Exames adiados, aulas antecipadas. As recomendações do Ministério do Ensino Superior para as faculdades

Rodrigo Antunes / Lusa

O Governo encerrou todos os estabelecimentos de ensino durante as próximas duas semanas e as escolas não terão ensino à distância. No entanto, o mesmo não se aplica às faculdades.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior divulgou orientações para as instituições de ensino superior, às quais se recomenda, por exemplo, que mantenham as avaliações presenciais consideradas “essenciais” e que não podem ser adiadas.

Nessas situação excecionais, devem ser “adequados os procedimentos de mitigação de risco de contágio por covid-19”, refere o ministério tutelado por Manuel Heitor, em comunicado enviado às redações, citado pelo semanário Expresso.

As restantes avaliações e as atividades em curso — letivas, não letivas e de investigação — devem ser adaptadas para regime não presencial, “garantindo o reforço adequado dos tempos de aprendizagem e o de apoio aos estudantes” e “evitando a interrupção dos programas de ensino/aprendizagem”, bem como “períodos de férias letivas não previstas”.

Esta solução que já tinha sido antecipada ao jornal Público na quarta-feira pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas. “Não nos parece propriamente muito boa ideia fechar as universidades e deixar os estudantes sem aulas e sem exames”, disse António Sousa Pereira, presidente daquele organismo.

Em relação às avaliações, deve ser “ponderada a eventual criação de períodos extraordinários de avaliação ou o acesso a épocas de avaliação especial”, bem como a “antecipação ou recalendarização do início das atividades letivas do segundo semestre em formato de ensino a distância”.

Ensino clínico e os estágios devem manter-se em regime presencial “sempre que possível”, devendo as universidades garantir o acesso a laboratórios e infraestruturas científicas para a realização de trabalhos e investigações “inadiáveis”.

Os funcionários das faculdades devem trabalhar à distância, “sempre que seja compatível com as funções desempenhadas”, ao mesmo tempo que são identificados “os serviços essenciais que devem ser assegurados presencialmente pelos seus trabalhadores”.

Estudantes com necessidades educativas especiais devem ter “acesso equitativo” às atividades não presenciais, sendo disponibilizado apoio psicológico e acompanhamento de saúde mental à comunidade educativa, “em estreita articulação com as associações e federações de estudantes”.

As faculdades devem ainda manter “operacionais” as bibliotecas, cantinas e residências, as quais devem assegurar “serviços de entrega de refeições”, com o devido reforço das medidas de segurança, recomenda o ministério.

Antes da divulgação das orientações, a Universidade de Lisboa já tinha decidido manter os exames presenciais marcados para os próximos dias, encerrando toda a atividade presencial controladamente, segundo disse António Cruz Serra, reitor da universidade, em  declarações à agência Lusa. “Não vamos deixar de dar oportunidade a um estudante que tem exame amanhã [sexta-feira] ou no sábado, que estudou durante semanas para o exame, de o fazer, se a escola conseguir garantir todas as condições de segurança”.

Sindicato do Ensino Superior critica decisão de encerramento

Em entrevista ao semanário Expresso, Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, criticou que as atividades letivas nas universidades e politécnicos sejam suspensas.

“O que deveria ter sido feito era adiar o começo do segundo semestre para permitir não só a preparação de um eventual ensino à distância como também para ajustarmos e aguardarmos que esta curva de novos casos tenha um decréscimo. Durante o primeiro semestre deste ano letivo trabalhámos em regime presencial, com adaptações, e, quando necessário, com recursos online. Era desejável que assim fosse também no segundo semestre e, por isso, teria sido razoável um adiamento do começo para lá deste pico pandémico e recomeçarmos com tranquilidade”.

Além disso, Mariana Gaio Alves disse ver “com alguma surpresa” a decisão de encerramento, uma vez que, nas universidades e politécnicos, “temos taxas de contágio de 1,5% em toda a comunidade do ensino superior – incluindo estudantes, professores e pessoal não docente”.

“Não nos parece que seja dentro das instituições e nas atividades letivas que esteja um foco imenso de contágio. Cá fora, provavelmente, os mesmos estudantes e as mesmas pessoas terão outro comportamento, mas isso passa por uma consciencialização de todos relativamente aos comportamentos que se devem ter”, rematou.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …

Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes. Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do …

Ana Estrada Ugarte. Em decisão histórica, Peru abre as portas à eutanásia

Numa decisão histórica esta quinta-feira, o 11.º Tribunal Constitucional do Superior Tribunal de Justiça de Lima, no Peru, ordenou ao Ministério da Saúde do país que respeitasse a vontade de Ana Estrada Ugarte de acabar …

Árbitros estrangeiros na próxima época? APAF recusa "atestado de incompetência"

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) tem a certeza de que o Conselho de Arbitragem (CA) não irá passar um "atestado de incompetência" aos árbitros portugueses, chamando estrangeiros para encontros de Ligas nacionais. Segundo …

Depois do desconforto que a série causou na Família Real, Harry defende "The Crown"

Durante uma entrevista a James Corden, para o programa americano The Late Late Show, o príncipe Harry defendeu a série The Crown da Netflix, explicando que embora não seja “estritamente precisa”, retrata a pressão da …

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …