Bispo diz que as festas no Panteão são como “os bacanais romanos nos cemitérios”

Jose Carlos Babo / Flickr

A Igreja de Santa Engrácia, Panteão Nacional, em Lisboa

O jantar de encerramento da Web Summit no Panteão Nacional continua a motivar críticas. Desta vez é o Bispo emérito de Beja que diz que fazer festas naquele monumento nacional é como realizar “bacanais nos cemitérios”.

As declarações do Bispo emérito de Beja, D. António Vitalino, foram recolhidas pelo jornal Correio da Manhã à entrada para a Assembleia Plenária da Conferência Episcopal, em Fátima. “Os romanos realizavam bacanais nos cemitérios, mas o nosso povo não tem esses hábitos”, disse o Bispo ao jornal.

“É lá que estão sepultados alguns dos mais ilustres da nossa História e encontram-se lá porque conquistaram em vida honras de destaque para além da morte. Não me parece que a melhor forma de homenagearmos essas grandes figuras seja através da realização de jantares”, acrescentou D. António Vitalino.

Jantar no Palácio da Ajuda rendeu 14 mil euros

Entretanto, a polémica do Panteão Nacional estende-se a outros monumentos nacionais que, nos últimos anos, têm acolhido vários eventos privados.

Nesse mesmo dia do jantar da Web Summit no Panteão, o Palácio Nacional da Ajuda acolheu um evento de uma empresa de vinhos italiana, a Di Meo. O Público revela que o aluguer do espaço rendeu à Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) 14 mil euros.

No total, nos últimos dois anos, diz o CM, aquela entidade recebeu 877 mil euros pelo aluguer de 23 edifícios, entre museus, monumentos e palácios nacionais. Em 2015, a receita obtida terá sido de 458 mil euros, enquanto em 2016, o valor situou-se nos 419 mil euros.

O equipamento que mais receitas rendeu foi o Mosteiro dos Jerónimos, monumento que  já esteve envolvido em polémica, devido a festas privadas lá realizadas que estão a ser investigadas pelas autoridades.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Se calhar o Sr. Bispo está a confundir a realidade com os seus desejos, a avaliar pela pouca vergonha que tem sido o descortinar de histórias do Vaticano e do clero um pouco por tudo o mundo

  2. Stª Engrácia é um espaço laico e não existem túmulos no espaço central do edifício, mas em compartimentos anexos que se fecham quando se usa o corpo central. Ao contrário, na Idade Médio as Catedrais eram recintos polivalentes abertos a todos os usos laicos que se realizavam no mesmo espaço das sepulturas. Desde os romanos até ao seculo XVI eram frequentes os banquetes funebres junto das sepulturas e era tido como positivo o convivio dos vivos com os mortos. Nada disso é possível na nave central do Panteão. O Panteão romano dedicado a todos os deuses era palço das mais variadas utilizações cívicas. O caso presente é apenas uma chicana política sem nexo.

RESPONDER

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …