EUA recuam e dão 90 dias às empresas para se adaptarem às sanções à Huawei

Rungroj Yongrit / EPA

Os Estados Unidos suspenderam por três meses o sancionamento da Huawei, que vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês. O fundador da Huawei afirmou que os EUA “subestimaram a força” da gigante chinesa.

A administração dos Estados Unidos vai permitir que durante os próximos três meses a Huawei ainda possa atualizar componentes e programas informáticos norte-americanos nos aparelhos que já tenham sido vendidos.

Depois do dia 19 de agosto, as sanções impostas pelos Estados Unidos, que determinam que as empresas norte-americanas não podem vender hardware e software à Huawei, entram em vigor.

O fundador da empresa, Ren Zhengfei alertou que os Estados Unidos estão a subestimar a força do gigante tecnológico chinês e que é inevitável que haja conflito para chegar ao “topo do mundo”.

“Sacrificámo-nos e às nossas famílias pelo nosso ideal: para estar no topo do mundo. Para chegar a este ideal, mais cedo ou mais tarde, haverá conflito com os Estados Unidos”, disse Zhengfei, à televisão estatal chinesa CCTV.

“A equipa política americana, pela maneira atual de fazer as coisas, mostra que subestima a nossa força”, disse o fundador da Huawei, como resposta ao bloqueio das empresas norte-americanas à marca.

Numa entrevista à estação CCTV, esta terça-feira, Zhengfei garantiu que as sanções não vão comprometer o desenvolvimento da rede 5G. “A 5G da Huawei não será afetada” prometeu Zhengfei, acrescentando que “nem daqui a dois ou três anos” outras empresas vão conseguir competir com a gigante chinesa no que diz respeito à quinta geração móvel.

Depois de os Estados Unidos terem colocado a Huawei numa lista negra, a Google anunciou que ia suspender os negócios com a empresa chinesa e as fabricantes de chips Intel, Qualcomm, Xilinx e Broadcom anunciaram também a suspensão de entregas à Huawei. Este período transitório de 90 dias, que pode ser aproveitado pela Huawei e os seus parceiros comerciais para se adaptarem, parece querer acalmar a tensão com os chineses.

“Esta autorização geral temporária dá (ao setor) tempo para se reorganizar e ao Departamento (do Comércio) a possibilidade de determinar as medidas apropriadas a longo prazo para as empresas de telecomunicações norte-americanas e estrangeiras, que hoje se servem dos equipamentos da Huawei para alguns serviços essenciais”, indicou o secretário do Comércio, Wilbur Ross, em comunicado. Em resumo, esta decisão vai permitir aos utilizadores de equipamentos Huawei continuar a utilizá-los.

Mas para Ren Zhengfei esta benesse é pouco relevante: “A licença temporária de 90 dias dos Estados Unidos não nos causa muito impacto. Estamos preparados.”

Em causa estão não só as aplicações da Google, como Gmail e Google Maps, que a Huawei e outras companhias podem tentar colmatar com aplicações alternativas, mas também o fornecimento de chips, metade deles vindos dos Estados Unidos. “Não podemos viver isolados do mundo. Também podemos fabricar chips como os norte-americanos, mas não quer dizer que não os iremos comprar”.

Sobre quanto tempo poderá a Huawei aguentar este braço de ferro, o fundador disse, citado pelo The Guardian: “Vão ter de perguntar a Trump, não a mim”.

Também esta terça-feira, a Huawei anunciou estar em negociações com a Google para tentar encontrar uma solução às restrições impostas pela administração norte-americana. “A Google é uma boa empresa e altamente responsável. A Google e a Huawei estão em discussão para tentar encontrar uma resposta”, disse Ren Zhengfei aos jornalistas, num encontro com a imprensa local em Pequim.

Em contexto de guerra comercial, Donald Trump decidiu na semana passada interditar as exportações de produtos tecnológicos norte-americanos para algumas empresas consideradas “de risco” para a segurança nacional. Foi assim que o conglomerado Huawei entrou para a lista negra de Washington.

A Huawei foi criada em 1987 por um antigo dirigente militar chinês, Ren Zhengfei, e já contou com forte investimento por parte do governo da China, o que faz com que os Estados Unidos suspeitem que os equipamentos sejam usados para espionagem, especialmente tendo em conta uma lei de 2017 que obriga as grandes empresas chinesas a cooperarem com os serviços de informações do país.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting vai avançar com ação de despejo das claques

A SAD leonina vai avançar com uma ação de despejo para que as claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI deixem os espaços que ocupam no Estádio José Alvalade, avança A Bola esta quarta-feira. De …

"Ninguém quer trabalhar" na Casa Pia. Pais em protesto devido à falta de pessoal

Os pais e encarregados de educação do Centro Educativo e Desenvolvimento D. Maria Pia, em Lisboa, vão entregar na segunda-feira um abaixo-assinado à tutela para pedir a abertura de concursos externos para reforço de pessoal …

Trump elogiou Erdogan, depois de uma reunião que descreveu como "maravilhosa e produtiva"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, elogiou na quarta-feira o seu relacionamento com o homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan. Os dois líderes encontraram-se para tentar superar várias diferenças, incluindo a situação na Síria e a compra …

MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas …

Imunidade diplomática deixa em liberdade suspeito de tentar matar com ácido sulfúrico

O suspeito de homicídio, na forma tentada, ficou em liberdade depois de ter apresentado o passaporte diplomático às autoridades, que impede que seja detido ou constituído arguido. De acordo com a TVI24, um alto responsável da …

Zivkovic quer rescindir contrato com o Benfica

O extremo sérvio quer chegar a acordo com o Benfica para ficar livre a ano e meio do final do seu contrato mas, pelos vistos, a SAD encarnada nem quer ouvir falar dessa hipótese. De acordo …

Cigarros eletrónicos. Primeiro duplo transplante de pulmões feito em jovem de 17 anos em situação de "morte iminente"

Em risco de "morte iminente" por lesões causadas pelo uso de cigarros eletrónicos, um jovem de 17 anos foi submetido a um duplo transplante de pulmões, no estado norte-americano do Michigan. Este caso é considerado …

Parlamento Europeu levanta imunidade do eurodeputado José Manuel Fernandes

O Parlamento Europeu decidiu levantar a imunidade ao eurodeputado do PSD José Manuel Fernandes, após um pedido feito pela justiça e pelo próprio, relativo a uma eventual ação judicial por um alegado crime de prevaricação. Em …

"Agiu de forma premeditada". Mãe que deixou bebé no lixo vai continuar presa

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou esta quinta-feira o pedido de habeas corpus para a libertação da jovem de 22 anos que terá deixado o seu filho recém-nascido num caixote do lixo em Lisboa. A …

Mau tempo nas próximas 48h. Proteção Civil alerta para cheias e quedas de árvores

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil alertou para a possibilidade de lençóis de água e de gelo nas estradas, cheias rápidas e queda de árvores, devido ao mau tempo nas próximas 48 horas …