Francisco George: “A greve não é um direito para médicos e enfermeiros”

Arno Mikkor / Wikimedia

Presidente da Cruz Vermelha, Francisco George

O presidente da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), Francisco George, disse esta quinta-feira que é contra as greves de médicos e enfermeiros, considerando que este “não é um direito” para os profissionais de saúde em causa. 

Em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, o antigo diretor geral da Saúde disse não concordar com este tipo de paralisações, defendendo que as greves nesta área prejudicam os doentes, e não as entidades patronais.

“Não concordo. Não concordo com paralisações nem de médicos nem de enfermeiros”, começou por dizer. “Não fazem sentido, Não podem existir. Sou a favor de movimentos grevistas, quando são justos, e sobretudo quando são contra patrões”.

“Acontece que o doente não é o patrão do grevista. E esta é que é a grande diferença. O grevista lesa o patrão, mas quando o grevista é médico ou enfermeiro não está a lesar o patrão, está a lesar o doente. Nenhum doente, a meu ver, devia ser molestado, devia ser desassossegado quando vai a uma consulta e vê que há greve. E depois são mais seis meses. Isto é inaceitável, intolerável no plano de ética que eu observo”, sustentou.

Para Francisco George, “a greve não é um direito para médicos e enfermeiros”, porque “quem é prejudicado não é o patronato, é o doente”, vincou, confessando-se mesmo “chocado” com as paralisações dos últimos meses.

Na mesma entrevista, e depois de recusar apontar os ministros com que trabalhou que mais se destacaram, o presidente da CVP deixou elogios à atual ministra da Saúde, Marta Temido, adiantando ser “muito amigo” da governante.

“A resposta é muito positiva à pasta que tem, com as dificuldades que tem. Há poucas mulheres jovens como ela, com capacidade intelectual, de conhecimento, para gerir uma pasta como a da Saúde. Durante três anos em que trabalhámos juntos no Ministério da Saúde, eu como diretor-geral e ela presidente da Administração que geria nove mil milhões de euros por ano, que geriu de forma absolutamente vertical e notável”, disse.

“Defendo mais do que o fim” da ADSE

Questionado sobre o eventual fim do sistema de saúde da função pública, Francisco George afirma que defende “mais do que o fim” da ADSE.

“A ADSE devia ter sido dissolvida em 1979, quando os outros subsistemas foram. A ADSE é criada por Salazar em 1963, numa altura em que os funcionários públicos ganhavam muito pouco, mas Salazar não queria que fossem mendigos. E então arranjou ali uma forma de terem acesso a médicos privados. Surge assim o seguro para os funcionários públicos poderem ir a médicos privados e não terem que ir ao hospital público”, afirmou.

Contudo, explica, o panorama e o acesso à saúde em Portugal mudaram, havendo agora mais meios e hospitais ao serviço da função pública.

“Aliás, na altura nem havia Serviço Nacional de Saúde nem sequer hospitais… Este sistema existiu numa altura em que os funcionários públicos não tinham outros meios e os hospitais não existiam. Hoje temos um serviço que cobre o litoral, o interior, o norte, o sul, as regiões autónomas e os funcionários públicos não são o mesmo”, defendeu.

“Repare: 600 milhões de euros para pagar a serviços privados prestados pelos médicos que vêm do público e fazem umas horas no privado. Com a agravante de os hospitais privados terem ido buscar os melhores…”, observou ainda o presidente da CVP.

Depois de 44 anos na Administração Pública, 12 dos quais como diretor-geral da Saúde, Francisco George terminou a sua carreira em outubro de 2017, quando completou 70 anos de idade. Nesse mesmo mês, o Conselho Supremo da CVP elegeu-o por unanimidade como novo presidente nacional da instituição.

SA, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. A greve é um direito de todos os trabalhadores. Na perspectiva deste homem nenhum funcionário público pode fazer greve pois não há patrão mas sim serviço público. Deve ser a idade, por isso o limite são 70 anos na função pública.

  2. Francisco George tem toda a razão !
    Não só os médicos, mas todas as greves que retirem Liberdade a terceiros.
    Se o utente comprou o passe, e depois não tem transporte, está a ser espoliado nos seus direitos.
    Transportar os utentes sem cobrar os bilhetes, seria uma greve justa.
    Os médicos e os juízes terão direito a greve quando todos os outros cidadãos também tiverem, incluindo DESEMPREGADOS e PENSIONISTAS.
    A Regra é sempre válida – A LIBERDADE DE UNS ACABA ONDE COMEÇA A LIBERDADE DOS OUTROS !!

  3. Os doentes são a razão de ser de médicos e enfermeiros, por isso não é aceitável que estes prejudiquem aqueles sempre que reivindicam melhorias remuneratórias. Certamente haverá formas de o fazer, que não a greve, sem usar e dificultar ainda mais a já complexa e vulnerável situação dos doentes, principalmente dos mais desfavorecidos

  4. Tenho certeza que vc foi um dos que foi contra os PMs do ES quando estiveram em greve e aquele estado que ficou em calamidade pública.
    É o mesmo caso… Na realidade alguns órgãos realmente não podem fazer greve pois o maior prejudicado é a sociedade e não o ESTADO propriamente dito!

RESPONDER

CP recebeu injeções de 1800 milhões de euros do Estado nos últimos três anos

Nos últimos três anos, o Estado fez 17 operações de reforço de capital na CP, na ordem dos 1,8 mil milhões de euros. Estes serviram principalmente para pagar dívidas da empresa a privados e ao …

Imposto Mortágua foi aplicado a 75 mil contribuintes

O novo escalão do Adicional ao IMI, que prevê a aplicação de uma taxa de 1,5% sobre o valor patrimonial dos imóveis que ultrapasse os dois milhões, chegou a 331 contribuintes. Ao todo, o imposto …

Preço da luz vai descer 18 cêntimos no mercado regulado

Os preços da eletricidade no mercado regulado vão voltar a descer em 2020, segundo a proposta avançada esta terça-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta terça-feira, a ERSE propôs uma atualização em baixa de …

Portugal teve perdas fiscais de 900 milhões de euros por menor tributação do gasóleo

A tributação ao gasóleo é mais baixa do que os impostos à gasolina. A diferença entre os dois combustíveis leva a perdas de 900 milhões de euros ao Estado. Quem abastece um carro a gasóleo na …

Dulce Neto é a primeira mulher a presidir a um Supremo Tribunal português

A juíza conselheira toma posse, esta quarta-feira, como presidente do Supremo Tribunal Administrativo (STA), tornando-se na primeira mulher a ocupar o lugar cimeiro de um supremo tribunal em Portugal. Dulce Neto, de 58 anos, foi eleita …

Défice zero e mais crescimento. Previsões de Centeno para o OE2020 são de "elevado risco"

O Governo faz uma revisão das metas para 2020 no esboço do Orçamento de Estado para o próximo ano que enviou à Comissão Europeia, prevendo um aumento do crescimento económico e um saldo orçamental equilibrado, …

Conselho nacional do PSD pode ser atirado para novembro. Apoios a Rio e Montenegro equilibrados

Rui Rio mantém o silêncio sobre uma recandidatura a líder do PSD, o que está a ser visto como um condicionamento do partido, tendo também nas suas mãos o calendário interno. O conselho nacional para …

Varandas quer vender já em janeiro (e há três nomes em cima da mesa)

O Sporting deverá vender um jogador já no próximo mercado de transferências em janeiro. O dinheiro será destinado a renovações e a trazer um novo reforço para o ataque. Frederico Varandas continua a sua saga para …

Médicos, enfermeiros e professores lamentam recondução de ministros

Médicos, enfermeiros e professores lamentaram a recondução de ministros na pasta da Saúde, Educação e das Finanças, reagindo assim à constituição do novo Governo entregue em Belém pelo primeiro-ministro indigitado, António Costa. O secretário-geral do …

"Batalha campal" na Catalunha: 40 mil pessoas nas ruas, 50 detidos e mais de 100 feridos

Pelo menos 51 pessoas foram detidas e 70 polícias ficaram feridos desde o início dos atos de violência que começaram na segunda-feira na região espanhola da Catalunha após a sentença que condenou políticos separatistas catalães …