EUA vão rotular produtos importados de Hong Kong como “Made in China”

Jerome Favre / EPA

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam

Os líderes de Hong Kong têm insistido que a região é uma parte “inalienável” da China, com a lei de segurança nacional a estabelecer pesadas penas para quem defende a separação. Em consequência, os Estados Unidos (EUA) criaram uma nova medida que atinge os produtos importados daquele território.

Depois do estabelecimento dessa nova lei, os EUA determinarem que a região não tinha mais autonomia, com a Alfândega e Proteção de Fronteiras norte-americana a determinar que as importações de Hong Kong passariam a ser rotuladas como “Made in China” (“Fabricado na China”, em tradução livre).

Segundo noticiou o Washington Post, na quinta-feira, durante uma conferência, o secretário de Comércio de Hong Kong, Edward Yau Tang-wah, afirmou que a região não é, de facto, a China. Rotular os seus produtos como “Made in China” seria “mentir”, defendeu.

De acordo com o responsável, esta medida – que entrará em vigor após um período de transição de 45 dias -, é o mesmo que rotular “Made in USA” (“Produzido nos EUA”) os produtos produzidos no Canadá ou no México.

De acordo com o Washington Post, esta tentativa do Governo de Hong Kong em distanciar-se China tem sido criticada. “O secretário Yau acha que o Canadá e o México são ‘partes inalienáveis’ dos EUA?”, questionou um utilizador no Twitter.

Enquanto Yau argumentou que Hong Kong continua a ser um território aduaneiro autónomo e membro da Organização Mundial do Comércio, a decisão dos EUA antecipa conflitos para a região. Em resposta à lei de segurança nacional, o Presidente norte-americano Donald Trump assinou uma ordem executiva que suspende o tratamento económico preferencial a Hong Kong. Outros países poderiam seguir essa mesma direção.

Mas o aparente paradoxo na resposta de Hong Kong é, na verdade, “a essência original de um país, dois sistemas”, fórmula que guiou a transferência de Hong Kong da soberania britânica para a chinesa em 1997, de acordo com Ma Ngok, um professor associado de política local da Universidade de Hong Kong.

Na época, explicou Ma Ngok, os cidadãos aceitaram essa estrutura porque lhes prometia um alto nível de autonomia económica e política. Hong Kong continua a gozar de autonomia económica, referiu o professor, mantendo membros separados em organismos internacionais e os seus próprios regimes alfandegários, marítimos e de aviação – mesmo com o espaço para autonomia política a estreitar rapidamente.

À medida que Pequim aperta o controle sobre a região, os termos deste acordo mudaram para manter a autonomia económica de Hong Kong, mas restringindo a sua independência política e judicial. Contudo, se Hong Kong não gozar de autonomia política, Washington retirará os privilégios de autonomia económica, apontou o professor.

Com as preocupações mais focadas na pandemia, Nick Marro, analista-chefe para questões de comércio global da Economist Intelligence Unit em Hong Kong, acredita que o confronto sobre o “Made in Hong Kong” é mais de natureza política do que económica.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Lilium testou o seu táxi voador de quinta geração — com direito a vídeo e som

Empresa alemã quer tornar-se uma referência do transporte aéreo de nova geração, pelo que se tem esforçado por responder a todos os pedidos e solicitações de melhorias enviadas por possíveis compradores. O modelo eVTOL da empresa …

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …

Vizela - Paços de Ferreira bateu recorde de assistência na I Liga

Maior número de adeptos do campeonato também foi registado nesta jornada, no Benfica-Boavista; mas em termos de ocupação do estádio, o Vizela deixou longe toda a concorrência. Desde os anos 80 do século passado que não …

150 anos antes da viagem histórica de Colombo, um frade italiano escrevia sobre a America

Por volta do ano 1340, Galvano Fiamma registou, na sua Cronica universalis, a existência de terras a oeste da Gronelândia habitadas "por gigantes". Trata-se da primeira menção documentada do continente americano no Mediterrâneo, cerca de …

Os antigos compadres zangaram-se de vez. Trump puxa os cordelinhos nos bastidores para correr com McConnell

A relação de altos e baixos entre os dois azedou de vez depois de McConnell ter reconhecido a vitória de Joe Biden. Trump quer agora que um Republicano concorra contra McConnell pelo cargo da liderança …

Bombeiros embrulharam a maior árvore do mundo em papel de alumínio. Tudo para a proteger

O incêndio consumiu milhares de acres na Califórnia e o National Park Service viu-se obrigado a intensificar os seus esforços para proteger as jóias naturais, incluindo as maiores árvores do mundo. Os incêndios Colony e Paradise …

EUA trocaram "guerra implacável" por "diplomacia implacável" no Afeganistão, diz Biden

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, disse esta terça-feira à Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) que o país se está a concentrar na "diplomacia implacável" e no encerramento de uma era de …

Presidente de El Salvador autodenomina-se "Ditador de El Salvador"

O Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, alterou no domingo a descrição do seu perfil no Twitter para "Ditador de El Salvador", passando depois para "Ditador mais 'cool' do mundo mundial", situação registada após os …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre

O Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos abriu um processo contra Fernando Nobre, por causa das suas declarações numa manifestação de negacionistas em frente à Assembleia da República. A Ordem dos Médicos (OM) …