FMI admite: Troika não protegeu os pobres (e a culpa foi do Governo)

European Council / Flickr

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho com a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde

O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela ‘troika’ em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices e culpando as medidas políticas tomadas pelo Governo.

O gabinete independente de avaliação (IEO, na sigla em inglês) do Fundo Monetário Internacional (FMI), um organismo interno da instituição liderada por Christine Lagarde, publicou, nesta terça-feira, um conjunto de relatórios sobre o papel da entidade na proteção social em 21 países, entre 2006 e 2015.

O IEO divide depois a avaliação que faz por diferentes grupos. Portugal, por exemplo, é analisado no grupo das economias avançadas, juntamente com mais três países que estiveram sob assistência financeira, Irlanda, Chipre e Islândia.

“Em Chipre e em Portugal, onde os cortes nas pensões e em outros benefícios sociais tiveram de ser feitos, as equipas do FMI tiveram de lidar com a distribuição dos cortes. Enquanto a evidência demonstra que as equipas do FMI fizeram esforços para defender as pessoas com menores rendimentos, as decisões políticas finais nem sempre refletiram esses esforços”, refere o gabinete.

O organismo afirma que o “FMI sempre viu os benefícios sociais atribuídos em Portugal como demasiado generosos e um dos elementos fundamentais para o elevado défice orçamental português” e recorda que desde 2006, defendia cortes e subsídios mais direcionados a grupos alvo, bem como políticas ativas de emprego.

“A proteção social tornou-se um tema central em 2011, quando Portugal pediu financiamento de emergência ao FMI e aos parceiros europeus (a ‘troika’) em abril desse ano”, afirma o IEO, recordando que para o Fundo os benefícios sociais e a despesa com saúde eram “fatores-chave para explicar o défice orçamental insustentável do país“.

Nessa altura, a principal preocupação do Fundo era a consolidação orçamental, uma crítica que o organismo de avaliação faz não só no caso português, mas no geral dos 21 países analisados. “O papel do FMI na proteção social foi limitado e a sua abordagem estava centrada nas contas públicas”, conclui o IEO.

Dessa forma, as políticas de ajustamento durante o programa português foram desenhadas para resolver estas questões, afirma o organismo, acrescentando que, ao mesmo tempo, existia a preocupação de proteger os mais vulneráveis dos choques económicos.

Durante o programa de ajustamento foram incluídas várias medidas direcionadas para cortar os benefícios sociais, “ao mesmo tempo que se protegia as famílias com rendimentos mais baixos”, entende o organismo de avaliação do FMI.

O IEO afirma que mesmo depois de, em 2012, as autoridades terem avançado com medidas como a sobretaxa de IRS e a redução de alguns programas sociais e benefícios de pensões, “o FMI continuou a pedir benefícios mais baixos e mais direcionados”, uma posição que surge também “no primeiro relatório de monitorização pós-programa, que sublinhava, uma vez mais, a necessidade de reformas no mercado de trabalho, nas pensões e em outros benefícios sociais”.

Outra das conclusões do organismo independente é que “o FMI desempenhou, maioritariamente, um papel secundário, em vez de ser o principal contribuidor para os esforços de minimizar os custos sociais do ajustamento”.

Por fim, o organismo deixa um conjunto de recomendações ao FMI, entre as quais a definição “mais realista” dos programas de ajustamento, tendo em consideração os “impactos adversos” das medidas nos mais vulneráveis.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

22 COMENTÁRIOS

  1. Na altura o FMI até veio a publico afirmar que as medidas que o governo estava a aplicar não era suficientes!! TUDOS vocês são um bando de INCOMPETENTES!!!…

    • Sim. Mas o que é certo é que a estratégia seguida está agora a dar frutos… que o atual governo está a colher egoisticamente.

      • O FMI è mesmo assim, enquanto houve algumas duvidas em relação à sua actuação, o programa deles, (FMI não do governo) era bom!
        Hoje chegaram à conclusão que o programa foi um sucesso, retirou Portugal da banca rota e o crescimento é uma realidade, afirmam que foi mau.
        Um programa bom para o FMI seria um Programa idêntico ao programa aplicado na Argentina, que nunca mais conseguiu sair da miséria e encheu os cofres do FMI.
        Se não existissem países à beira da falência O FMI não existia.
        Da mesma maneira que têm que haver fogos para encher os bolsos a algumas pessoas, têm que haver crises em alguns Paises para poder existir FMI.

      • “a estratégia seguida está agora a dar frutos…”? Você deve estar doente ou droga-se! “que o atual governo está a colher egoisticamente”? Ainda bem que não!
        Nada a fazer…

    • Claro! Faz todo o sentido! Primeiro dizem que a Troika foi chamada pelo Sócrates e que o mesmo já estava a aplicar a tal “austeridade”. Depois vem o PSD e o irrevegável pegar no memorando de entendimento (que assinaram juntamente com o PS repartindo as responsabilidades) e piorá-lo substancialmente. Depois vem o PS tentar (com pouco sucesso) revertar as políticas absolutamente lesivas para Portugal. E ainda diz-me que isto é “propaganda da Geringonca”? Eu até me ria, mas isto é sério demais por isso choro. Não só pelas pessoas que sofreram os cortes cegos da traquitana (leia-se PSD/CDS) mas também pelas pessoas que optam por ver um mundo de uma só cor…

      • Qual era o objectivo da Troika e do FMI, sabe? Se bem me lembro era reduzir o défice excessivo das contas públicas… Sabe o que está a acontecer desde que a geringonça tomou posse? Se não sabe, consulte os gráficos disponíveis para toda a gente ver: https://tradingeconomics.com/portugal/government-debt
        Pois é, o défice do governo português voltou a crescer a passos largos, “cheira-me” que daqui a uns tempos temos nova banca rota à porta, infelizmente!

        • Cheira-me que você anda a fumar algo. Claramente afetou as suas capacidades cognitivas. Faça uma desintoxicação e venha cá outra vez quando se sentir melhor.
          As melhoras!

  2. E não foi só nisso que o governo de então teve culpa por não fazer caso das “recomendações” da troika.
    O programa de ajustamento previa a falência de inumeras micro-empresas e o governo comprometeu-se a criar mecanismos de recuperação e ajustar a lei fiscal a esses mecanismos (PER, SIREVE, etc.) no entanto fez precisamente o contrário, veja-se o n.º 3 ao artigo 30.º da LGT, onde se estipula a “prevalência” do regime da indisponibilidade do crédito tributário consagrado naquele diploma sobre qualquer especial (CIRE).
    E assim se “arrumou” mais uma série de familias da classe média/baixa……
    A escumalha que nos devia governar é a unica responsável pelas desgraças sociais que acontecem neste país. Não quero minimizar ou desrespeitar as vitimas do incêndio de Pedrogão (64 ou 65 ou 73) mas o governo tem feito muito mais vitimas. O problema é que não são todas no mesmo dia ou no mesmo local e assim perdem “espectacularidade” para serem noticia…..

  3. Estes senhores do FMI impuseram e agora vêm pretender passarem-se por santinhos, aqui fica um aviso para futuros devedores, paguem quando e como muito bem entenderem e mandem estes senhores à fonte limpa!

  4. Claro que o FMI gosta do PS, partido que os trouxe a Portugal já 2 vezes , e não gosta do PSD que lhes acabou com o taxo e os retirou da cá.
    E ninguém tenha dúvidas que vai voltar a acontecer.
    O PSD anda a fazer este ciclo sempre igual desde que começou da democracia.
    O PS leva o Pais à beira da banca rota, depois passa a bola ao PSD para levantar o Pais, obrigando este a adoptar algumas medidas drásticas para conseguir dar a volta à situação.
    Regressa o PS quando o Pais já têm o problema resolvido e governa até voltar a levar o Pais novamente à falência.
    Desta vez poderia ter sido diferente e o governo PSD mesmo depois de obrigado a governar com a Troika, ( herança do PS), consegue ganhar as eleições, só não governando, derivado ao aparecimento de uma aliança nunca vista e em politica quase impossível, dos partidos de toda a esquerda ao PS.

    • Pois… E o planeta Terra não é plano, as galinhas têm dentes e os porcos voam (ainda bem que não há vacas voadoras!). Provavelmente deve achar que 2+2=-4. Pudera! Vê tudo ao contrário. Há uma música dos Xutos que fala nisso. Então nesse caso, vou-lhe fazer o jeito: Você é uma pessoa muuuuito inteligente e bem informada. É alguém que fala a verdade. A honestidade em pessoa! Adoro pessoas assim!

  5. Pois… E o planeta Terra não é plano, as galinhas têm dentes e os porcos voam (ainda bem que não há vacas voadoras!). Provavelmente deve achar que 2+2=-4. Pudera! Vê tudo ao contrário. Há uma música dos Xutos que fala nisso. Então nesse caso, vou-lhe fazer o jeito: Você é uma pessoa muuuuito inteligente e bem informada. É alguém que fala a verdade. A honestidade em pessoa! Adoro pessoas assim!

RESPONDER

Aposta no Parlamento. 10% dos deputados são candidatos às autárquicas

De acordo com as contas do semanário Expresso, 23 deputados da Assembleia da República, ou seja, 10% dos 230 que compõem o hemiciclo, são candidatos às eleições autárquicas do outono. Na quinta-feira, foi aprovado na generalidade …

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …