Governo espanhol aprova lei que criminaliza expressões de apoio a Franco

Mariscal / EPA

Iniciativa legislativa, intitulada Lei da Memória, proposta pelo executivo de Pedro Sánchez, uma coligação formada pelo PSOE e o Unidas Podemos, prevê a criminalização de qualquer mostra de apoio ao regime de Franco, a criação de dias para homenagear as vítimas da Guerra Civil espanhola e alterações nos currículos escolares com vista à preservação da “memória democrática”.

Quarenta e seis anos após o fim da ditadura, os fantasmas da figura de Franco continuam a pairar sobre os espanhóis.

Esta semana, o governo de Pedro Sanchéz aprovou uma proposta de lei que está a gerar polémica nos vários quadrantes da sociedade espanhola, uma vez que eleva a estatuto de crime qualquer mostra de apoio ao regime franquista, prevê a criação de multas para quem exalte a guerra civil e abre a porta à extinção de todas as fundações que operem neste âmbito.

Com esta norma, o governo espanhol tenta impedir que se “repitam” partes mais “negras” da história de Espanha, escreve o El Mundo.

Félix Bolaños, novo ministro da presidência, comunicou aos jornalistas que a lei vai incluir a possibilidade de encerramento das fundações que incitem ao ódio, enalteçam a ditadura ou humilhem as vítimas, o que sugere, por exemplo, o fim da Fundação Franco.

A possibilidade foi confirmada por Bolaños à saída do conselho de ministros onde a legislação, intitulada ‘Lei da Memória’, foi aprovada, com o ministro a adiantar que tal ação não ocorrerá “de imediato”.

O texto deverá agora seguir para a câmara baixa do parlamento espanhol, o Congresso de los Diputados, mas não na sua versão original. É que após apresentação da legislação, o Consejo General del Poder Judicial (CGPJ) contrariou o executivo de Pedro Sánchez ao defender que as associações e os atos públicos de apoio a Franco estão defendidos pela lei da liberdade de expressão, sempre que não se verifique uma situação que constitua uma humilhação para as vítimas.

Como consequência desta decisão, será criado um organismo — Fiscalía de Sala de Memória Democrática — que ficará responsável por investigar todas as violações da lei, assim como os seus culpados, que deverão incorrer em multas que podem ir dos 200 aos 150 mil euros. O valor mais elevado será cobrado a quem exaltar a figura de Franco ou a quem destruir sepulturas, por exemplo.

No entanto, os planos do governo presidido por Pedro Sanchéz e formado através de uma coligação entre o PSOE e o Unidas Podemos podem bater de frente com a oposição do PP nas instâncias parlamentares.

Cuca Gamarra, porta-voz do Partido Popular no Congreso de los Diputados, já criticou o atual executivo que, entende, está demasiado preocupado em olhar para trás e não se preocupa com os problemas e as dificuldades enfrentadas pelos espanhóis na atualidade.

No seu entender, esta postura não trará “nem futuro nem esperança”, numa mensagem que teve como destinatários os partidos do governo, mas também a Esquerda Republicana da Catalunha e a Candidatura de Unidade Popular — duas forças políticas catalãs representadas no parlamento nacional que defendem uma lei ainda mais ambiciosa.

Como resposta, Félix Bolaños pediu “unanimidade” na votação. O ministro explicou que o primeiro “eixo” da lei tratará de “colocar as vítimas no centro da ação política do governo”.

Com isto, serão consideradas ilegítimas ou nulas todas as sentenças emitidas pelos tribunais durante a ditadura, explicou Bolaños. Como tal, “é a primeira vez que uma lei repudia e condena o golpe de estado e a ditadura”.

O segundo “eixo” terá como prioridade destacar o papel das mulheres na “recuperação da democracia” em Espanha e reconhecer o seu estatuto “agravado de vítimas”. “Queremos que esta lei seja uma homenagem a elas”. Quanto ao terceiro “eixo”, segundo Bolaños, é “dar importância ao movimento memorialista”.

Também no âmbito da lei, serão criados dois dias para honrar a memória das vítimas, o 31 de outubro e o 8 de maio. Para Félix Bolaños, através destes atos conseguem que Espanha se torne um “país mais digno porque ajuda mais as vítimas”. “É uma lei que nos torna melhor como país”, resumiu.

Para além da iniciativa legislativa, o governo espanhol tem uma série de medidas suplementares preparadas. Uma delas prevê a criação de um banco nacional de ADN para que as famílias das vítimas possam saber o paradeiro dos restos mortais dos seus familiares, assim como um centro de documentação que nascerá em Salamanca.

Será também instituído um Consejo Interterritorial que coordenará as comunidades autónomas e o governo nacional. Simultaneamente, o executivo espanhol vai desenvolver um inventário dos bens espoliados pelo franquismo, irá retirar os títulos nobiliárquicos atribuídos por participação na guerra civil e incorporará a “memória democrática” nos currículos escolares.

No projeto lei está também prevista a transformação do Vale dos Caídos, monumento onde estão sepultadas as vítimas da guerra civil espanhola e, até à pouco tempo, o próprio Franco — o governo de Pedro Sanchéz quer torná-lo um cemitério civil. A exoneração dos restos mortais do ditador foi determinada há dois anos pelo governo espanhol, num primeiro e claro sinal do que seria a sua posição no que concerne ao tema.

ARM, ZAP //

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. E assim começa o principio do fim da liberdade de expressão.

    Desconfortável por vezes? Sim, é verdade; não obstante … avizinha-se o retorno da “censura” (com ou sem aspas).

  2. E expressões de apoio a Santiago Carrillo que, como comissário politico de Madrid em 1937, deu a sua aprovação ao fuzilamento em Paracuellos de várias centenas de presos políticos da República?
    Ou porque era comunista esta acção é democrática?
    Viva a ditadura da virtude e do pensamento formatado pelo Sr. Sanches e os seus aliados de geringonça

  3. E que tal banir também o comunismo? Não foram os dois ideais condenados pela união europeia ?
    Lá se ia o camarada Jerónimo e os seus comparsas

  4. Já agora e para ser coerente que tome a mesma decisão em relação ao comunismo, caso contrário não passa de mais um falhado em moral a servir-se da política!

  5. Com tantos comentários desagradados e arremessando com o comunismo, Pergunto só para ficar esclarecido: O partido comunista tem feito mortes em Espanha? (não confundir com os movimentos independentistas)?ou ando mal informado?

    • Livre, quem ajudou o bando republicano na guerra civil espanhola? Os comunistas e os soviéticos. Quem assassinava padres antes da guerra civil (só por serem padres)? Exacto…os comunistas.

      Conhecer a história é importante. A guerra civil foi tão sangrenta porque enfrentou 2 grupos extremistas. fascistas contra comunistas.

      No fim de 1975 decidiram colocar um penso sobre a ferida e esquecer tudo. E agora, vem estes cabrões voltar a abrir uma cicatriz para proveito político.

      • Concordo consigo, conhecer a história é importante, mas esqueceu-se de dizer quem começou a barbárie e não respeitou a vontade popular.
        Mais: A homenagem às vitimas civis não distingue os lados da barricada, mas apenas impedir a glorificação dos criminosos

  6. A Espanha devia esquecer Franco e o franquismo, assim como já esqueceu a Inquisição. O passado é o passado e ninguém conseguirá ressuscitá-lo. Deixem os tontinhos sonhar…

RESPONDER

Biden acusa a Rússia de tentar intervir nas eleições de 2022 para o Congresso

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, acusou na terça-feira o seu homólogo russo, Vladimir Putin, de tentar interferir nas eleições para o Congresso de 2022, espalhando "desinformação". "Veja o que a Rússia já está …

Polícias rejeitam proposta do MAI para o subsídio de risco e prometem novos protestos

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR rejeitaram, esta quarta-feira, a proposta apresentada pelo Governo para o subsídio de risco e prometem novos protestos até que seja atribuído "um valor justo". "Saímos completamente …

Desta vez, van Vleuten ganhou mesmo (aos 38 anos)

Ficou para trás o episódio caricato do último domingo. Annemiek van Vleuten é a nova campeã olímpica de ciclismo, contrarrelógio. Annemiek van Vleuten iria ficar ligada a um dos momentos mais insólitos, ou mesmo o mais …

Bruxelas assegura aquisição de medicamento para tratamento precoce da covid-19

A Comissão Europeia anunciou, esta quarta-feira, um contrato de aquisição conjunta com a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) para a compra do sotrovimab, um medicamento destinado ao tratamento precoce da covid-19, cuja utilização está a ser analisada …

Vacinados escapam às restrições da "lista âmbar" britânica

Pessoas vacinadas contra a covid-19 que viagem a partir dos Estados Unidos (EUA) ou da União Europeia (UE) podem evitar a quarentena caso venham de um país da "lista âmbar" britânica, onde está Portugal. Segundo o …

Equador retira nacionalidade ao fundador da Wikileaks, Julian Assange

O governo equatoriano revogou a decisão de 2018 devido a incongruências burocráticas. O advogado de Assange já disse que vai recorrer e que a decisão foi tomada sem o fundador da Wikileaks ser ouvido. O Equador …

Os primeiros resultados dos Censos: Portugal perdeu população pela primeira vez desde 1970

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou, esta quarta-feira, os primeiros resultados dos Censos 2021, cujas respostas por via digital ultrapassaram os 99%. Portugal tem hoje 10.347.892 residentes, menos 214.286 do que em 2011, segundos os …

Portugueses esperam quase até aos 40 para comprar casa

Um barómetro que avalia a preferência dos consumidores na hora de comprar um imóvel indica que a maioria dos portugueses só liquida o crédito à habitação após a reforma. O indicador destaca ainda que os portugueses …

Moedas fecha lista para a Câmara de Lisboa

O candidato à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, já fechou a equipa que o vai acompanhar nas próximas autárquicas. O anúncio de que a lista de Carlos Moedas para a Câmara de Lisboa está fechada será …

Abaixo-assinado apelida Bolsonaro de genocida após 550.000 mortes no Brasil

Dezenas de personalidades e organizações da sociedade civil portuguesa subscreveram um abaixo-assinado de solidariedade internacional para com o Brasil, no qual apelidam o Presidente, Jair Bolsonaro, de "genocida" após mais de 550.000 mortes devido à …