“Descoberta alucinante”. Pode este fragmento pertencer ao asteróide que matou os dinossauros?

3

BBC

Entre um fragmento que pode ser do asteróide que matou os dinossauros e uma perna de dinossauro perfeitamente preservada, há várias descobertas promissoras no sítio de Hell Creek Formation, nos Estados Unidos.

Há 66 milhões de anos, um asteróide chocou com a Terra e dizimou os dinossauros. Até aqui, nada de novo — a novidade é que é possível que tenha sido encontrado um fragmento desta rocha devastadora.

Esta é apenas uma das várias incríveis descobertas feitas no sítio de Hell Creek Formation, na Dakota do Norte, que tem muitos registos do momento catastrófico, como fósseis de peixes que sugaram os detritos causados pelo impacto, uma tartaruga empaleada com um pau e uma pata que pertencia a um dinossauro.

A busca por estas relíquias arqueológicas é contada ao detalhe no documentário “Dinosaur Apocalypse”, que inclui o biólogo David Attenborough e o palentólogo Robert DePalma, relata a CNN.

A pesquisa em Tanis, o nome dado ao sítio arqueológico, começou em 2012. O local está a 3,2 mil quilómetros de distância da cratera de Chicxulub, onde se deu o impacto, no México.

DePalma acredita que os fósseis de peixes ficaram bem-preservados porque os animais foram enterrados vivos pelos sedimentos que foram arrastados com a enorme quantidade de água que foi libertada após o impacto do asteróide.

O paleontólogo acredita ainda que os peixes morreram na hora seguinte ao choque devido às esférulas de impacto — pequenas quantidades de rocha derretida que se cristalizaram e criaram um material semelhante ao vidro — que foram encontradas nas guelras.

No sítio, foi também encontrada uma perna de dinossauro excepcionalmente preservada e com a pele intacta, o que sugere que o corpo não teve tempo de se decompor antes de ser enterrado no meio dos sedimentos, tendo o animal morrido com o impacto ou imediatamente antes deste.

Muitas das descobertas reveladas no documentário ainda não foram publicadas em estudos revistos por pares, mas já há um consenso generalizado na comunidade de que o sítio tem provas do devastador último dia do reinado dos dinossauros.

A equipa também encontrou esférulas que aterraram na resina da superfície dos ramos das árvores e que ficaram “congeladas no tempo” em âmbar e protegidas da água, o que evitou que se transformassem em argila. “É como ter um frasco de amostra, voltar atrás no tempo, recolher uma amostra do sítio do impacto e guardá-la para o estudo científico”, revela DePalma.

Foram encontrados fragmentos de rochas que não derreteram dentro das esférulas de vidro e a maioria destes era rica em cálcio. Os cientistas esperam conseguir confirmar o material de que o asteróide era feito — e este objectivo também despertou o interesse da NASA.

“Este exemplo daquilo que pode ser um pequeno fragmento, talvez microgramas, do asteróide — o facto de haver um registo preservado, seria alucinante“, revela Jim Harvin, cientista chefe do Centro de Voo Espacial Goddard.

  Adriana Peixoto, ZAP //

3 Comments

  1. Quem ler o artigo fica a pensar que os dinossauros foram dizimados directamente pelo asteróide quando ele lhes acertou em cima. Parece que viviam todos no mesmo sítio, não?

    • foi apenas o principal factor dessa extinção e o que se pretende com estas investigações e linhas de pensamento é provar isso…

      • A influência da queda do asteróide na extinção dos dinossauros prende-se com o levantamento para a atmosfera de uma quantidade enormíssima de poeiras originadas pela explosão e que se manteve em suspensão, ocultando a luz solar durante algum tempo, o suficiente para aniquilar essas criaturas devido a terem sangue frio. Penso que é esta a teoria aceite pela comunidade científica.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE