EUA aprovam vacina da Pfizer após pressões políticas. México aprova uso de emergência

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, em inglês), que regula a comercialização de fármacos nos Estados Unidos, autorizou o uso da vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer para prevenir a covid-19, após pressões políticas.

O anúncio foi feito pela diretora científica da agência norte-americana, depois de o processo de aprovação ter sido notícia devido às pressões políticas da Casa Branca, que ameaçou demitir o responsável da FDA, caso o organismo não aprovasse a utilização da vacina até ao final de sexta-feira.

Segundo o diário norte-americano Washington Post, o chefe de Gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, ordenou à Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) que apressasse o processo de aprovação da vacina da Pfizer e da alemã BioNTech contra o SARS-CoV-2. Caso contrário, o comissário da FDA, Stephen Hahn, deveria demitir-se.

O jornal citava várias fontes associadas a este processo sob a condição de anonimato, precisando que a ‘ameaça’ de Washington fez com que a aprovação fosse apressada.

No mesmo dia, o Presidente cessante dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, utilizou a rede social Twitter — um hábito que mantém a um mês e meio de abandonar a Casa Branca — para dizer que a FDA “continua a ser uma tartaruga grande, velha, lenta”.

“Coloque a porcaria das vacinas cá fora já, Dr. Stephen Hahn. Deixe-se de brincadeiras e comece a salvar vidas”, criticou Trump.

Em comunicado, consultado pela agência Lusa, a FDA explicou na sexta-feira que estava a “trabalhar rapidamente no sentido da finalização e emissão de uma autorização de utilização de emergência”.

Donald Trump anunciou que a vacinação contra a covid-19 vai começar “em menos de 24 horas”, num vídeo divulgado na rede social Twitter.

A pandemia continua a assolar os Estados Unidos, que são há vários meses o país com o maior número de mortos (294.690) e também de infeções confirmadas (mais de 15,8 milhões).

Trump – derrotado nas eleições presidenciais de 3 de novembro pelo candidato democrata e agora Presidente eleito, Joe Biden — fez da rápida aprovação de uma vacina contra a covid-19 uma das bandeiras da campanha eleitoral, assegurando sucessivamente que seria distribuído um fármaco eficaz antes do final do ano e que os Estados Unidos seriam o primeiro país a receber a vacina.

Contudo, tal não se verifica, uma vez que o Reino Unido foi o primeiro país a começar a campanha de vacinação, da mesma vacina que, depois da pressão da Casa Branca, foi agora aprovada em território norte-americano.

México aprova uso de emergência

A Comissão Federal para a Proteção contra Riscos Sanitários (Cofepris) do Governo mexicano autorizou hoje o uso de emergência da vacina da Pfizer e BioNTech para prevenir a covid-19, com a vacinação a arrancar este mês.

“É um motivo desde já de esperança”, disse o subsecretário para a Prevenção e Promoção da Saúde, Hugo López-Gatell, comentando o anúncio.

Com esta decisão, o México converte-se no quinto país do mundo a dar luz verde ao fármaco, depois do Reino Unido, Bahrein, Canadá e Arábia Saudita, aprovando-a antes dos Estados Unidos, que ainda aguardam a decisão final da Administração de Alimentos e Medicamentos.

O México vai comprar 34,4 milhões de doses à Pfizer, devendo receber um primeiro pacote para vacinar 125.000 trabalhadores do setor da saúde já a partir da próxima semana.

Apesar de a vacina da Pfizer ter suscitado dúvidas inicialmente no México, por requerer um sistema de conservação a 70.º graus abaixo de zero, o Governo mexicano estabeleceu um mecanismo para a sua distribuição.

Além disso, o país prometeu comprar 77,4 milhões de doses à britânica AstraZeneca, 35 milhões à chinesa CanSino e 34,4 milhões da plataforma Covax, organizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de acordo com a Secretaria de Relações Externas (SRE).

Com uma população de 130 milhões de habitantes, o México é o quarto país com o maior número de mortos (113.019) e o 12.º com mais infeções (quase 1.229.379), de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Só nas últimas 24 horas, o país registou 693 mortes e 12.253 novas infeções.

Este é o quarto dia consecutivo em que o país contabiliza mais de 11 mil casos da doença, o valor mais alto desde 05 de outubro, quando se registaram 28.115 infeções, então justificadas com alterações metodológicas que levaram à inclusão de casos mais antigos no balanço diário.

O responsável pelo combate à pandemia admitiu que a situação na Cidade do México piorou, com uma taxa de ocupação de 62% nos cuidados intensivos.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …