Ex-funcionária acusa Donald Trump de assédio sexual

Jim Lo Scalzo / EPA

Uma ex-funcionária da campanha presidencial de Donald Trump está a processar o Presidente dos Estados Unidos por assédio sexual. Alva Johnson, de 43 anos, alega ter sido beijada sem consentimento.

A ex-diretora de divulgação e coligações da campanha de Trump interpôs um processo federal esta segunda-feira no estado da Florida, onde terá ocorrido o episódio em questão.

A 24 de agosto de 2016 em Tampa, precisamente na Florida, à entrada para um comício, durante a campanha eleitoral para as presidenciais dos Estados Unidos, antes de fazer o seu discurso, Trump esteve com alguns membros da sua campanha. Segundo a acusação, aproveitou um momento em que se encontrava com Alva Johnson “para lhe segurar na mão e não mais a soltar”. De seguida, terá beijado a funcionária “no canto da boca”.

“O beijo forçado e indesejado foi profundamente ofensivo”, garantem os advogados, acrescentando que este ato provocou “sofrimento emocional, trauma psicológico, humilhação, constrangimento, perda de dignidade, invasão de privacidade e outros danos” à sua cliente.

Alva Johnson avança agora, dois anos e meio depois, com um processo contra o Chefe de Estado norte-americano. “Esta atitude digna de um predador não pode ser minimizada, sobretudo quando vem do homem mais poderoso do mundo”, justifica.

Senti-me imediatamente violada porque não queria que tivesse acontecido e porque não estava à espera de que acontecesse”, assegura Alva Johnson, que, citada pelo Washington Post, adianta que nesse mesmo dia contou o que tinha acontecido a três pessoas: o namorado, a mãe e o padrasto. Todos confirmam esta versão.

A queixa não chegou à justiça porque estaria sujeita a um pacto de confidencialidade que tivera de assinar quando entrou para o staff da campanha de Donald Trump.

Além destas testemunhas, Johnson garante que no momento em que alegadamente Trump a beijou havia outras duas pessoas presentes: um membro da equipa de campanha e Pam Bondi, hoje em dia procuradora-geral da Florida. Confrontados pelo jornal sobre se tinham assistido ao episódio, ambos negaram.

Através da porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, a administração de Donald Trump considerou a acusação de Alva Johnson “completamente absurda”. “Isso nunca aconteceu e é diretamente desmentido por vários relatos de testemunhas oculares altamente confiáveis”.

Além desta acusação, Johnson diz ainda ter sido vítima de discriminação racial e de género por ser uma mulher negra. Segundo a ex-funcionária da campanha republicana, recebia um salário inferior ao dos seus pares brancos e/ou homens.

Quando o alegado incidente ocorreu, Alva Johnson tinha a função de gerir a frota automóvel da campanha em todas as ações que tivessem lugar no estado da Florida. Muitos dos veículos serviam como autênticos escritórios para os membros da campanha. Terá sido durante uma visita a estes veículos que o episódio terá aontecido.

“Começou por dizer que sabia que eu estava na estrada há muito tempo e que estava a fazer um excelente trabalho. Disse que não se esqueceria de mim e garantiu-me que ia olhar por mim ”, afirma Alva Johnson no processo que entrou esta segunda-feira nos tribunais da Florida.

Um dos argumentos que a defesa de Donald Trump pode vir a utilizar é o facto de Alva Johnson ter elogiado o Presidente dos Estados Unidos já depois da sua eleição. Em maio de 2017, numa entrevista a uma rádio, a antiga funcionária traçou o perfil do homem mais poderoso do mundo. “Ele é mais incrível em pessoa do que aquilo que vocês podem imaginar e do que aquilo que conseguem ver nas televisões”, afirmou.

Durante essa entrevista revelou que tinha submetido a sua candidatura para vir trabalhar como número dois para a Embaixada dos Estados Unidos em Lisboa. “A qualquer momento poderei estar a voar para Portugal para trabalhar na embaixada”, disse.

Um dos advogados de Alva Johnson nega que o processo seja uma vingança. O cargo acabou por não lhe ser atribuído. Foi só depois de muito tempo que decidiu avançar com o processo contra Trump, acusando-o de “assédio sexual, discriminação de género e discriminação racial”.

Esta não é a primeira vez que uma mulher acusa o Presidente dos Estados Unidos de assédio ou de abuso de autoridade. Ao todo, já se contam mais de dez queixas.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Até onde chegou a “moralidade” dos seres humanoides… tristeza…. !!! Ou querem dinheiro ou fama, ou pertence à classe esquerdopata comandada por inimigos da população mundial, e que a querem eliminar em 80%. São bem conhecidos… Se não sabe e quer fazer, vá ao Google e pergunte NWO….ou pesquise!!! O que é preciso neste mundo da nova desordem mundial é colocar uns contra os outros, de todas as maneiras possíveis…

RESPONDER

Baixas na Segurança Social. Dois pesos pesados saem em plena crise

A vice-presidente e uma vogal do conselho diretivo do Instituto da Segurança Social abandonaram funções no final de agosto. A razão da saída não foi avançada. No final de agosto, o Instituto da Segurança Social (ISS) …

"Esforço coletivo para salvar o Natal". Nóbeis da Economia querem novo confinamento em dezembro

Esther Duflo e Abhijit Banerjee, prémios Nobel da Economia de 2019, propõem quarentena em França em dezembro, para que seja possível "festejar o Natal". O casal acredita que só assim será possível festejar a quadra …

Venda de vinhos alentejanos para a Suécia disparou (e foi graças à pandemia)

Nunca se tinham vendido tantos vinhos alentejanos para a Suécia como durante o período de confinamento em Portugal. A estratégia menos restritiva dos suecos contra a covid-19 ajuda a explicar esse cenário, verificando-se a mesma …

Spray nasal investigado na Austrália pode travar covid-19 (e tem uma taxa de eficácia de 96%)

É simples: com apenas uma ou duas aplicações por semana, o novo spray pode evitar que as pessoas infetadas com o novo coronavírus contagiem as outras à sua volta. Muito se tem falado sobre uma potencial …

Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Trump, hospitalizado após tentativa de suicídio

O antigo diretor digital de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, foi hospitalizado depois de a mulher ter alertado para tentativa de suicídio. Brad Parscale, ex-diretor digital de campanha do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Variante de SARS-CoV-2 oriunda de Itália marcou início da pandemia. Circulou durante dias sem controlo

O arranque da epidemia em Portugal foi marcado pela “disseminação massiva” de uma variante do SARS-CoV-2 com uma mutação específica, que começou a circular nas regiões Norte e Centro mais de uma semana antes do …

Existem 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas

Existem atualmente em Portugal 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas, revelou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral da Direção-Geral da Saúde, Graça Freitas. Sem identificar especificamente os lares …

Catalunha. Supremo Tribunal espanhol confirma inabilitação de Quim Torra

O Supremo Tribunal espanhol confirmou esta segunda-feira a inabilitação por um ano e meio do presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, por desobediência à junta eleitoral central. O acórdão, aprovado por unanimidade, obriga Torra …

Já há mais 6.829 mortes do que em 2019, mas covid-19 só fez 2 mil. Óbitos em casa subiram 18%

Desde o início da pandemia, há registo de um aumento de 18% de óbitos que ocorrem em casa e as mortes em investigação subiram 24%. Nos hospitais há uma subida de 5,6% na taxa de …

PCP diz que pandemia é usada como pretexto para intensificar exploração dos trabalhadores

O secretário-geral do PCP consideraque a pandemia de covid-19 está a ser utilizada como pretexto para se tentar fazer regredir décadas em conquistas de direitos, através do que apelidou de "teorias do 'novo normal'". Jerónimo de …