França prepara-se para enfrentar a pior recessão desde o pós-guerra

worldbank / Flickr

Bruno Le Maire, ministro das Finanças francês

A pandemia da covid-19 vai provocar, este ano, em França, a maior recessão económica desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945, declarou o ministro da Economia francês, Bruno Le Maire.

O ministro francês Bruno Le Maire falava no Senado, esta segunda-feira, quando estimou que a pandemia de covid-19 ameaça acabar com a zona euro se não se limitarem as divergências económicas entre os países.

Le Maire assegurou que a contração da economia francesa será “muito acima” dos -2,2% registados em 2009, o pior número desde o pós-guerra.

Neste contexto, Le Maire defendeu as medidas “inovadoras” tomadas pelo Executivo, que se focam essencialmente na proteção dos trabalhadores atingidos pelos encerramentos associados à pandemia.

No entanto, advertiu para a importância de uma atuação conjunta no seio da União Europeia (UE) para evitar o aumento das divergências económicas entre os países, que tornariam insuportável a sobrevivência da moeda comum. “É uma crise global. Uma das minhas inquietações é a capacidade da zona euro para resistir.”

O governante indicou que o perigo é que as economias mais sólidas, como a alemã, “ponham em cima da mesa números astronómicos para proteger as suas economias” e “quando acabar a crise se recuperem mais rapidamente” que outras, como a italiana, que com menos margem, o fariam mais devagar.

“O risco principal é aumentar a divergência económica no seio da UE. Uma zona monetária comum não poderá suportar crescentes diferenças económicas entre os seus membros”, afirmou Le Maire, sublinhando que “a zona euro explodirá se os países divergirem muito em matéria económica”.

O ministro francês reiterou o seu apoio às medidas já adotadas a nível europeu, como o programa de apoio do Banco Central Europeu, a flexibilização do pacto de estabilidade ou a suspensão de vetos às ajudas estatais a empresas, mas indicou que “não é suficiente”.

Por isso, Le Maire voltou a pedir a adoção do fundo de solidariedade que propôs na semana passada para financiar um grande plano de investimento estatal para relançar a economia de todos os países. Além disso, indicou que seria a Comissão Europeia que pediria o empréstimo para financiar o programa, que lhe permitiria fazer a uma taxa de juro inferior do que se fosse feito por cada país individualmente.

O dinheiro serviria para reforçar setores estratégicos, como a saúde ou a investigação e apoiar os mais atingidos, como o automobilístico, o transporte aéreo ou o turístico.

 

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …