Há 6 furacões à solta no planeta, um deles com ventos de quase 300km/h

(h) NASA / EPA

Quase como do dia para a noite, 6 fenómenos ciclónicos aparecerem no hemisfério norte. Só no Atlântico existem três e no Pacífico há um Super Tufão com ventos de quase 300 quilómetros por hora.

No auge da temporada anual dos furacões, são já 6 os furacões e tempestades que atacam os trópicos. Apesar de o furacão Florence ser o centro das atenções no Atlântico, o super tufão Mangkhut é, neste momento, o ciclone mais intenso do mundo, com ventos que atingem os 274 quilómetros por hora.

Para além destes dois fenómenos, existem ainda outros quatros furacões que fazem os cientistas questionarem-se sobre o porquê deste aumento de atividade. Há evidências substanciais que marcam as alterações climáticas como sendo um dos culpados.

Ironicamente, é necessário ventos calmos para produzir um furacão e a existência de ventos fortes impede o crescimento e desenvolvimento destes furacões. Como a quantidade de cisalhamento – um tipo de tensão tangencial gerado por forças aplicadas em sentidos opostos – atingiu o seu mínimo sazonal, as tempestades cresceram exponencialmente.

Um dos fatores que também tem influência na criação destas tempestades, é a instabilidade do ar. Esta instabilidade funciona como catalisador dos furacões – é a gasolina numa fogueira. Na semana passada, estes valores atingiam valores abaixo da média até que tudo mudou e, sem razão aparente, os valores foram subindo.

O furacão Florence, que chegou a ser de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson, foi o primeiro furacão com uma categoria tão alta a ser observado tão a nordeste. Neste momento encontra-se em direção aos Estados Unidos.

Contudo, este furacão não é único a agitar o Atlântico. A oeste de Cabo Verde, o furacão Helena produz ventos de cerca de 144 quilómetros por hora. Marcado como um furacão de categoria 1 e apesar de as suas imagens de satélite serem assustadoras, parece provável que o furacão permaneça em oceano aberto e se extingue, propiciando apenas a queda de chuvas fortes na Europa.

E não, os ventos no Atlântico não ficam por aqui. Isaac, uma tempestade com ventos na ordem dos 96 quilómetros por hora, está nas Caraíbas e irá atacar as Antilhas Menores antes de passar no sul de Cuba e de Porto Rico.

Uma onda adicional de baixa pressão, a várias centenas de quilómetros a sudoeste dos Açores, também poderá desenvolver características tropicais ou subtropicais nos próximos dias, contudo, não parece ser uma ameaça.

Do outro lado, no Pacífico, o Super Tufão Mangkhut produz ventos de 274 quilómetros por hora e ondas gigantes a cerca de 322 quilómetros a oeste da costa Guam. É esperado que este super tufão atinja o norte das Filipinas com a força equivalente a um furacão de categoria 5.

Mas na zona asiática, o Super Tufão também não está sozinho. A tempestade tropical Barijat irá passar no sul de Hong Kong. A cidade onde habitam 7 milhões de pessoas também terá um encontro com o Mangkhut que, a essa altura, já terá uma classificação de categoria 1 de baixo nível.

O arquipélago do Havai, conhecido pelo bom tempo também terá a sua luta com as ameaças no Pacífico. Olivia, a tempestade tropical, está a atingir o Havai com chuvas intensas e inundações que atingem os 38 centímetros.

Há cerca de 2 semanas, com a ajuda do furacão Lane, o Havai estabeleceu um recorde na precipitação com 132,1 centímetros de chuva registados. Mais uma vez debaixo de fortes chuvas, é esperado que as alterações climáticas possam favorecer a criação de tempestades no paraíso tropical.

Combinando as seis tempestades que atingem os vários pontos do globo, verifica-se um aumento substancial na intensidade, periodicidade e quantidade de tempestades.

A Energia Ciclónica Acumulada, ECA, é a métrica utilizada para combinar a duração e a intensidade destes fenómenos e, em todo o hemisfério norte, a métrica avalia este ano como estando 159% acima do normal.

A grande contribuição para este resultado vem do Pacifico Leste, que marca 245% acima da média, seguido do Pacífico Oeste com 124% acima dos valores normais. Os oceanos Indico e Atlântico estão também acima da sua média mas apenas ligeiramente.

Contudo, o aparecimento destes fenómenos a meio de setembro não é uma surpresa. No cronograma da atividade histórica, esta época do ano não é estranha à ocorrência destes fenómenos naturais.

O Pacífico Oeste tem o pico registado entre julho a outubro e o Pacífico Leste entre agosto e setembro. Já o Atlântico tem a época mais curta e o pico acontece na primeira metade do mês de setembro.

Contudo, a intensidade das tempestades é bastante elevada em todas as bacias. O meteorologista Phil Klotzbach, investigador de furacões da Universidade do Colorado, criou um site que regista as atividades destes fenómenos. No site, a conclusão é que todas as bacias oceânicas apresentam atividades entre o normal e o acima de normal para o ano de 2018.

Investigadores por todo o mundo afirmam que as alterações climáticas não influenciarão o número de tempestades criadas mas que, a grande alteração nestes fenómenos será o aumento das suas intensidades, algo que já se tem registado.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …

Ryanair e Wizz Air multadas por restrições na bagagem de mão

A autoridade da concorrência italiana aplicou nesta quinta-feira uma multa de três milhões de euros à companhia aérea Ryanair e de um milhão de euros à Wizz Air, outra low cost, pelo suplemento aplicado à …