Novo estudo já marcou data para o fim da pandemia (e normalidade pode estar para breve)

Jerome Favre / EPA

Um novo estudo da McKinsey prevê que o fim da pandemia só deve chegar no terceiro ou no quarto trimestre de 2021 nos países desenvolvidos. Contudo, o retorno à normalidade deve acontecer mais cedo.

O artigo da McKinsey apresenta dois pontos fulcrais para o fim da pandemia: um do ponto de vista epidemiológico – que acontecerá se for alcançada a imunidade de grupo – e o outro tendo em conta a transição para uma nova normalidade, diz o Observador.

De acordo com o estudo da consultora norte-americana, a pandemia deverá terminar no fim de 2021, por isso o regresso à normalidade deve instalar-se brevemente, mesmo a tempo da próxima primavera. O estudo também indica que a tão desejada imunidade de grupo deva chegar perto do outono, mas esta é uma previsão que encaixa na realidade dos países desenvolvidos.

Segundo as estatísticas, os autores consideram que os países mais desenvolvidos vão beneficiar de um regresso à normalidade mais cedo. Nestes casos é provável que o fim epidemiológico seja alcançado no primeiro ou segundo trimestre de 2021, em vez de no terceiro ou no quarto. Porém, para que isso seja uma realidade “todos os dias contam”.

O final da pandemia do ponto de vista epidemiológico vai variar de país para país e será afetado por vários fatores como a chegada, eficácia e adoção de vacinas contra a covid-19, tidas como as “maiores impulsionadoras” da imunidade coletiva.

Tendo em conta o que escreveram os autores do estudo, o nível de imunidade natural numa população também é importante, uma vez que estimam que entre 90 milhões e 300 milhões de pessoas em todo o mundo alcancem uma imunidade natural.

Os especialistas acreditam que uma ou mais vacinas possam ser sinalizadas para uso de emergência pela agência federal norte-americana para o medicamento – a FDA –  até ao final de 2020 ou início de 2021, e que recebam aprovação durante os primeiros três meses de 2021, o que vai permitir começar a imunizar a população.

Desta forma, os autores esperam que em apenas seis meses, se fará a distribuição de vacinas a uma proporção suficiente da população de maneira a induzir imunidade coletiva. No estudo pode ler-se que “a imunidade de grupo pode ser alcançada facilmente logo no segundo trimestre de 2021 se as vacinas forem altamente eficazes, e se lançadas sem problemas”.

Ainda assim, há a possibilidade das vacinas apresentarem problemas de segurança ou de eficácia – e caso a sua distribuição seja lenta – o fim da pandemia pode só chegar em 2022, ou até mais tarde, explica o Observador.

Num cenário mais negro, os EUA ainda poderão estar a enfrentar a doença em 2023 ou até depois.

Os autores dizem que os caminhos para alcançar a imunidade de grupo nos outros países desenvolvidos, são semelhantes aos dos EUA, sendo que as diferenças temporais estão relacionadas com o acesso e distribuição das vacinas.

Mesmo assim, ainda é provável que a doença se mantenha ativa em áreas do mundo afetadas pela guerra ou em comunidades com pouca adesão à vacinação.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado… Os infectados e mortes aumentam de dia para dia e estes iluminados vêm anunciar o fim da pandemia já para o ano que vem… Bom, espero bem que sim e que dêm cabo do bicho o mais rápido possível a fim de não ter de emigrar para Marte ou para a Lua…

  2. Nada mau 207 mil mortes e 6 milhões de infectados da imunidade num universo de 350 milhões? Propaganda do Trump. Ouvi hoje o Dr. Fauci que já esta recuperado de uma operação e não vejo como as coisa vai voltar ao normal em breve. Se a vacina no melhor chega as prateleiras depois do verão de 2021 lá. Se não acontecer como a britânica.

  3. “os autores do estudo estimam que entre 90 milhões e 300 milhões de pessoas em todo o mundo alcancem uma imunidade natural” Como chegaram a esta conclusão se ainda não existe dados de imunidade adquirida chega para combater outra reinfecção e quanto tempo fica no sistema os anticorpos. A mim parece me um estudo para o trump ganhar as eleições e já fizeram as contas quanto é 2% de 350 milhões? É a percentagem de mortes por infectados lá. Palhaçada eleitoral Nem vou falar das sequelas que o vírus deixa nos putos como inflamações graves no coração e outras que levam meses a curar se é que chegam a curar. Parem de dar a ideia que é bom se infectar ou não faz mal.

RESPONDER

China e Singapura realizam exercícios navais conjuntos

As Marinhas de Guerra da China e Singapura informaram na quarta-feira que estão a realizar exercícios navais conjuntos, iniciativa que a diplomacia chinesa espera que contribua para uma aproximação do aliado asiático norte-americano às suas …

Austrália aprova lei e é o primeiro país a obrigar Facebook e Google a pagar conteúdos jornalísticos

O Parlamento da Austrália aprovou a lei que impõe à Google e ao Facebook o pagamento aos órgãos de comunicação australianos pela publicação dos seus conteúdos jornalísticos, a primeira legislação do mundo deste género. A lei …

Situação clínica de Alfredo Quintana é "muito grave"

Alfredo Quintana, guarda-redes de andebol, de 32 anos, sofreu uma paragem cardíaca num treino, na segunda-feira. Encontra-se internado no Hospital de São João, no Porto, e a situação clínica é "muito grave". A situação clínica …

Documentos mostram que assassinos de Khashoggi usaram aviões de empresa controlada pelo príncipe herdeiro

Documentos judiciais revelam que os dois jatos particulares usados ​​pelos supostos assassinos do jornalista Jamal Khashoggi pertenciam a uma empresa que, menos de um ano antes, tinha sido apreendida pelo príncipe herdeiro da Arábia Saudita. Os …

António Guterres agradece confiança do Governo português

O secretário-geral da ONU expressou, esta quarta-feira, agradecimento e humildade por receber o apoio oficial do Governo português para um segundo mandato e prometeu fazer de tudo para continuar a ser digno da renomeação. "O secretário-geral …

Israel identifica cidadãos que não foram vacinados. Na Galiza, quem recusar vacina arrisca multa

O Parlamento israelita autorizou esta quarta-feira o Ministério da Saúde a comunicar às entidades públicas do país as identidades de pessoas não vacinadas contra a covid-19, levantando preocupações sobre a privacidade dos cidadãos que recusam …

Testes por saliva usados em eventos-piloto antes de festivais de verão

Os agentes ligados a festivais e concertos e a Direção-Geral de Saúde (DGS) vão realizar várias experiências-piloto para se perceber em que moldes se podem concretizar os festivais de música no verão. Uma das ideias é …

Mais 49 mortes e 1.160 casos de covid-19. Há menos doentes internados do que no Natal

O boletim divulgado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que foram registados 1.160 novos casos de covid-19 em Portugal. Nas últimas 24 horas, morreram 49 pessoas. Portugal registou, esta quinta-feira, 1.160 novos casos de …

Bruxelas vai rever regras de uso de telemóvel em roaming

A Comissão Europeia vai rever as regras sobre o roaming do telemóvel, ajustando as tarifas máximas e aumentando a transparência, tendo em vista que o regulamento em vigor caduca a 30 de junho de 2022. Segundo …

Amnistia Internacional retira estatuto de prisioneiro de consciência a Navalny

A Amnistia Internacional anunciou que não pode considerar o principal opositor russo um "prisioneiro de consciência" devido a algumas declarações nacionalistas e xenófobas feitas por si no passado. Esta informação foi revelada, na terça-feira, pelo jornalista …