Sob risco de expulsão, Fidesz de Orbán deixa bancada do Partido Popular Europeu pelo próprio pé

eu2017ee / Flickr

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán

O partido Fidesz, liderado pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, vai deixar a bancada do Partido Popular Europeu no Parlamento Europeu.

De acordo com a agência Reuters, o partido Fidesz, que governa a Hungria, anunciou esta quarta-feira que vai deixar o maior grupo político de centro-direita no Parlamento Europeu depois de a assembleia o ter decidido suspender num conflito sobre o histórico democrático do primeiro-ministro Viktor Orbán.

Ao longo da manhã, dois jornais do Governo húngaro, o Magyar Nemzet e o Origo, já tinham adiantado que a saída estava iminente e seria consumada após a reunião dos líderes do PPE.



“Venho por este meio informar que os eurodeputados do Fidesz renunciaram à sua adesão ao Grupo PPE”, escreveu Orbán numa carta datada de 3 de março ao chefe da fação, Manfred Weber, publicada no Twitter por Katalin Novak, vice-presidente do Fidesz.

A saída do Fidesz do grupo do Partido Popular Europeu (PPE) no parlamento provavelmente vai reduzir a influência de Orbán em Bruxelas.

A decisão surge depois de, na segunda-feira, Orbán ter ameaçado retirar o seu partido do PPE caso o grupo político europeu reformasse os estatutos para expulsar alguns membros. “Caso se venha a aprovar a proposta, o Fidesz abandona o grupo (PPE)”, disse o ultranacionalista húngaro em carta dirigida ao PPE e divulgada pelo governo de Budapeste.

Na carta, Orbán criticou os planos de reforma para que os partidos que constituem o PPE possam ser expulsos por uma votação de maioria simples – sobretudo no caso dos parceiros que já estão suspensos, como o Fidesz, desde 2019. Na altura, o PPE tomou a decisão por considerar que as políticas de Orbán violam os valores democráticos e europeus do grupo político europeu.

Os membros do PPE aprovaram as mudanças nos estatutos com uma maioria de 84,1% (148 a favor e 28 contra). A suspensão dos eurodeputados do partido teria sido votada dentro de algumas semanas, caso o Fidesz não se tivesse antecipado.

As relações degradaram-se ainda mais quando o governo húngaro acusou o então presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, de fazer parte de uma conspiração para deixar entrar no continente milhares de refugiados.

Desde essa altura, o PPE ameaçou várias vezes expulsar o Fidesz, sendo que Orbán vinha especulando várias vezes sobre a possibilidade de sair do grupo. Agora, parece que o partido vai sair pelo próprio pé.

Maria Campos Maria Campos, ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Este ainda é um resistente às ameaças externas, como vê a barba dos vizinhos a arder pretende salvar a tempo a sua, possivelmente o tempo irá dar-lhe razão, o povo europeu bem vai observando e sentindo na pele a balbúrdia que vai por esta Europa fora.

    • Sim, sim… se tiver tempo e oportunidade ainda se torna em mais uma marioneta do Putin e transforma a Hungria numa Bielorrússia!…
      A Polónia vai pelo mesmo caminho… e, lá o caso só não é pior porque polacos e russos fazem faísca…
      .
      Mas mau mesmo foi a atitude do PPE que andou este tempo todo a tentar tapar a realidade sobre o CHEGA da Hungria…
      Lindo (e esclarecedor) foi ver um desses muito católico “Ventura” da Hungria ser apanhado pela polícia belga numa festa gay durante o confinamento!…

RESPONDER

Cavaco Silva volta a estar ausente das cerimónias do 25 de Abril

O ex-Presidente da República já informou que não vai marcar presença na cerimónia comemorativa dos 47 anos do 25 de Abril, este domingo, no Parlamento, por continuar "a respeitar as regras sanitárias". Fonte oficial do gabinete …

No dia da Terra, os líderes mundiais juntaram-se para "passar à ação"

A Casa Branca organizou uma Cimeira de Líderes sobre o Clima, que decorre de forma virtual e durante dois dias. Começou esta quinta-feira, dia em que se comemora o Dia da Terra, e junta cerca …

Detido em Itália homem que terá fornecido arma ao autor do atentado de Nice em 2016

Um homem que teria fornecido uma arma ao autor do atentado com um caminhão na cidade francesa de Nice, em 14 de julho de 2016, foi detido na Itália, anunciaram na quarta-feira vários veículos de …

"Invisibilidade" do LGBTI nos Censos é alvo de críticas

A Associação ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo e o Bloco de Esquerda estão a criticar os Censos 2021 devido à ausência de perguntas relacionadas com identidade de género, o que …

Rússia vai dar início à retirada de tropas perto da fronteira com a Ucrânia

A Rússia anunciou que vai iniciar, esta sexta-feira, a retirada das suas tropas concentradas perto da fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada, referindo que os exercícios foram concluídos. "As tropas demonstraram a sua capacidade …

KPMG desconhecia problemas no BESA que justificassem reserva às contas

A KPMG Portugal afirmou, numa carta enviada à comissão de inquérito do Novo Banco, que desconhecia factos no BES Angola que pudessem levar a uma opinião com reservas às contas do BES. A KPMG Portugal desconhecia …

Ferro Rodrigues está "perfeitamente de acordo" com Marcelo sobre enriquecimento ilícito

O presidente da Assembleia da República (AR) concorda com o Presidente quanto à urgência de melhorar a lei contra o enriquecimento ilícito e diz que isso pode ser feito sem pôr em causa princípios constitucionais. Numa …

Índia regista subida drástica de infeções e mortes. EUA com 200 milhões de vacinas tomadas

O número de novas infeções pelo coronavírus dispararam na Índia, com a falta de preparação do Governo e a forma como a pandemia tem sido gerida apontadas como causas para a subida dos casos e …

Técnicos de diagnóstico. Depois de mais uma coligação da oposição, Executivo avalia o que fazer

Depois de mais uma coligação da oposição, o Governo "está a avaliar" o que irá fazer em relação à aprovação das mudanças na carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica.  De acordo com o semanário …

Diretor de Finanças de Lisboa está em substituição desde 2015. Já ultrapassa tempo de comissão de serviço

Fernando Lopes, a maior estrutura regional da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), é diretor da Direção de Finanças de Lisboa em regime de substituição desde março de 2015. Quando a então diretora regional, Helena Borges, foi …