Facebook é acusado de agir como um “gangster digital” pelo parlamento britânico

tuaulamac / Flickr

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

Um relatório de um comité de legisladores britânicos refere que o Facebook não deve ser autorizado a agir como um “gangster digital”, pedindo que a empresa seja mais regulamentada. Em resposta, os responsáveis pela rede social afirmaram que estão “abertos a uma regulação significativa” quanto à desinformação e à privacidade.

O relatório sobre desinformação ‘online’ e notícias falsas, desenvolvido pelo comité digital, cultural, mediático e desportivo (DCMS) do Parlamento do Reino Unido – composto por políticos britânicos e liderado pelo parlamentar conservador Damian Collins -, foi divulgado na segunda-feira.

Este é o culminar de uma investigação de 18 meses, na qual foram ouvidas 73 testemunhas e analisadas 170 queixas escritas. Além dos britânicos, o comité incluiu legisladores do Canadá, do Brasil, de França, da Irlanda, da Argentina, de Singapura, da Bélgica e da Letónia, informou a Fortune.

“Entre as inúmeras publicações inócuas de celebrações e feriados, algumas forças maliciosas usam o Facebook para ameaçar e assediar pessoas, publicar pornografia de vingança, disseminar discurso de ódio e propaganda de todos os tipos e influenciar eleições e processos democráticos – muitos dos quais o Facebook e outras empresas de media social são incapazes, ou não querem, evitar”, lê-se no relatório.

De acordo com o documento, no qual foram também analisados possíveis interferências russas no Brexit, o Facebook “desconsiderou deliberadamente as leis de privacidade e de concorrência e deve estar sujeito a nova regulamentação”.

Segundo o Business Insider, o relatório pede mudanças, incluindo regras mais estritas que obriguem as empresas de tecnologia a remover o conteúdo ilegal dos seus sites, um código de ética que defina os conteúdos nocivos, um regulador independente para supervisionar a aplicação do mesmo e novas leis em torno da publicidade política ‘online’.

Isso implica tornar as empresas de tecnologia “legalmente responsáveis ​​pelo conteúdo nocivo e ilegal presente nas suas plataformas, com multas altas por não conformidade”, lê-se no artigo da Fortune, sendo necessário aplicar princípios democráticos “amplamente aceites” para garantir a sua aplicação na era digital.

Durante a investigação, o diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, recusou-se repetidamente a depor perante o comité do DCMS. Segundo o Business insider, os legisladores acusaram o fundador da rede social de mostrar “desprezo” pelo parlamento do Reino Unido.

“Frustrado e ofendido pela ausência” do fundador da rede social, o comité “deu um passo extraordinário em novembro”, ao apreender “e-mails internos do Facebook de um empresário que obteve os documentos numa ação” contra a rede social, conta a Fortune.

De acordo com o relatório, os e-mails mostravam que o Facebook estava “disposto a substituir as configurações de privacidade dos seus utilizadores para transferir dados para alguns criadores de aplicações, para cobrar preços elevados em publicidade, pela trocar dados” que pudessem ser usados em negócios.

“Isso significava que a empresa havia, no mínimo, violado um pedido de consentimento relacionado à privacidade com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos”, indica o relatório.

O comité frisa que o regulador britânico deve investigar. “Empresas como o Facebook não devem se comportar como ‘gangsters digitais’ no mundo ‘online’, considerando-se à frente e acima da lei”, refere, acrescentando que “as grandes empresas de tecnologia estão a falhar no cuidado que devem aos seus utilizadores”.

Essas “não devem expandir-se exponencialmente, sem restrições ou supervisão regulatória adequada. Mas apenas os governos e a lei são poderosos o suficiente para contê-los. As ferramentas legislativas já existem”, aponta ainda o relatório.

Em resposta, Karim Palant, responsável pelas políticas públicas do Facebook, disse que a empresa está “aberta a regulamentações significativas” e também apoia “uma legislação de privacidade eficaz, que mantenha altos padrões quanto ao uso de dados e transparência para os utilizadores”.

O responsável acrescentou que a empresa já fez “mudanças substanciais” para que todos os anúncios políticos no Facebook tenham que ser autorizados, sendo obirgatório declarar quem está a pagar pelos mesmos, que são depois armazenados num arquivo que pode ser pesquisado por sete anos.

“Embora ainda tenhamos mais a fazer, não somos a mesma empresa que éramos um ano. Aumentamos para 30 mil o número de pessoas na equipa que deteta e protege os utilizadores de conteúdos nocivos e investimos em ‘learning machine’, inteligência artificial e tecnologia de visão computacional para prevenir este tipo de abuso”, disse.

Ainda esta semana, o secretário de Cultura do Reino Unido, Jeremy Wright, irá para os EUA reunir-se com os diretores de empresas de tecnologia, incluindo Mark Zuckerberg, para debater sobre o conteúdo prejudicial ‘online’, acrescenta o Business Insider.

Durante a investigação, veio a público o escândalo da Cambridge Analytica, o que “acrescentou muito combustível à fogueira”, informou ainda a Fortune.

Taísa Pagno, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pela primeira vez, uma astronauta corrige página da Wikipédia a partir do Espaço

Pela primeira vez na história da Humanidade, a astronauta norte-americana Christina H. Koch fez a edição de uma página da Wikipedia na Internet a partir da Estação Espacial Internacional (EEI), enquanto orbitava o planeta Terra. A …

Rover Mars 2020 vai procurar fósseis microscópicos

Cientistas do rover Mars 2020 da NASA descobriram o que poderá ser um dos melhores locais para procurar sinais de vida antiga na Cratera Jezero, onde o veículo vai pousar no dia 18 de fevereiro …

MP quer passar a ouvir todas as crianças expostas a violência doméstica

A procuradora-geral da República quer que os magistrados do Ministério Público peçam sempre ao juiz de instrução criminal que as crianças expostas a violência doméstica sejam ouvidas em tribunal para memória futura. A procuradora-geral da República, …

Greta Thunberg no Parlamento entre final do mês e início de dezembro

A ativista sueca aceitou participar numa sessão na Assembleia da República, em Lisboa, promovida pela comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, que se realizará entre o final deste mês e início de …

Phineas Fisher. O "hacker fantoche" que está a pagar para piratearem bancos e petrolíferas

Phineas Fisher é um hackers mais infames do mundo e procura agora renovar esse estatuto ao oferecer 100 mil dólares a quem piratear instituições capitalistas, como bancos e empresas petrolíferas. O hacker ficou conhecido após ter …

Conselho Superior da Magistratura arquiva processo disciplinar a Carlos Alexandre

O Conselho Superior da Magistratura decidiu arquivar o processo disciplinar relativo ao juiz do Tribunal de Instrução Criminal por declarações sobre o sorteio da fase de instrução do processo Operação Marquês. "O plenário de hoje do …

Jardins e complexo de estufas descobertos num dos bunker de Hitler

Um grupo de especialistas descobriu jardins e um complexo de estufas, que serviu para cultivar legumes e frutas, num dos maiores quartéis generais de Adolf Hitler durante a II Guerra Mundial, o bunker conhecido como …

Ataque a Alcochete. Advogados pedem impugnação do auto de notícia da GNR

Uma discrepância nas datas de elaboração e de assinatura do auto de notícia que relata a invasão à academia do Sporting motivou, esta terça-feira, a apresentação de um requerimento de impugnação subscrito por vários advogados. No …

Japão diz que é seguro libertar água radioativa de Fukushima no Pacífico

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão afirmou esta segunda-feira que é seguro libertar água contaminada de Fukushima no Oceano Pacífico, de acordo com o jornal local Japan Today. A central nuclear, recorde-se, sofreu …

Dez autarcas e quatro clubes entre os 68 acusados na operação Ajuste Secreto

O Ministério Público da Feira deduziu acusação contra 68 arguidos, incluindo dez autarcas e ex-autarcas, quatro clubes desportivos e os seus respetivos presidentes, no âmbito da operação "Ajuste Secreto". Numa nota publicada no seu site oficial, …