Famílias devem ter “responsabilidade nas decisões de consumo e poupança”, diz Centeno

José Sena Goulão / Lusa

Mário Centeno, governador do Banco de Portugal e ex-ministro das Finanças

O governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, avisou que as famílias devem ser responsáveis relativamente ao consumo e às poupanças, de forma a não colocar em causa o esforço dos últimos anos no corte do endividamento.

“Às famílias requer-se uma atitude de responsabilidade nas decisões de consumo e poupança, muitas vezes com recurso ao crédito. No momento em que vivemos, o crédito assume maior importância, mas, pela natureza creditícia, traz maior risco”, afirmou Centeno, durante uma audição da comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, convocada no âmbito do plano de atividades do Banco de Portugal, citado pelo Expresso.

Às empresas, “requer-se uma posição robusta” e “as melhores decisões de investimentos”, enquanto o Estado tem que ter “capacidade financeira para substituir-se aos restantes agentes económicos”, indicou o governador do BdP esta terça-feira.

Quanto às moratórias nos créditos, considerou que estas são essenciais e que os bancos têm de fazer um esforço de preservação de capital, que “deverá ser acompanhado por medidas para ultrapassar a crise”. “Em conjunto com outras instituições, será necessário criar políticas que evitem paragens abruptas. O contributo de todos é essencial”, alertou.

Centeno frisou que as moratórias deverão ser “avaliadas” nos próximos meses, sendo, “neste momento, uma importantíssima forma de liquidez em crise muitas agudas”, que “se devem manter ativas, mas devem ir evoluindo e adaptando à crise”. Reconheceu, ainda, que o volume de moratórias no crédito em Portugal é “muito maior do que a média do conjunto da área do euro e da média da União Europeia [UE]”.

“Tenho a certeza que todos os que beneficiam de moratórias têm consciência de que não se trata de um perdão de dívida”, referiu o Governador, assinalando um aumento significativo de depósitos das famílias no total de moratórias, que atingiu os 20%. “Estamos a falar de um adiamento de pagamentos e devemos entender a necessidade de assim que possível retomar este processo” de pagamentos, salientou.

Em setembro, havia empréstimos de 46 mil milhões de euros sob moratórias de crédito (24,4 mil milhões de crédito a famílias, 21,6 mil milhões de crédito a empresas). O fim da moratória legal está previsto para o final de setembro.

Para Centeno, “o país deve permanecer focado na resposta à crise”, sendo necessário manter as políticas de apoio à economia. A atual crise não é “estrutural” nem de “sobreendividamento”, requendo “a manutenção e a adaptação das políticas económicas até ao seu final”, sublinhou, citado pelo Diário de Notícias.

Centeno avisa NB sobre bónus a gestores em 2020

Relativamente à atribuição de bónus do Novo Banco aos gestores, Centeno apontou o impacto negativo da decisão e considerou que não deverá repetir-se em 2020. “Não vemos como [uma decisão] adequada em 2020”, esclareceu. Ainda assim, defendeu que o quadro legal e a atividade dos bancos devem ser respeitados, noticiou o Público.

O governador do BdP avançou igualmente que impacto no défice na venda do Novo Banco era claro desde o início, uma vez que as injeções do Fundo de Resolução teriam efeito nas contas públicas. “Foi sempre referido que o risco latente no balanço do Novo Banco estava lá no momento da venda”, apontou.

“Foi por isso que foram criados os mecanismos e os instrumentos de monitorização acrescidos desses ativos e da forma como evoluem ao longo do tempo”, reiterou. Sobre os efeitos da venda nos contribuintes, respondeu que “é o sistema bancário que financia o Fundo de Resolução e que responde pelas perdas do Fundo de Resolução”.

“Não quero mistificar nem desmistificar os impactos. Eles existem, são coletivos. Quando um banco da dimensão do BES sofre as perdas que o BES sofreu, os impactos não se circunscrevem nem à instituição, nem infelizmente aos seus acionistas, nem a quem tomou as decisões que levam a estes resultados”, declarou.

Sobre o processo dos lesados do BES houve “um quadro legislativo criado na última legislatura” que dava “um papel muito claro à CMVM e ao Banco de Portugal”. “Há um processo de liquidação do BES onde aqueles que têm direitos podem ou não ver satisfeitas as suas pretensões”. “Todos devem cumprir os seus contratos, as suas responsabilidades”, o oposto “seria dramático”, notou.

No que toca ao pedido do relatório de análise ao comportamento do BdP na sequência da resolução do BES, espera que o processo que decorre no Tribunal da Relação sobre o sigilo “possa ser, com sucesso, resolvido proximamente”.

Respondendo a uma questão sobre a pressão dos contabilistas para apresentarem contas falsas e uma eventual resposta que o BdP para este problema, Centeno assinalou as “inúmeras reclamações” sobre a prática bancária, acrescentando que os contabilistas têm “não devem fazer proclamações públicas, mas fazer chegar essas provas ao supervisor”.

 

Taísa Pagno Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

A montanha pariu um rato? (Ou nem tanto) Sócrates ainda arrisca 12 anos de prisão

José Sócrates livrou-se dos crimes de corrupção na Operação Marquês, mas o juiz Ivo Rosa acusou declaradamente o ex-primeiro-ministro de se ter "vendido" ao amigo Carlos Santos Silva. Só que o crime já prescreveu e, …

China multa Alibaba em 2,33 mil milhões de euros por violações antimonopólio

As autoridades chinesas multaram o gigante' de comércio online Alibaba em 18,2 mil milhões de yuan (equivalente a 2,33 mil milhões de euros) por abuso de posição dominante, noticiou este sábado a imprensa estatal na …

PSD disse "não" ao Chega no continente, mas não nos Açores. Rio teme "impacto nacional"

O PSD rejeitou acordos autárquicos com o Chega no continente e a possibilidade de coligações no arquipélago dos Açores entram em choque frontal com política autárquica da direção do partido de Rui Rio. Na quarta-feira, quando …

Dezenas de pessoas estiveram presentes no último adeus do "sempre fundamental" Jorge Coelho

Várias dezenas de pessoas compareceram este sábado de manhã na Basílica da Estrela para a missa de corpo presente do antigo dirigente e ministro socialista Jorge Coelho, "um elemento sempre fundamental nos momentos mais difíceis …

Desconfinamento já se faz sentir nos internamentos. R(t) já está acima de 1

O número de casos está a aumentar e este efeito já se começa a sentir nos internamentos. Esta foi a segunda semana consecutiva com aumento de casos, com uma média de 495 novos casos diários. De …

Plano contra o racismo. Bloco de Esquerda é o único partido a favor de quotas no ensino superior

O Governo colocou em consulta pública o Plano de Combate ao Racismo e Discriminação, que prevê que alunos socialmente desfavorecidos poderão aceder ao Ensino Superior através de contingente especial. O Bloco de Esquerda é o …

Novo Banco vendeu carteiras ao melhor preço (e só depois avaliou conflitos de interesses)

A venda das três carteiras de crédito do Novo Banco em 2019 foi feita pelo preço mais alto e em conformidade com o Acordo de Capitalização Contingente (CCA), segundo a auditoria da Deloitte às operações. “Nos …

UE investiga possível ligação entre tromboses e vacina da Johnson&Johnson nos EUA

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou esta sexta-feira ter iniciado uma investigação sobre casos de coágulos sanguíneos após toma da vacina da Johnson & Johnson/Janssen contra a covid-19, antes de o fármaco estar disponível …

Cabras

"É um terror. Nunca vi disto". Relâmpago matou 68 cabras no Alto Minho

Um relâmpago matou 68 cabras na freguesia de Gondoriz, em Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo. O pastor que perdeu os animais, Dário Silva, diz que, em "40 anos de serra", nunca viu …

Placa de pedra da Idade do Bronze poderá ser o mapa mais antigo da Europa

Uma placa de pedra da Idade do Bronze, redescoberta em 2014 em França, poderá ser o mapa tridimensional mais antigo já conhecido da Europa. De acordo com a BBC, a laje de pedra, conhecida como placa …