Farmacêutica Pfizer tinha um medicamento para combater o Alzheimer. Mas ocultou a informação

A farmacêutica norte-americana Pfizer descobriu que um dos seus medicamentos poderia reduzir os riscos de sofrer Alzheimer em 64%, mas ocultou a informação do público.

O Washington Post teve acesso a centenas de milhares de reclamações de seguros e diz que a empresa não investigou os efeitos secundários do medicamento devido aos elevados custos que tal envolveria.

O medicamento em questão é o Enbrel, um potente anti-inflamatório para a artrite reumática e um dos produtos mais vendidos pela Pfizer. A farmacêutica detetou os benefícios do Enbrel para o Alzheimer em 2015. Na altura, trabalhadores da empresa insistiram para que fossem realizados testes científicos rigorosos em milhares de pacientes para explorar e comprovar estes efeitos.

A Pfizer decidiu não avançar com a investigação, uma vez que seriam precisos cerca de 80 milhões de dólares (cerca de 71 milhões de euros) para o ensaio clínico. Do ponto de vista do mercado, estes efeitos positivos do medicamento no Alzheimer não significariam um aumento do lucro da empresa. “O medicamento já enfrentava competição de medicamentos genéricos”, refere o jornalista norte-americano Christopher Rowland.

A farmacêutica terá dito que não havia provas suficientes que confirmassem os benefícios do medicamento, uma vez que o Enbrel não atua diretamente no cérebro. A empresa estudou o medicamento durante três anos, mas abandonou a investigação. Ed Harnaga, porta-voz da Pfizer, disse que a decisão de não investigar os efeitos foi “científica”.

Clive Holmes, professor de psiquiatria biológia na Universidade de Southampton disse que a Pfizer não terá investido na investigação simplesmente porque não queria ver o seu mercado ser invadido por medicamentos genéricos.

A Pfizer terá partilhado os dados do Enbrel com pelo menos um cientista. Investigadores consultados pelo jornal referem que a farmacêutica deveria ter partilhado o estudo com mais cientistas e investigadores.

O Enbrel deu à Pfizer um lucro de 2,1 mil milhões de dólares (cerca de 1,8 mil milhões de euros) em 2018. As farmacêuticas são frequentemente criticadas por não divulgarem os resultados negativos dos seus medicamentos. Como refere o El País, não existe consenso sobre qual a obrigação destas empresas de divulgarem os possíveis efeitos positivos dos seus produtos.

O Alzheimer é um tipo de demência que se carateriza por problemas na memória, pensamento e comportamento. A doença é incurável.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Tudo o que é sector da saúde deveria ser público. Esta é a trampa que dá privatizar sectores de interesse público. O lucro vale sempre mais do que vidas humanas, desde que não sejam as deles, claro…

    • Vai você avançar com os 80 milhões que são precisos para testar o medicamento e pôr no mercado? Pois…
      Mas acha que alguém investe 80 milhões seja no que for se não esperar retorno? Pois…

      Está mesmo a sugerir que as farmacêuticas deveriam ser entidades públicas? Dê-me lá um exemplo de uma entidade farmacêutica pública que tenha posto no mercado alguma coisa de jeito. Toda a gente fala mal das farmacêuticas, e em muitos casos com razão, mas ainda não vi uma alternativa melhor. Investir num medicamento é uma atividade extremamente arriscada, custa muito dinheiro, e muitas vezes não dá em nada. Se o potencial de retorno não for grande, ninguém investe.

      Não é por acaso que os EUA são DE LONGE o país responsável por mais inovação na área médica e científica, mais que quase toda a Europa junta. Não é por acaso que a maioria dos novos medicamentos a nível mundial são desenvolvidos nos EUA. Não é por acaso que várias farmacêuticas Europeias têm os seus centros de investigação e desenvolvimento nos EUA e não na Europa.

      • Ora pois pois, não se está a pedir que a indústria avance os tais 80 mi, mas sim que compartilhe com a comunidade científica a sua descoberta, uma vez que decidiu não investir. Precisa desenhar?

      • Ora pois pois, não se está a pedir que a indústria avance os tais 80 mi, mas sim que compartilhe com a comunidade científica a sua descoberta, uma vez que decidiu não investir. Precisa desenhar?

  2. Ora pois pois, não se está pedindo que a indústria avance os tais 80 mi, mas sim que compartilhe com a comunidade científica a sua descoberta, uma vez que decidiu não investir. Precisa desenhar?

    • Certo. Mas trata-se de um medicamento para o qual existem genéricos, o que quer dizer que quem investir não vai ter retorno. Quem iria acabar por ganhar seriam os fabricantes dos genéricos, que iriam de repente ver um dos seus medicamentos certificados para tratamento de Alzheimer, sem que tivessem que investir um cêntimo.

      Concordo, a Pfizer podia compartilhar a descoberta e deixar a outros o possível investimento. Mas infelizmente não há incentivo para fazer isso.

RESPONDER

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …

Farmácias em risco de não ter vacinas da gripe para tantos pedidos

As farmácias privadas receiam não ter doses suficientes de vacina contra a gripe para dar resposta a todos os pedidos. As encomendas da vacina já sãocinco vezes mais do que as registadas em 2019. A preocupação …