Estivadores de Setúbal aprovam acordo e põem fim à greve

André Areias / Lusa

Os trabalhadores do Porto de Setúbal aprovaram o acordo que vai pôr fim à greve às horas extraordinárias e também ao impasse na Autoeuropa, avança o jornal Público esta sexta-feira.

Os estivadores chegaram a acordo com os operadores portuários para a integração de 56 trabalhadores no Porto Setúbal. A notícia foi avançada à Lusa pelos estivadores desta estrutura portuária.

As mesmas fontes confirmaram que o acordo já foi aprovado pelos trabalhadores eventuais que se recusavam a apresentar-se ao trabalho desde o dia 5 novembro.

Depois de uma ameaça de uma paragem forçada na fábrica de Palmela, o Público avança que os trabalhadores do Porto de Setúbal aprovaram o acordo que vai pôr fim à greve às horas extraordinárias e ao impasse na Autoeuropa. O acordo foi confirmado pelo matutino junto dos trabalhadores e junto do gabinete da ministra do Mar.

Assim, de acordo com o jornal, os estivadores de Setúbal aprovaram o regresso às horas extraordinárias já na próxima segunda-feira. Em greve desde dia 5 de novembro, o Governo terá dado, nas últimas horas, garantias aos representantes sindicais de que vai ajudar a encontrar uma solução para o diferendo dos trabalhadores efetivos, que representam 10% dos estivadores naquele porto.

Os termos da proposta levada a votação nesta sexta-feira indicavam que a greve deverá, no entanto, manter-se no Porto de Leixões, o que não afetaria o escoamento dos carros da Autoeuropa. Segundo o Público, isto significa que o acordo fechado desde 30 de novembro, para a contratação de 56 trabalhadores eventuais, pode avançar.

Assim, neste novo cenário, fica resolvida a situação que estava a afligir a administração da Autoeuropa, o Governo e a casa-mãe da Volkswagen, na Alemanha.

Os trabalhadores continuavam a trabalhar normalmente, mas foram alertados para a possibilidade de serem forçados a parar “por tempo indeterminado”, porque na sede da Volkswagen, em Wolfsburgo, se começou a questionar o envio de motores para Portugal, tendo em conta que a produção não estava a ser escoada.

Nas últimas horas, viveram-se horas de grande ansiedade em Palmela, temendo-se uma paragem forçada por tempo indeterminado. “Estamos todos na expectativa em relação ao que a ministra vai anunciar”, disse ao jornal um dos representantes dos trabalhadores.

O porto de Setúbal está praticamente parado há mais de um mês devido à recusa dos estivadores eventuais em se apresentarem ao trabalho, em protesto contra a situação de precariedade em que se encontram, alguns há mais de 20 anos.

Os estivadores eventuais, sem contrato de trabalho e sem quaisquer regalias, além do salário que recebem por cada turno realizado, representam a maioria da mão-de-obra disponível no porto de Setúbal, pelo que a recusa em se apresentarem ao trabalho tem inviabilizado a operação de movimentação de cargas.

“Dia extremamente importante para o Porto de Setúbal”

“É um dia extremamente importante para o Porto de Setúbal e naturalmente para a economia portuguesa, mas acima de tudo para todos os trabalhadores do Porto de Setúbal”, afirmou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, resumindo o acordo assinado entre o Governo e os trabalhadores do Porto de Setúbal.

O acordo, assinado durante a conferência, põe fim à greve às horas extraordinárias. A ministra do Mar anunciou ainda a contratação imediata de 56 trabalhadores, bem como a contratação a curto prazo de mais dez trabalhadores.

Esta negociação não foi feita “sob pressão”, disse a ministra, adiantando que “todos os dias foram conseguidas pequenas conquistas”. “Tudo é para ser resolvido tão depressa quanto possível e tão devagar quão necessário.”

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Deixaram de ter quem lhes financiasse os dias de Greve?
    È como as Srs enfermeiras/os, já tem um plafond que dá quase para 1 ano de greve. Quem será que está a financiar esta gentinha?
    O que devia de acontecer era terem familiares muito próximos que necessitassem de ser operados e por causa da greve dos Srs enfermeiras/os, não sobrevivessem. Claro que os familiares não tem culpa, mas tb as pessoas que estão a morrer por culpa da greve não tem culpa.
    Que fiquem com um grande peso na consciência se é que a têm. Penso que a Srª Bastonária não deve ter ao vir para a televisão gabar-se das cirurgias adiadas e do mal que está a causar aos portugueses

  2. Quanto a mim o que eles vão pôr é fim às empresas naquela região do país, a história deve estar prestes a repetir-se a não ser que haja empresários com pachorra para aturar tanta irresponsabilidade o que não me parece pois as exigências de mercado não se compadecem com tais argumentos.

RESPONDER

Há uma nova ameaça nas salas de aula e chama-se Fortnite

O jogo online mais popular do mundo, com mais de 200 milhões de utilizadores registados, encanta crianças cada vez mais novas. Numa escola primária do Montijo, as aulas passaram a decorrer de forma diferente por …

Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um …

May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para …

Porto vende 35 mil francesinhas por dia (e os turistas adoram)

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem …

China limita número de alpinistas autorizados a escalar Everest

O número total de alpinistas que tentam alcançar o topo do Everest, a 8.850 metros de altitude, a partir do norte, serão limitados a menos de 300, e a temporada de escalada será restringida à …

Rede francesa de solidariedade acolhe brasileiros que queiram fugir de Bolsonaro

Solidarité Brésil é o nome da iniciativa, lançada esta sexta-feira, em Paris, que tem como objetivo ajudar estudantes, artistas ou intelectuais que se sintam ameaçados no Brasil de Jair Bolsonaro. Podem ser estudantes, investigadores, artistas, professores, …

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Todos os dias, em média, cinco emigrantes portugueses tornam-se britânicos. Só entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido conseguiram obter cidadania britânica, número que supera o total de autorizações …

O maior encontro religioso do mundo leva 150 milhões de pessoas à Índia

Até 04 de março, são esperados na cidade indiana Allahabad cerca de 150 milhões de peregrinos, que buscam proteção e purificação nas águas que cruzam os rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati, durante aquele que é …

Ciclistas indignados com anúncio que mostra bicicleta a ser abalroada

Um anúncio de publicidade do Continente em que um ciclista é abalroado por um automóvel está a gerar indignação. A Federação Portuguesa de Ciclismo já pediu a retirada do anúncio e apresentou queixa à Entidade …

Hoje, Wall Street parou. É dia de Martin Luther King Jr

Desde 1986 que se realiza, nos EUA, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova York estará encerrada, assim como a maior parte das …