Facebook é acusado de agir como um “gangster digital” pelo parlamento britânico

tuaulamac / Flickr

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

Um relatório de um comité de legisladores britânicos refere que o Facebook não deve ser autorizado a agir como um “gangster digital”, pedindo que a empresa seja mais regulamentada. Em resposta, os responsáveis pela rede social afirmaram que estão “abertos a uma regulação significativa” quanto à desinformação e à privacidade.

O relatório sobre desinformação ‘online’ e notícias falsas, desenvolvido pelo comité digital, cultural, mediático e desportivo (DCMS) do Parlamento do Reino Unido – composto por políticos britânicos e liderado pelo parlamentar conservador Damian Collins -, foi divulgado na segunda-feira.

Este é o culminar de uma investigação de 18 meses, na qual foram ouvidas 73 testemunhas e analisadas 170 queixas escritas. Além dos britânicos, o comité incluiu legisladores do Canadá, do Brasil, de França, da Irlanda, da Argentina, de Singapura, da Bélgica e da Letónia, informou a Fortune.

“Entre as inúmeras publicações inócuas de celebrações e feriados, algumas forças maliciosas usam o Facebook para ameaçar e assediar pessoas, publicar pornografia de vingança, disseminar discurso de ódio e propaganda de todos os tipos e influenciar eleições e processos democráticos – muitos dos quais o Facebook e outras empresas de media social são incapazes, ou não querem, evitar”, lê-se no relatório.

De acordo com o documento, no qual foram também analisados possíveis interferências russas no Brexit, o Facebook “desconsiderou deliberadamente as leis de privacidade e de concorrência e deve estar sujeito a nova regulamentação”.

Segundo o Business Insider, o relatório pede mudanças, incluindo regras mais estritas que obriguem as empresas de tecnologia a remover o conteúdo ilegal dos seus sites, um código de ética que defina os conteúdos nocivos, um regulador independente para supervisionar a aplicação do mesmo e novas leis em torno da publicidade política ‘online’.

Isso implica tornar as empresas de tecnologia “legalmente responsáveis ​​pelo conteúdo nocivo e ilegal presente nas suas plataformas, com multas altas por não conformidade”, lê-se no artigo da Fortune, sendo necessário aplicar princípios democráticos “amplamente aceites” para garantir a sua aplicação na era digital.

Durante a investigação, o diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, recusou-se repetidamente a depor perante o comité do DCMS. Segundo o Business insider, os legisladores acusaram o fundador da rede social de mostrar “desprezo” pelo parlamento do Reino Unido.

“Frustrado e ofendido pela ausência” do fundador da rede social, o comité “deu um passo extraordinário em novembro”, ao apreender “e-mails internos do Facebook de um empresário que obteve os documentos numa ação” contra a rede social, conta a Fortune.

De acordo com o relatório, os e-mails mostravam que o Facebook estava “disposto a substituir as configurações de privacidade dos seus utilizadores para transferir dados para alguns criadores de aplicações, para cobrar preços elevados em publicidade, pela trocar dados” que pudessem ser usados em negócios.

“Isso significava que a empresa havia, no mínimo, violado um pedido de consentimento relacionado à privacidade com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos”, indica o relatório.

O comité frisa que o regulador britânico deve investigar. “Empresas como o Facebook não devem se comportar como ‘gangsters digitais’ no mundo ‘online’, considerando-se à frente e acima da lei”, refere, acrescentando que “as grandes empresas de tecnologia estão a falhar no cuidado que devem aos seus utilizadores”.

Essas “não devem expandir-se exponencialmente, sem restrições ou supervisão regulatória adequada. Mas apenas os governos e a lei são poderosos o suficiente para contê-los. As ferramentas legislativas já existem”, aponta ainda o relatório.

Em resposta, Karim Palant, responsável pelas políticas públicas do Facebook, disse que a empresa está “aberta a regulamentações significativas” e também apoia “uma legislação de privacidade eficaz, que mantenha altos padrões quanto ao uso de dados e transparência para os utilizadores”.

O responsável acrescentou que a empresa já fez “mudanças substanciais” para que todos os anúncios políticos no Facebook tenham que ser autorizados, sendo obirgatório declarar quem está a pagar pelos mesmos, que são depois armazenados num arquivo que pode ser pesquisado por sete anos.

“Embora ainda tenhamos mais a fazer, não somos a mesma empresa que éramos um ano. Aumentamos para 30 mil o número de pessoas na equipa que deteta e protege os utilizadores de conteúdos nocivos e investimos em ‘learning machine’, inteligência artificial e tecnologia de visão computacional para prevenir este tipo de abuso”, disse.

Ainda esta semana, o secretário de Cultura do Reino Unido, Jeremy Wright, irá para os EUA reunir-se com os diretores de empresas de tecnologia, incluindo Mark Zuckerberg, para debater sobre o conteúdo prejudicial ‘online’, acrescenta o Business Insider.

Durante a investigação, veio a público o escândalo da Cambridge Analytica, o que “acrescentou muito combustível à fogueira”, informou ainda a Fortune.

Taísa Pagno, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …