/

Extremistas israelitas usam WhatsApp para organizar ataques. Biden pede redução da violência, Netanyahu rejeita

Mohammed Saber / EPA-EFE

Extremistas israelitas estão a usar aplicações como o WhatsApp e o Telegram para organizar ataques violentos contra palestinos. Joe Biden pediu a Benjamin Netanyahu uma redução significativa na violência na Faixa de Gaza, mas o primeiro-ministro israelita disse que se mantinha determinado a continuar.

À medida que as hostilidades aumentam entre Israel e o Hamas, alguns israelitas recorrem a aplicações para organizar ataques violentos contra palestinos.

O The New York Times e a FakeReporter descobriram pelo menos 100 grupos do WhatsApp e cerca de 20 canais do Telegram dedicados a defender a violência contra palestinos na semana passada.

A maioria desses grupos é intitulada ofensivamente contra os muçulmanos e clama a sua morte: “Morte aos Árabes”, “A Guarda Judaica” e “As Tropas de Vingança” são alguns nomes.

Num grupo do WhatsApp, o jornal norte-americano encontrou evidências de pessoas a partilhar instruções sobre como fazer cocktails molotov e explosivos improvisados. Já num canal do Telegram, com cerca de 400 membros, um dos administradores solicitou endereços de empresas árabes.

O Facebook e o WhatsApp têm lutado para reprimir este tipo de violações de política nas suas plataformas ao longo do anos.

“Como um serviço de mensagens privadas, não temos acesso ao conteúdo das conversas pessoais, embora tomemos medidas para proibir contas que acreditamos que possam estar envolvidas em danos iminentes”, disse um porta-voz do WhatsApp ao Engadget.

Esta quarta-feira, Joe Biden, Presidente dos Estados Unidos, falou com Benjamin Netanyahu e disse-lhe que esperava ver uma redução significativa na violência na Faixa de Gaza ainda nesse mesmo dia. No entanto, escreve o Público, o primeiro-ministro israelita declarou depois que se mantinha determinado a continuar a operação.

“O Presidente [Biden] disse ao primeiro-ministro [israelita] que esperava uma redução significativa da violência hoje em direção a um cessar-fogo”, indicou a Casa Branca.

Os comentários de Netanyahu marcam o primeiro conflito público entre os dois aliados desde o início da luta e podem complicar os esforços internacionais para chegar a um cessar-fogo, observa a Associated Press (AP).

“Aprecio muito o apoio dos Presidente norte-americano, mas Israel vai continuar a luta para devolver a calma e a segurança aos cidadãos. Estamos determinados em continuar com as operações militares até atingirmos o nosso objetivo”, disse Netanyahu, após uma visita a um quartel.

O governante tem garantido regularmente que vai prosseguir com as operações e a resposta a Biden, que a AP classifica como “dura”, sinaliza que não tem intenções de parar.

Noutro sinal de uma potencial escalada, militantes no Líbano dispararam uma série de foguetes contra o norte de Israel.

Depois de uma nona noite de violência, os ataques aéreos israelitas intensificaram-se esta quarta-feira na Faixa de Gaza. Israel disse esperar “o momento oportuno” para parar os ataques ao enclave palestiniano.

Washington reivindica uma abordagem diplomática “discreta” desde o início deste novo ciclo de violência entre Israel e grupos armados palestinianos em Gaza, com o movimento islâmico que controla o enclave, o Hamas, à frente. Mas muitos no Partido Democrata têm pedido para o Presidente se mostrar mais duro em relação a Netanyahu.

Pelo menos 219 pessoas, incluindo 63 crianças, foram mortas nos ataques israelitas à Faixa de Gaza, segundo o Ministério da Saúde local. Em Israel, os tiros de foguetes a partir do enclave causaram 12 mortos, entre os quais uma criança, de acordo com a polícia israelita.

  Liliana Malainho, ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE