Estudo sugere que coronavírus pode “viver” nos sapatos e transmitir-se até 4 metros de distância

Giuseppe Lami / EPA

Um novo estudo feito num Hospital de Wuhan, na China, concluiu que o coronavírus paira no ar em zonas onde estiveram pacientes e que pode haver riscos de infecção até 4 metros de distância. Além disso, o coronavírus foi encontrado nas solas dos sapatos de profissionais de saúde.

A investigação publicada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDCP na sigla original em Inglês) foi levada a cabo entre 19 de Fevereiro e 2 de Março de 2020 no Hospital Huoshenshan em Wuhan, na China, a cidade onde começou o surto de Covid-19.

Os investigadores testaram “amostras do ar e das superfícies” da Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e de uma ala geral com pacientes de Covid-19. Concluíram que o coronavírus encontrava-se “amplamente distribuído no chão, nos ratos de computadores, nos baldes de lixo e nos corrimãos”, conforme indicam no estudo.

O vírus SARS-CoV-2 foi ainda “detectado no ar a 4 metros dos pacientes”, o que indicia que a transmissão pode ocorrer a essa distância.

Os investigadores explicam que foram recolhidas “amostras de zaragatoa” de “objectos potencialmente contaminados”, bem como amostras do “ar interior” e de “saídas de ar para detectar a exposição ao aerossol” do vírus. As principais vias de transmissão do SARS-CoV-2 são “as gotículas respiratórias e o contacto próximo“, lembram os autores do estudo.

As conclusões obtidas indicam que “a taxa de positividade foi relativamente alta para as amostras do chão”, com destaque para a UCI onde foi de 70% contra apenas 15,4% da ala geral. “A gravidade e o fluxo de ar” podem ter levado a que “a maioria das gotículas do vírus” caíssem até ao chão, explicam os investigadores.

“À medida que o staff médico caminhava na ala, o vírus pode ser encontrado por todo o chão, como indica a taxa de 100% de positividade no chão na farmácia, onde não havia pacientes”, referem ainda, notando que “todas as amostras das solas dos sapatos do pessoal médico da UCI testaram positivo”.

“As solas do pessoal médico podem funcionar como transportadores” do coronavírus, referem os cientistas, destacando também “os resultados positivos de três semanas do chão do balneário” usado pelo pessoal médico.

Assim, deixam a recomendação de que “as pessoas desinfectem as solas dos sapatos antes de saírem de alas contendo pacientes de Covid-19″.

Foi também encontrada “uma taxa de positividade relativamente alta para as superfícies dos objectos frequentemente tocadas pelo staff médico ou pacientes”. As taxas mais elevadas foram detectadas nos ratos do computador (75% na UCI e 20% na ala geral), seguindo-se os baldes de lixo (60% na UCI) e os corrimãos (42,9% na UCI).

O estudo evidencia ainda “resultados positivos esporádicos” nas “mangas e luvas do pessoal médico”, o que sugere que os profissionais de saúde devem ter práticas de higiene “imediatamente depois do contacto com o paciente”.

Também houve uma alta taxa de positividade nas máscaras dos pacientes, como seria de esperar, pelo que se deve “desinfectar adequadamente essas máscaras antes de as descartar”, recomendam os investigadores.

“Distância de transmissão pode ser de 4 metros”

A pesquisa ainda conclui que a “exposição aos aerossóis de SARS-CoV-2 implica riscos” e que a “distância de transmissão pode ser de 4 metros”.

“Os aerossóis carregados de vírus estavam principalmente concentrados próximo e a jusante dos pacientes”, “mas o risco de exposição também estava presente na área a montante”, sublinham os autores do estudo.

“A área de maior risco era a de tratamento e cuidado do paciente, onde a taxa de positividade foi de 40.6%”, enquanto “a área de menor risco foi a do consultório do médico, onde a taxa de positividade foi de 12.5%”.

Também foi detectada a presença do vírus “no ar e em superfícies de objectos, tanto na UCI como na ala geral”, o que representa “um potencial de grande risco de infecção” para os profissionais de saúde.

Perante isto, os cientistas consideram que o isolamento em casa de pessoas com Covid-19 pode “não ser uma boa estratégia de controlo”, já que pode haver riscos do aparecimento de clusters familiares de infecção”. Como exemplo apontam que a China isolou todos os pacientes, mesmo os menos graves, de modo a que recebessem cuidados de profissional médico, o que lhe terá permitido controlar o surto de forma mais rápida.

Os autores da pesquisa alertam, contudo, que a investigação tem “duas limitações”. Por um lado, “os resultados do teste de ácido nucleico não indicam a quantidade de vírus viáveis” e, por outro, “para a dose infecciosa mínima desconhecida, a distância de transmissão do aerossol não pode ser estritamente determinada”. Isto implica que mais estudos são necessários para retirar conclusões definitivas.

De qualquer modo, o estudo reforça a importância de “melhorar as práticas de segurança para o pessoal médico”, especialmente quando se trabalha nas UCI.

SV, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É isto precisamente que tem que ser investigado e conclusões seguras são necessarias (que não seja como a historia do pão que investigação feita em instituições de prestigio… conclui que se deve comer o mais possível, enquando de outra instituição de prestigio vem a conclusão exactamente oposta!). Já há muitas pessoas a fazer pesquisa de vacinas e tratamentos e esperemos que consigam (que “tratamento” há para “matar” os virus da gripe?…) mas estas questões são fundamentais (quantos projetos de investigação a FCT recebeu candidatura neste tema? neste trabalho “sujo” e “menor” da “contaminação” e não da genetica por exemplo … Espero que muitos!) até porque as pessoas não podem ficar indefinidamente em casa… tem que trabalhar… e não apenas porque há pessoas que querem voltar a poder continuar enriquecer depressa… temos que comer e tudo o mais que é essencial. E se funciona, para alguns, enriquecer sem fazer nada (ou quase)… para a larga maioria não é assim, mesmo que seja “só” para sobreviver… Mas para sair de casa temos que saber como o podemos fazer em segurança (nossa e dos outros). Finalmente parece haver o bom (comum) senso de “recomendar” o uso de mascaras (e luvas… mas também é preciso mostrar como agir… porque se se usam luvas e se toca numa superfície infetada e depois se “coça” o nariz com o dedo “enluvado”…) mas convém saber quanto tempo o vírus resiste nas gotas de saliva, em água, na pele, na madeira do tampo da mesa, em vidro, em plastico, em borracha, na comida (e se for cozida?… há os tais 65ºC que parece dizer “mata” tudo… mas será mesmo assim?). Se nós, enquanto “comuns” cidadãos, conseguíssemos ver os virus certamente já teríamos investigado a questão… mas é preciso equipamentos e métodos especiais… que felizmente já existem! Dá é trabalho… e é necessário método, planeamento e esforço sistemático, e com urgência… mesmo que os resultados possam não ter o “brilho” de outros tipos investigação…

RESPONDER

Metro de Nova Iorque pede à Apple para melhorar sistema de reconhecimento facial

A autoridade que gere o metro de Nova Iorque, nos Estados Unidos, pediu à gigante tecnológica Apple para melhorar o reconhecimento facial dos seus dispositivos depois de serem observados vários passageiros a retirar a máscara …

Rival da Tesla diz que o seu carro terá uma autonomia de 832 quilómetros

A empresa Lucid Motors, concorrente direta da Tesla no mercado automóvel elétrico, afirma que o seu carro Air terá uma autonomia de 832 quilómetros. A confirmar-se a autonomia deste carro, o automóvel da Lucid Motors ultrapassará …

Moradores das Maurícias estão a cortar o próprio cabelo para ajudar a evitar um desastre ambiental

Moradores das Maurícias estão a cortar o seu próprio cabelo para para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio janponês encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha. Estima-se que …

Atalanta 1-2 PSG | Reviravolta épica vale bilhete para as “meias”

Um final impróprio para cardíacos e o epílogo perfeito num excelente jogo. O PSG esteve a perder desde o minuto 27, mas em apenas três minutos dos descontos deu a volta ao texto diante da …

Um emblemático transplante nos EUA aconteceu graças a um coração "roubado"

Um dos primeiros transplantes de coração realizados no mundo aconteceu no Estados Unidos. O que muitos não sabem é que este caso de sucesso também deu aso ao primeiro processo civil no país por homicídio …

"Pandemia de sem-abrigo" nos EUA. Há 30 milhões de pessoas sob risco de despejo

Nos Estados Unidos da América avizinha-se uma "pandemia de sem-abrigo". Até ao final de setembro, 30 milhões de norte-americanos estão em risco de despejo devido à covid-19. Nos Estados Unidos, a pandemia de covid-19 pode estar …

Tráfego nas autoestradas cai para quase metade. Foi o pior trimestre de sempre

A rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) registou de abril a junho "o pior trimestre de circulação e tráfego médio desde que há registos", recuando 46% devido …

Bielorrússia cortou acesso à internet e tentou fazer com que parecesse um acidente

No seguimento da reeleição de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia, multiplicam-se os apagões de internet. O Governo diz que se trata de um ataque cibernético, mas há suspeitas de que seja um plano do presidente. Os protestos …

Resgatados 28 cães sem registo ou vacinas de barracões onde também vivia a proprietária em Lisboa

Vinte e oito cães foram retirados pela PSP terça-feira de barracões em Lisboa onde também vivia a proprietária, avança a agência Lusa, detalhando que os animais serão depois colocados para adoção.  Os animais foram posteriormente recolhidos …

Pela primeira vez em 300 anos, é possível visitar esta ilha em Cabo Cod

Pela primeira vez em 300 anos, uma ilha ao largo da costa de Cabo Cod, península em forma de gancho no estado norte-americano de Massachusetts, está aberta ao público. A Ilha Sipson é propriedade privada desde …