como as suas escolhas.

Outro risco da evolução da inteligência artificial é que um sistema capaz de se tornar muito mais inteligente que um humano possa ser uma ameaça para a espécie.

Por exemplo, caso se perguntasse a um computador tão inteligente que fosse capaz de acabar com o aquecimento global, resposta poderia ser “exterminar as pessoas“, indo à raiz da questão.

“Há muitas pessoas que acham que os riscos de sistemas inteligentes, que rapidamente se tornam muito mais inteligentes que os seres humanos, existe. Sistemas que estariam para o ser humano como nós para os cães ou macacos, em que somos superiores, controlamos o destino deles, sobrevivem só se nós quisermos”, afirmou.

Arlindo Oliveira especula ainda que a criação de máquinas inteligentes capazes de produzir versões aperfeiçoadas de si próprias criaria uma “singularidade” em que a intervenção humana deixaria de ser necessária para a tecnologia evoluir.

“Como isto, os humanos deixariam de ser a inteligência dominante na Terra, depois da singularidade tecnológica, a evolução da tecnologia e da sociedade tornar-se-ia completamente imprevisível”, escreve o diretor do Instituto Superior Técnico.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Vão c*gar todos com esta treta de sermos máquinas e de inteligência artificial. Qualquer dia já nem há humanos por causa desta gente que brinca com coisas sérias.

RESPONDER

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …

Cheias atingem campos no Bangladesh. Pelo menos seis refugiados Rohingya mortos

Pelo menos seis refugiados Rohingya morreram após as cheias inundarem os campos de refugiados em Bangladesh nos últimos dias, destruindo os abrigos de bambu e plástico e deixando pelo menos 5.000 desabrigados, informou o Alto-comissariado …

Defesa de Salgado alega diagnóstico preliminar de Alzheimer do ex-banqueiro

A defesa do antigo presidente do BES, que está a ser julgado por três crimes de abuso de confiança no âmbito da Operação Marquês, pediu ao tribunal uma perícia médica devido ao seu diagnóstico preliminar …

Três norte-americanos emitem carbono suficiente para matar uma pessoa, revela estudo

O estilo de vida de três norte-americanos leva a uma emissão de carbono suficiente para matar uma pessoa, revelou um novo artigo, concluindo ainda que as emissões de uma única usina a carvão podem causar …

Terceira dose da vacina da Pfizer aumenta "fortemente" a proteção contra a variante Delta

Farmacêutica norte-americana pretende submeter um novo pedido de autorização de emergência para a administração da terceira dose ao regulador, depois de já ter visto um pedido anterior ser recusado por falta de evidências científicas. Depois de …