Há 6 furacões à solta no planeta, um deles com ventos de quase 300km/h

(h) NASA / EPA

Quase como do dia para a noite, 6 fenómenos ciclónicos aparecerem no hemisfério norte. Só no Atlântico existem três e no Pacífico há um Super Tufão com ventos de quase 300 quilómetros por hora.

No auge da temporada anual dos furacões, são já 6 os furacões e tempestades que atacam os trópicos. Apesar de o furacão Florence ser o centro das atenções no Atlântico, o super tufão Mangkhut é, neste momento, o ciclone mais intenso do mundo, com ventos que atingem os 274 quilómetros por hora.

Para além destes dois fenómenos, existem ainda outros quatros furacões que fazem os cientistas questionarem-se sobre o porquê deste aumento de atividade. Há evidências substanciais que marcam as alterações climáticas como sendo um dos culpados.

Ironicamente, é necessário ventos calmos para produzir um furacão e a existência de ventos fortes impede o crescimento e desenvolvimento destes furacões. Como a quantidade de cisalhamento – um tipo de tensão tangencial gerado por forças aplicadas em sentidos opostos – atingiu o seu mínimo sazonal, as tempestades cresceram exponencialmente.

Um dos fatores que também tem influência na criação destas tempestades, é a instabilidade do ar. Esta instabilidade funciona como catalisador dos furacões – é a gasolina numa fogueira. Na semana passada, estes valores atingiam valores abaixo da média até que tudo mudou e, sem razão aparente, os valores foram subindo.

O furacão Florence, que chegou a ser de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson, foi o primeiro furacão com uma categoria tão alta a ser observado tão a nordeste. Neste momento encontra-se em direção aos Estados Unidos.

Contudo, este furacão não é único a agitar o Atlântico. A oeste de Cabo Verde, o furacão Helena produz ventos de cerca de 144 quilómetros por hora. Marcado como um furacão de categoria 1 e apesar de as suas imagens de satélite serem assustadoras, parece provável que o furacão permaneça em oceano aberto e se extingue, propiciando apenas a queda de chuvas fortes na Europa.

E não, os ventos no Atlântico não ficam por aqui. Isaac, uma tempestade com ventos na ordem dos 96 quilómetros por hora, está nas Caraíbas e irá atacar as Antilhas Menores antes de passar no sul de Cuba e de Porto Rico.

Uma onda adicional de baixa pressão, a várias centenas de quilómetros a sudoeste dos Açores, também poderá desenvolver características tropicais ou subtropicais nos próximos dias, contudo, não parece ser uma ameaça.

Do outro lado, no Pacífico, o Super Tufão Mangkhut produz ventos de 274 quilómetros por hora e ondas gigantes a cerca de 322 quilómetros a oeste da costa Guam. É esperado que este super tufão atinja o norte das Filipinas com a força equivalente a um furacão de categoria 5.

Mas na zona asiática, o Super Tufão também não está sozinho. A tempestade tropical Barijat irá passar no sul de Hong Kong. A cidade onde habitam 7 milhões de pessoas também terá um encontro com o Mangkhut que, a essa altura, já terá uma classificação de categoria 1 de baixo nível.

O arquipélago do Havai, conhecido pelo bom tempo também terá a sua luta com as ameaças no Pacífico. Olivia, a tempestade tropical, está a atingir o Havai com chuvas intensas e inundações que atingem os 38 centímetros.

Há cerca de 2 semanas, com a ajuda do furacão Lane, o Havai estabeleceu um recorde na precipitação com 132,1 centímetros de chuva registados. Mais uma vez debaixo de fortes chuvas, é esperado que as alterações climáticas possam favorecer a criação de tempestades no paraíso tropical.

Combinando as seis tempestades que atingem os vários pontos do globo, verifica-se um aumento substancial na intensidade, periodicidade e quantidade de tempestades.

A Energia Ciclónica Acumulada, ECA, é a métrica utilizada para combinar a duração e a intensidade destes fenómenos e, em todo o hemisfério norte, a métrica avalia este ano como estando 159% acima do normal.

A grande contribuição para este resultado vem do Pacifico Leste, que marca 245% acima da média, seguido do Pacífico Oeste com 124% acima dos valores normais. Os oceanos Indico e Atlântico estão também acima da sua média mas apenas ligeiramente.

Contudo, o aparecimento destes fenómenos a meio de setembro não é uma surpresa. No cronograma da atividade histórica, esta época do ano não é estranha à ocorrência destes fenómenos naturais.

O Pacífico Oeste tem o pico registado entre julho a outubro e o Pacífico Leste entre agosto e setembro. Já o Atlântico tem a época mais curta e o pico acontece na primeira metade do mês de setembro.

Contudo, a intensidade das tempestades é bastante elevada em todas as bacias. O meteorologista Phil Klotzbach, investigador de furacões da Universidade do Colorado, criou um site que regista as atividades destes fenómenos. No site, a conclusão é que todas as bacias oceânicas apresentam atividades entre o normal e o acima de normal para o ano de 2018.

Investigadores por todo o mundo afirmam que as alterações climáticas não influenciarão o número de tempestades criadas mas que, a grande alteração nestes fenómenos será o aumento das suas intensidades, algo que já se tem registado.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

ADN antigo revela mistério do extinto macaco das Caraíbas

Uma análise de ADN do misterioso macaco extinto das Caraíbas revelou que estes animais tinham um maior grau de parentesco com os macaco-titis oriundos da América do Sul do que com qualquer outra espécie.  Há cerca …

"Queria? Já não quer?". Finalmente, o livro que revela se está ou não correto

Brevemente nas livrarias, o livro Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português, da autoria de Marco Neves, promete desmontar os mitos que foram construídos em redor da língua portuguesa. Não, este não é só mais um …

Itália vs Portugal | Empate valeu apuramento e primeiro lugar

Portugal foi a Milão arrancar um empate sem golos ante a Itália, em jogo do Grupo 3 da Liga das Nações, e garantiram o apuramento para a final four da Liga das Nações. Numa partida …

Vespa asiática está a propagar-se pelo centro do país

A vespa asiática, ou vespa velutina, uma espécie invasora predadora das abelhas, está a propagar-se pela região centro do país, com ninhos identificados em todo o norte do distrito de Santarém, disse hoje à Lusa …

Já há mais de mil desaparecidos nos incêndios da Califórnia

As autoridades dos Estados Unidos informaram nesta sexta-feira que o número de desaparecidos no gigantesco incêndio que queima há mais de uma semana no norte da Califórnia já superam o milhar. Em conferência de imprensa, o …

As orcas partilham traços de personalidade com humanos e chimpanzés

As orcas exibem características de personalidade semelhantes aos humanos e chimpanzés, como a brincadeira, a alegria e o afeto, de acordo com uma nova investigação divulgada pela Associação Americana de Psicologia (AAP). Investigadores em Espanha analisaram …

Manifestante morre atropelada por mãe desesperada em bloqueio dos “coletes amarelos” em França

Uma manifestante dos “coletes amarelos” morreu em Sabóia, sudeste de França, atropelada por uma condutora em pânico, disse este sábado o ministro do Interior francês, Christophe Castaner. A condutora, que levava a filha ao médico, teve …

A César o que é de César. Costa fica a saber quem manda nos deputados do PS

António Costa está "muito satisfeito" com a liberdade de voto concedida pelo líder da bancada parlamentar do PS, Carlos César, aos deputados na proposta do Governo sobre o IVA da tauromaquia. Mas o mal-estar entre …

Distracção de professora provoca lesões em 40 crianças na China

A distracção de uma professora que se esqueceu de apagar uma luz ultravioleta numa escola de Tianjin, perto de Pequim, causou ferimentos e queimaduras em mais de 40 crianças, informou esta sexta-feira a imprensa local. Os …

A Terra está a comer os seus próprios oceanos

À medida que as placas tectónicas da Terra mergulham umas nas outras, arrastam 3 vezes mais água para o interior do planeta do que se pensava - e essa quantidade de água não está a …