EUA aprovam vacina da Pfizer após pressões políticas. México aprova uso de emergência

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, em inglês), que regula a comercialização de fármacos nos Estados Unidos, autorizou o uso da vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer para prevenir a covid-19, após pressões políticas.

O anúncio foi feito pela diretora científica da agência norte-americana, depois de o processo de aprovação ter sido notícia devido às pressões políticas da Casa Branca, que ameaçou demitir o responsável da FDA, caso o organismo não aprovasse a utilização da vacina até ao final de sexta-feira.

Segundo o diário norte-americano Washington Post, o chefe de Gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, ordenou à Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) que apressasse o processo de aprovação da vacina da Pfizer e da alemã BioNTech contra o SARS-CoV-2. Caso contrário, o comissário da FDA, Stephen Hahn, deveria demitir-se.

O jornal citava várias fontes associadas a este processo sob a condição de anonimato, precisando que a ‘ameaça’ de Washington fez com que a aprovação fosse apressada.

No mesmo dia, o Presidente cessante dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, utilizou a rede social Twitter — um hábito que mantém a um mês e meio de abandonar a Casa Branca — para dizer que a FDA “continua a ser uma tartaruga grande, velha, lenta”.

“Coloque a porcaria das vacinas cá fora já, Dr. Stephen Hahn. Deixe-se de brincadeiras e comece a salvar vidas”, criticou Trump.

Em comunicado, consultado pela agência Lusa, a FDA explicou na sexta-feira que estava a “trabalhar rapidamente no sentido da finalização e emissão de uma autorização de utilização de emergência”.

Donald Trump anunciou que a vacinação contra a covid-19 vai começar “em menos de 24 horas”, num vídeo divulgado na rede social Twitter.

A pandemia continua a assolar os Estados Unidos, que são há vários meses o país com o maior número de mortos (294.690) e também de infeções confirmadas (mais de 15,8 milhões).

Trump – derrotado nas eleições presidenciais de 3 de novembro pelo candidato democrata e agora Presidente eleito, Joe Biden — fez da rápida aprovação de uma vacina contra a covid-19 uma das bandeiras da campanha eleitoral, assegurando sucessivamente que seria distribuído um fármaco eficaz antes do final do ano e que os Estados Unidos seriam o primeiro país a receber a vacina.

Contudo, tal não se verifica, uma vez que o Reino Unido foi o primeiro país a começar a campanha de vacinação, da mesma vacina que, depois da pressão da Casa Branca, foi agora aprovada em território norte-americano.

México aprova uso de emergência

A Comissão Federal para a Proteção contra Riscos Sanitários (Cofepris) do Governo mexicano autorizou hoje o uso de emergência da vacina da Pfizer e BioNTech para prevenir a covid-19, com a vacinação a arrancar este mês.

“É um motivo desde já de esperança”, disse o subsecretário para a Prevenção e Promoção da Saúde, Hugo López-Gatell, comentando o anúncio.

Com esta decisão, o México converte-se no quinto país do mundo a dar luz verde ao fármaco, depois do Reino Unido, Bahrein, Canadá e Arábia Saudita, aprovando-a antes dos Estados Unidos, que ainda aguardam a decisão final da Administração de Alimentos e Medicamentos.

O México vai comprar 34,4 milhões de doses à Pfizer, devendo receber um primeiro pacote para vacinar 125.000 trabalhadores do setor da saúde já a partir da próxima semana.

Apesar de a vacina da Pfizer ter suscitado dúvidas inicialmente no México, por requerer um sistema de conservação a 70.º graus abaixo de zero, o Governo mexicano estabeleceu um mecanismo para a sua distribuição.

Além disso, o país prometeu comprar 77,4 milhões de doses à britânica AstraZeneca, 35 milhões à chinesa CanSino e 34,4 milhões da plataforma Covax, organizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de acordo com a Secretaria de Relações Externas (SRE).

Com uma população de 130 milhões de habitantes, o México é o quarto país com o maior número de mortos (113.019) e o 12.º com mais infeções (quase 1.229.379), de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Só nas últimas 24 horas, o país registou 693 mortes e 12.253 novas infeções.

Este é o quarto dia consecutivo em que o país contabiliza mais de 11 mil casos da doença, o valor mais alto desde 05 de outubro, quando se registaram 28.115 infeções, então justificadas com alterações metodológicas que levaram à inclusão de casos mais antigos no balanço diário.

O responsável pelo combate à pandemia admitiu que a situação na Cidade do México piorou, com uma taxa de ocupação de 62% nos cuidados intensivos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …