Estado Islâmico inventou a “força aérea dos pobres”

O grupo extremista Estado Islâmico está a mudar as regras da guerra com o recurso generalizado a camiões-bomba que, pelo impacto comparável ao de um ataque aéreo, constituem uma autêntica “força aérea dos pobres”, afirmam especialistas.

No assalto à cidade de Ramadi, capital da província iraquiana de Al-Anbar, tomada em meados de maio às forças governamentais, os ‘jihadistas’ usaram 30 camiões carregados com toneladas de explosivos, destruindo posições do exército e milícias aliadas que resistiam há mais de ano.

Na ofensiva que lançaram em Junho do ano passado no Iraque, os ‘jihadistas’ têm recorrido a veículos blindados de transporte de tropas, carrinhas de caixa aberta ou camiões-tanque pilhados aos adversários que carregam com toneladas de explosivos e envolvem com uma armação de aço.

Quando uma posição está demasiado bem defendida para um ataque convencional, usam um desses camiões-bomba, conduzido direito ao alvo.

“Estão protegidos do fogo das metralhadoras pesadas  de 12,7mm e até de alguns RPGs (lança-granadas-foguete) e têm tantos explosivos dentro que são eficazes mesmo a 50 metros”, explicou um especialista militar iraquiano à France Presse.

Os vídeos de ataques com camiões-bomba, que o Estado Islâmico também usou na batalha de Kobane, no norte da Síria, e noutras frentes, mostram enormes explosões visíveis a quilómetros de distância.

“Os estragos são maiores que os provocados por uma bomba de meia tonelada largada por um caça-bombardeiro”, explicou o mesmo especialista. “Os camiões-bomba são a força aérea deles”, acrescentou.

O impacto é semelhante ao de “uma pequena bomba nuclear“, disse por seu lado o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, ao defender-se das críticas dos Estados Unidos que acusaram o exército iraquiano de “falta de vontade de combater” em Ramadi.

O uso pelos ‘jihadistas’ de camiões-bomba – designados militarmente pela sigla SVBIED (“Suicide Vehicle-Borne Improvised Explosive Device”, ou engenho explosivo improvisado transportado por veículo suicida) – remonta à invasão norte-americana no Iraque, mas os especialistas estão de acordo que foi intensificado.

“As ofensivas do Estado Islâmico no Iraque podem ser a primeira vez que VBIED foram usados como parte da ordem de batalha de uma grande força ofensiva numa guerra no Médio Oriente”, admitiu Andrew Terrill, professor no Instituto de Estudos Estratégicos do Exército dos Estados Unidos.

Este tipo de dispositivos foi usado pelos Tigres Tamil, no Sri Lanka, em ataques-suicida com veículos armadilhados em simultâneo com ataques de infantaria, mas Mike Davis, autor de “Breve História do Carro Armadilhado”, sublinha que se tratava apenas de “ataques a solo” usados para desencadear confrontos.

“O ataque a Ramadi foi ‘choque e pavor’ numa escala completamente diferente”, disse, referindo-se à doutrina militar de uso de força avassaladora para criar a percepção de força dominante no campo de batalha.

Os mais de dez camiões-bomba usados no ataque a Ramadi transportavam explosivos suficientes para provocar uma explosão da dimensão da do atentado de 1995 em Oklahoma, que fez 168 mortos e mais de 500 feridos, segundo uma fonte do Departamento de Estado norte-americano citada pela agência.

Segundo Davis, os explosivos usados em Oklahoma “eram o equivalente ao carregamento de bombas do bombardeiro pesado B-24 na II Guerra Mundial”.

Após a queda de Ramadi, os Estados Unidos enviaram 2.000 armas antitanque não-guiadas AT4 para equipar as forças iraquianas para o combate aos camiões-bomba dos ‘jihadistas’.

“São boas em espaço aberto, mas não são guiadas, pelo que se (o camião) vier na sua direcção, têm de ficar de frente para ele. Quando o camião estiver a 100 metros já é demasiado tarde. E numa cidade, como Ramadi, por exemplo, é praticamente impossível”, explicou Davis.

Milhares de membros das forças militares iraquianas e de milícias aliadas do governo tentam isolar Ramadi para lançar uma operação para recuperar a capital provincial, mas o primeiro-ministro admitiu que entrar na cidade é arriscado.

Decidimos não combater dentro das cidades por causa dos camiões-bomba, que não se conseguem ver nas cidades por causa das ruas pequenas”, disse Al-Abadi à BBC.

“O maior mito militar do século passado era de que o poderio aéreo podia por si só derrotar os insurgentes. Os camiões-bomba estão a criar um novo paradigma“, considerou Mike Davis.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ruth, a "humana digital" da Nestlé ensina como fazer as bolachas perfeitas

Graças à Inteligência Artificial, nasceu Ruth, um "humano digital" da Nestlé que interage connosco e nos ajuda a fazer as melhores bolachas com pepitas de chocolate. A internet é o maior livro de receitas a que …

“Ditador egoísta e despótico”. Margaret Tatcher comparou Saddam Hussein a Hitler após ataque ao Kuwait

Documentos do início da Guerra do Golfo revelam que a antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher comparou Saddam Hussein a Adolf Hitler após a invasão do Kuwait pelo ditador iraquiano. De acordo com os documentos anteriormente confidenciais …

Cientistas criam "televisão" ultravioleta para animais (que nos vai ajudar a entendê-los melhor)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Queensland, na Austrália, desenvolveu uma "televisão" ultravioleta para ajudar os especialistas a entender melhor a forma como os animais veem o mundo. Os monitores de televisões ou computadores têm …

Watakano, a “ilha da prostituição” que teve o seu auge nos anos 80, está agora vazia

Conhecida como “ilha da prostituição”, Watakano já foi considera um pequeno paraíso sexual. No seu auge, do final dos anos 70 a meados dos anos 80, homens faziam um curta viagem de barco até ao …

Deputado norte-americano quer banir GTA 5 e outros jogos violentos. Tudo para diminuir roubos de carros

O deputado norte-americano Marcus Evans quer proibir a venda de videojogos violentos que promovam atividades criminosas, como o GTA 5, face ao aumento dos roubos de automóveis em Chicago e um pouco por todo o …

Estudante projetou um casaco que se transforma num saco-cama para os sem-abrigo. E deu-lhes um emprego

Nos Estados Unidos, há pelo menos 567.715 pessoas que vivem nas ruas. Embora há quem vire as costas a essas estas, também há quem esteja disposto a fazer tudo para ajudar os necessitados e tirá-los …

Um livro e uma reclusa-mediterrânica. Aranhas venenosas obrigam a encerramento temporário de biblioteca nos EUA

Aranhas venenosas da espécie reclusa-mediterrânica apareceram na cave de uma biblioteca na Universidade do Michigan, nos Estados Unidos. Os funcionários de uma biblioteca da Universidade do Michigan, nos Estados Unidos, foram obrigados a encerrar temporariamente o …

Bolsonaro diz que máscaras causam "efeitos colaterais"

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse que as máscaras causam "efeitos colaterais" e citou um alegado estudo alemão, sem acrescentar mais detalhes. O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, causou polémica esta quinta-feira ao dizer que as …

Pilotos aprovam acordo de emergência na TAP

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) aprovou esta sexta-feira o acordo de emergência na TAP, adiantaram vários pilotos à Lusa. O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) aprovou o acordo de emergência na …

Britânico enviava dinheiro a residentes de uma cidade britânica. Era "um ato generoso de bondade"

Os habitantes de Frome, no Reino Unido, estão constantemente à espera do correio, depois de ter sido revelado que um homem misterioso estava a entregar dinheiro nas casas dos residentes locais. A polícia da cidade inglesa …